domingo, 28 de fevereiro de 2010

CARTA DE PRESOS POLITICOS DE CUBA A LULA.

Havana, 21 de fevereiro de 2010

Sr. Luiz Inácio Lula da Silva

Presidente

República Federativa do Brasil


Estimado Sr. Presidente:



Ao tomar conhecimento de sua próxima visita a Cuba, integrantes dos 75 prisioneiros de consciência, injustamente condenados duramente na Primavera de 2003, abaixo-assinantes, nos dirigimos ao Sr. para solicitar-lhe que nas conversações que manterá com os máximos representantes do governo cubano, contemple nossa situação e a dos demais prisioneiros políticos pacíficos cubanos, e advogue por nossa libertação. Igualmente aspiramos a que o Sr. se interesse pelo prisioneiro de consciência Orlando Zapata Tamayo, que desde dezembro vem mantendo uma greve de fome para reclamar seus direitos e hoje encontra-se em condições de saúde perigosas para a sua vida no Hospital Nacional de Reclusos, na Prisão Combinado del Este.



O Brasil, pelo caminho da democracia e da paz, alcançou altos níveis de desenvolvimento e reduziu consideravelmente a pobreza, e por tal motivo constitui um exemplo demonstrativo de que mediante o respeito e a livre expressão, a justiça social e o alento à criação, podem se alcançar elevadas cotas de prosperidade para os povos. Com isso, ademais, conseguiu prestígio e autoridade moral e ética internacionalmente. Seu desempenho, Presidente, foi elogiável em tal sentido.



O Sr. poderia ser um magnífico interlocutor para obter que o governo cubano se decida a fazer as reformas econômicas, políticas e sociais urgentemente requeridas, avançar no respeito dos direitos humanos, conseguir a ansiada reconciliação nacional e tirar a nação da profunda crise em que se encontra. O Sr. poderia contribuir significativamente para a felicidade e o progresso do povo cubano. Em tal sentido, posteriormente a sua visita, os representantes diplomáticos brasileiros, ao mesmo tempo em que mantenham sua relação com as autoridades cubanas, deveriam escutar as opiniões da sociedade civil, inclusive os familiares dos prisioneiros de consciência e políticos, assim como da oposição pacífica.



Receba o testemunho de nossa consideração e respeito.



Assinado:

