sexta-feira, 8 de junho de 2012

O CONTRASTE

Absolutamente inconcebível e absurda a situação da saúde pública no Brasil. Temos denunciado sistematicamente no blog o quanto sofre nosso povo que depende do sistema, vitimas da omissão, desmazelo e irresponsabilidade dos gestores, principalmente no interior do país.
Uma pequena amostra do que acontece na saúde pública foi ao ar para todo o Brasil esta semana através do programa Profissão Repórter da Rede Globo, ficou evidente o sofrimento de pacientes e médicos. Hospitais superlotados, sem a menor condição de higiene, equipamentos que não funcionam, falta de medicamentos , médicos sobrecarregados , sujeitos a erros em função das péssimas condições de trabalho.
E o que é pior, o uso político, principalmente nas regiões mais pobres, iludindo a população e os próprios médicos, com a construção de verdadeiros elefantes brancos. O exemplo do Maranhão é uma vergonha e se esse país fosse sério, o clã dominante deveria estar na cadeia, vejamos: A construção de 65 hospitais programados para serem inaugurados em ano eleitoral, na maior parte em municípios pequenos de 8 a 12 mil habitantes, numa clara transgressão da orientação do próprio Ministério da Saúde. Hospitais com centros cirúrgicos desativados, maternidades onde nascem 2 a 3 crianças por mês, enfermarias vazias e funcionários ociosos por falta de pacientes, em contraste com o que acontece nas cidades maiores onde se vê justamente o oposto, com hospitais sucateados e superlotados.
Outra cena chocante e que reflete o que acontece com a grande maioria dos médicos que escolheram o interior para exercer sua profissão, foi a do colega, já idoso, portador de hemiplegia em conseqüência de um AVE ( acidente vascular encefálico ) atendendo a população, necessitando de um secretário para escrever inclusive a receita em função da sua incapacidade. A falta de uma aposentadoria digna, com rendimentos suficientes para manter seu padrão de vida, leva o médico a trabalhar até os limites de seu estado físico e sua condição de saúde. Após décadas de trabalho, salvando vidas , não temos aposentadoria para um final de vida com dignidade.
Ficamos assim, medicina de primeiro mundo nas grandes cidades, com hospitais de ponta, médicos super especializados,  referência até para outros países, disponíveis para quem pode pagar particular ou planos de saúde e para os governantes enquanto no interior pobre a a população e os médicos são submetidos a um sistema de saúde digno dos mais pobres países da África.
Os médicos então estão divididos em duas categorias, a que tem as melhores condições de trabalho, equipes multidisciplinares, equipamentos de primeira linha, remuneração digna e os que estão no interior, solitários, responsáveis únicos por plantões no pronto-socorros, sem equipe, sem equipamentos, sem medicamentos, com sobrecarga de trabalho e salários indignos e insuficientes para tamanha responsabilidade.
Quanto a mim, vou me equilibrando entre essas duas categorias, até quando Deus quiser.

Marco Sobreira

5 comentários:

  1. Que DEUS o abençoe amigo, e que possa sempre atender aos necessitados.

    ResponderExcluir
  2. E Ele há de querer que vc fique por muuuuuuuuuuito tempo por aqui..... Mas a situação não tá ruim só no sistema público não, uma amiga precisando de um alergista com urgência visto que já teve 3 infartos, só conseguiu um pra novembro..affff tá complicado.. Ahhh e o plano de saúde dela é daqueles antigos, que cobrem tudo, o melhor....

    Bom, tava com saudade de ler seus artigos.

    ResponderExcluir
  3. Isso é crime, Doutor, crime! Apologia ao aborto é crime! Isso é um absurdo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com todo respeito amigo, não entendi nada do seu comentário.

      Excluir
  4. @Lelezinha_09 (Zinha8 de junho de 2012 17:06

    Caro amigo Dr Marcos:
    Estou ciente de tudo o que vc descreve neste texto,pois além de ter atuado por mto tempo na área da Saúde,sou de família na mesma,tendo mtos médicos na família e também das áreas de Odontologia e Enfermagem.
    É um problema mto sério,no que se refere à Saúde que, se não for atacado de frente,ficaremos eternamente "dando murros em ponta de facas"!
    Se a Saúde fosse séria no nosso país, seria criada uma comissão para se resolver (seriamente) como fazer uma distribuição de médicos,laboratórios, enfim, uma infraestrutura eficiente e verdadeira para servir ao país todo,e não à determinadas regiões!
    O assunto é extenso e mto rico! Mas há de se dar um jeito para solucioná-lo!
    Por eqto, só temos a desejar um líder da Saúde que tenha Cabeça,Conhecimento e Coragem para enfrentar o assunto!
    Um abç!

    ResponderExcluir