1- Luis Enrique Ferrer García, condenado a 28 anos, prisão Mar Verde, Santiago de Cuba
2- Omar Rodríguez Saludes, condenado a 27 anos, prisão Toledo, Provincia Ciudad Habana
3- Alfredo Felipe Fuentes, condenado a 26 anos, prisão Guanajay, Provincia Habana
4- Miguel Galbán Gutiérrez, condenado a 26 anos, prisão Guanajay, Provincia Habana
5- Iván Hernández Carrillo, condenado a 25 anos, prisão "El Pre", Guamajal, Villa Clara
6- Blas Giraldo Reyes Rodríguez, condenado a 25 anos, prisão Nieves Morejón, Sancti Spiritus
7- Félix Navarro Rodríguez, condenado a 25 anos, prisão Canaleta, Ciego de Ávila
8- Normando Hernández González, condenado a 25 anos, hospital de la prisão Combinado del Este, La Habana.
9- José Daniel Ferrer García, condenado a 25 anos, prisão provincial de Las Tunas
10- Ariel Sigler Amaya, condenado a 25 anos, Hospital Julio Díaz, muy enfermo
11- Jesús Mustafá Felipe, condenado a 25 anos, prisão Provincial de Guantánamo
12- José Luís García Paneque, condenado a 24 anos, prisão "Las Mangas", Granma
13- Eduardo Díaz Fleitas, condenado a 21 anos, prisão Kilo 5 ½, Pinar del Río
14- Ricardo González Alfonso, condenado a 20 anos, prisão Combinado del Este, Ciudad de La Habana
15- Diosdado González Marrero, condenado a 20 anos, prisão Kilo 5 ½, Pinar del Río
16- Pedro Argüelles Morán, condenado a 20 anos, prisão Canaleta, Ciego de Ávila
17- Pablo Pacheco Ávila, condenado a 20 anos, prisão Canaleta, Ciego de Ávila
18- Librado Linares García, condenado a 20 anos, prisão La Pendiente, Villa Clara
19- Arturo Pérez de Alejo Rodríguez, condenado a 20 anos, prisão "El Pre", Guamajal, Villa Clara
20- Julio César Gálvez Rodríguez, condenado a 20 anos, prisão Combinado del Este, Ciudad de La Habana
21- Nelson Molinet Espino, condenado a 20 anos, prisão Kilo 5 ½, Pinar del Río
22- Fabio Prieto Llorente, condenado a 20 anos, prisão El Guayabo, Isla de la Juventud
23- Léster González Pentón, condenado a 20 anos, prisão La Pendiente, Villa Clara
24- Fidel Suárez Cruz, condenado a 20 anos, prisão Kilo 8, Pinar del Río
25- Manuel Ubals González, condenado a 20 anos, prisão Boniato, Santiago de Cuba
26- Leonel Grave de Peralta Almenares, condenado a 20 anos, prisão Boniato, Santiago de Cuba
27- Antonio Díaz Sánchez, condenado a 20 anos, prisão Canaleta, Ciego de Ávila
28- Horacio Piña Borrego, condenado a 20 anos, prisão Kilo 5 ½ Pinar del Río
29- Marcelo Cano Rodríguez, condenado a 18 anos, prisão Ariza, Cienfuegos
30- Omar Ruíz Hernández, condenado a 18 anos, prisão Nieves Morejón, Sancti Spiritus
31- Arnaldo Ramos Lauzerique, condenado a 18 anos, prisão Nieves Morejón, Sancti Spiritus
32- José Ubaldo Izquierdo, condenado a 16 anos, prisão Guanajay, Provincia Habana
33- Antonio Villarreal Acosta, condenado a 15 anos, prisão La Pendiente, Villa Clara
34- Adolfo Fernández Sainz, condenado a 15 anos, prisão Canaleta, Ciego de Ávila
35- Alexis Rodríguez Fernández, condenado a 15 anos, prisão Aguadores, Santiago de Cuba
36- Claro Sánchez Altarriba, condenado a 15 anos, prisão Provincial de Guantánamo
37- Alfredo Pulido López, condenado a 14 anos, prisão Cerámica Roja, provincia Camagüey
38- Alfredo Domínguez Batista, condenado a 14 anos, prisão Típico Viejo, Las Tunas
39- José Miguel Martínez Hernández, 14 anos, prisão Quivicán, Provincia Habana
40- Efrén Fernández, condenado a 12 anos, prisão de Guanajay, Provincia Habana
41- Héctor Raúl Valle Fernández, condenado a 12 anos, prisão Guanajay, Provincia Habana
42- Ricardo Silva Gual, condenado a 10 anos, prisão Aguadores, Santiago de Cuba
43- Margarito Broche Espinosa, condenado a 25 anos, com licença extra penal por doença
44- Héctor Palacios Ruiz, condenado a 25 anos, com licença extra penal por doença
45-Marta Beatriz Roque Cabello, condenada a 20 anos, com licença extra penal por doença
46-Roberto de Miranda, condenado a 20 anos, com licença extra penal por doença
47- Oscar Espinosa Chepe, condenado a 20 anos, com licença extra penal por doença
48- Jorge Olivera Castillo, condenado a 18 anos, com licença extra penal por doença
49- Marcelo López Bañobre, condenado a 15 anos, com licença extra penal por doença
50- Carmelo Díaz Fernández, condenado a 15 anos, com licença extra penal por doença.
 
 
COMENTÁRIO NOSSO : Como e de conhecimento de todo o mundo, o Presidente Lula ignorou solenemente o apelo do presos políticos e só fez bajular os ditadores Fidel e Raul Castro. Pra seu azar o Zapata, motivo principal da carta, morreu por inanição durante sua visita. Fotos com abraços e sorrisos nos envergonharam a todos, pelo menos a todos nós que amamos a Democracía e repudiamos a Ditadura Castrista ou qualquer tipo de ditadura.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

A DECISÃO É SUA.

 Outro dia, postei no twitter uma mensagem a pedido de um amigo, convidando para uma passeata a favor da democracia e contra a ditadura, no Rio de Janeiro. Logo fui interpelado. Me perguntaram a qual ditadura eu me referia e completou “enquanto vocês não incendiarem esse País, não sossegam. Não bastam os 20 anos da ditadura militar? Confesso que, após responder-lhe que somos contra qualquer tipo de autoritarismo, independente da ideologia que o motivar, confesso que esse questionamento não me saiu da cabeça. Tudo começou com o lançamento do PNDH3 e o que está por trás desse verdadeiro projeto de levar o Brasil para um regime de extrema esquerda e ainda retaliar os militares. Analisando atentamente o programa elaborado pelo Sr. Paulo Vanucchi cheguei a conclusão que além de querer desfigurar a democracia representativa, pretende interferir no Judiciário, na religiosidade de nosso povo, no direito à propriedade, na cultura popular , na família e ainda pretende impor censura à imprensa, liberação do aborto, adoção de filhos por casais homessexuais, alteração do estatuto do índio, intromissão em assuntos como nanotecnologia e transgenia, financiamento público de campanha e taxação de grandes fortunas. Como se não bastasse, a criação da comissão da verdade  com revisão da Lei da Anistia para avaliar ato dos militares à época da ditadura, poupando os que roubaram, seqüestraram e mataram em nome do combate ao regime.


O programa, pretenso defensor dos direitos humanos, naturalmente teve o conhecimento prévio do Presidente Lula e de sua candidata Dilma Rousseff não contribui em nada para o aprimoramento democrático, pelo contrário, leva o País perigosamente a caminho de um regime muito parecido com a República Bolivariana de Chávez, tornando-se na verdade um programa partidário e não para valorizar os ideais democráticos, porque se assim o fora, não se posicionaria contra qualquer resolução da ONU que reprovem os Direitos Humanos em países como Cuba , China e Venezuela.

Sentindo-se ameaçados, os militares, que a bem da verdade até então se ocupavam apenas de suas obrigações constitucionais, apoiados por segmentos mais conservadores começaram a se manifestar com mais ousadia, usando o velho argumento anti-comunista , da defesa da pátria , da família e da propriedade, num recado direto, de que não vão aceitar revanchismos e julgamentos a pretexto de passar a limpo a história, ainda mais porque não se fala em julgamento dos que os combateram.

O Partido dos Trabalhadores que na verdade não combateu a ditadura, pois sequer existia quando tudo começou e não tinha representatividade política importante quando terminou, tem a responsabilidade histórica de não tirar o Brasil da trilha da democracia que conquistamos , que permitiu que um operário chegasse à Presidência da República, não pode agora, através de sua ala mais radical, convulsionar o País, levando a retrocessos ou a ressuscitar sonhos socialistas já enterrados em todo o mundo.

Nossa jovem democracia chega em 2010 numa encruzilhada que nos aponta dois caminhos a seguir, o da social democracia progressista, com liberdade de imprensa, com respeito à propriedade, aos valores religiosos e culturais de nosso povo , a família e o pluripartidarismo. Um Estado justo que respeite a iniciativa privada e que se dedique principalmente à saúde, educação, segurança pública e programas de infra-estruturas necessárias ao crescimento, que mantenha a tradição de não ingerência e respeito à soberania das outras Nações ou o socialismo ultrapassado, estatizante e seguindo as normas preconizadas nesse famigerado PNDH3, com risco de levar o País a aventuras imprevisíveis e indesejadas. Fico com a primeira opção..

PS:Postei este artigo em fev/10. Me parece mais atual do que nunca.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

ATENÇÃO JUSTIÇA BRASILEIRA.

ATENÇÃO JUSTIÇA BRASILEIRA: O roteiro final do mensalão - parte 1


Fonte: revista Isto É



ISTOÉ teve acesso às 69 mil páginas do processo do STF que trazem à tona novas histórias sobre o esquema de corrupção. Em uma delas aparece o coordenador de campanha de Dilma, o ex-prefeito Fernando Pimentel, como operador de remessas ilegais Hugo Marques





O processo que investiga o Mensalão do PT no Supremo Tribunal Federal (STF) tem 69 mil páginas. São 147 volumes e 173 apensos. Entre os documentos, há 50 depoimentos inéditos colhidos pela Justiça Federal em todo o País ao longo de 2008 e 2009, laudos sigilosos da Polícia Federal, relatórios reservados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), pareceres da Receita Federal e outras representações criminais que tramitam sob segredo de Justiça em vários Estados. O calhamaço faz a mais ampla e fiel radiografia do maior esquema de corrupção do País. Tudo isso, até hoje, estava sob sigilo de Justiça. Agora não mais. ISTOÉ teve acesso a todos esses documentos. O conteúdo empresta ainda mais gravidade ao escândalo. Além de lançar luz sobre novos personagens – até aqui eram 40 réus –, a investigação derruba a versão de que o dinheiro público estava ileso do esquema de caixa 2 do PT. Chegou-se a levantar essa hipótese durante a CPI, mas não havia provas. Agora, os novos documentos e testemunhas asseguram a origem estatal dos recursos. Essas novas provas também jogam por terra a desculpa petista de que tudo foi feito para pagar despesas de campanha. Não. Diante de juízes e procuradores, testemunhas contaram em detalhes como atividades privadas de interesse partidário foram custeadas com as mesmas notas de dólares, euros e reais que circularam em cuecas e malas e ainda compravam apoios no Congresso.


São esses documentos que o ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do Mensalão, usará para emitir seu julgamento. A leitura do processo que corre no STF evidencia que o Mensalão do PT é um cadáver ainda insepulto, capaz de provocar intempéries na corrida eleitoral.


A conexão Belo Horizonte


Parte da nova documentação analisada pelo Supremo atinge diretamente um importante dirigente petista que havia permanecido incólume durante todo o escândalo do Mensalão e que só agora tem seu nome envolvido na rede de corrupção. Trata-se do atual coordenador da campanha presidencial da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e ex-prefeito de Belo Horizonte (2005-2008), Fernando Pimentel. No processo 2008.38.00.012837-8, que investiga os crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas e tramita sob sigilo na 4ª Vara da Justiça Federal em Minas Gerais e agora foi anexado ao caso do STF, ele é apontado como um dos operadores da remessa ilegal de recursos para o Exterior, depois usados para pagamentos de dívidas do PT com o publicitário Duda Mendonça. Nesse processo, o procurador da República Patrick Salgado Martins mostra as relações de Pimentel com o empresário Glauco Diniz Duarte e com o contador Alexandre Vianna de Aguilar. Ambos, segundo o Ministério Público Federal, enviaram ilegalmente para os Estados Unidos cerca de US$ 80 milhões. Parte desse dinheiro, como afirma o procurador, teria sido destinada às contas de Duda Mendonça, um dos personagens centrais do escândalo do Mensalão. Em 2005, depois que o caso se tornou público, o publicitário admitiu que mantinha uma conta com R$ 10 milhões não declarados nos EUA, em nome da Dusseldorf Company. Foi dinheiro que o publicitário reconheceu ter recebido como pagamento de campanhas feitas para o PT.



A origem desses recursos, de acordo com a denúncia do Ministério Público mineiro, está em um contrato superfaturado da Prefeitura de Belo Horizonte, feito durante a gestão de Pimentel, com a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) para a implantação do Projeto Olho Vivo – instalação de câmaras nas ruas da capital mineira. Diniz era diretor da CDL e teria abastecido as contas de Duda. “O contrato do qual surgiram irregularidades diversas como superfaturamento e alienação de câmaras por empresa de fachada presta-se a demonstrar a ligação de Glauco Diniz com o prefeito de Belo Horizonte, cuja campanha foi produzida pelo publicitário Duda Mendonça, havendo fundada suspeita de que o aludido convênio tenha sido ardiloso estratagema para desvio de dinheiro público com a finalidade de saldar as dívidas de campanha do partido em território alienígena”, escreveu o procurador Martins em sua denúncia.






O procurador rastreou a rota do dinheiro dos contratos e descobriu que os recursos saíam do Brasil para os EUA, onde eram depositados nas contas da empresa Gedex International, pertencente a Diniz. Em seguida, eram repassados para a conta Dusseldorf, de Duda Mendonça. A Gedex recebeu no Exterior mais de US$ 30 milhões. Quanto desse total chegou à conta de Duda é uma pergunta ainda sem resposta na investigação. “As conexões mostram que eles intermediavam operações diversas com o objetivo de dissimular a natureza, origem, localização, movimentação e propriedade das quantias transacionadas, havendo ainda contra o acusado Glauco Diniz a suspeita de ter elaborado esquema de desvio de dinheiro público com a finalidade de saldar dívidas de campanha do PT”, conclui o procurador. Com essa nova documentação, Barbosa, segundo um ministro do STJ ouvido por ISTOÉ, poderá ampliar o número de réus no processo, inclusive arrolando Pimentel entre eles.




quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A REPÚBLICA DO JOSÉ DIRCEU.

O Brasil está atônito com os últimos acontecimentos envolvendo a nossa classe política. Pela primeira vez na história do País, um Governador em pleno exercício, foi preso e o que é mais surpreendente, continua preso, passando para a população a impressão de que finalmente a Justiça começa a ser para todos. Vice – governador assume o cargo e poucos dias depois, expurgado pela opinião pública e pelo seu próprio partido, renuncia e o Distrito Federal, centro do Poder político do País conhece seu terceiro Governador num espaço de 12 dias. Em São Paulo, centro econômico do País, a Justiça cassa o Prefeito, seu vice e vários vereadores, numa atitude no mínimo precipitada, já que 24 horas depois revoga o seu próprio ato, devolvendo aos governantes suas funções diante de evidencias de que a causa da cassação já tinha Jurisprudência formada em caso semelhante que envolveu o próprio Presidente da Republica.




Poupo aqui um pouco os políticos para relatar que o Poder Judiciário, com as denúncias no Espírito Santo com a Operação Naufrágio que envolveu até o Presidente do Tribunal de Justiça que juntamente com Desembargadores, Juízes, Advogados e Servidores públicos, montaram verdadeira quadrilha para venda de sentenças, trafico de influência, manipulando concursos públicos , falsificação ideológica , tudo em beneficio de filhos e parentes, aparelhando cartórios e tribunais com gente de confiança do esquema. Caso parecido aconteceu em Mato Grosso do Sul e outros estados, evidenciando a necessidade urgente de uma Reforma no Poder Judiciário, que é imprescindível à normalidade democrática.





Voltando aos políticos, o Jornal A Folha de São Paulo denunciou o que a principio parece ser o maior escândalo do Governo Lula. Acusado de ser o chefe do esquema que ficou conhecido como mensalão, o deputado federal cassado José Dirceu (PT) volta à cena. Desta vez, ele é suspeito de beneficiar um cliente de sua empresa de consultoria – o que levará a oposição a propor nova CPI contra o governo no Congresso. O empresário Nelson dos Santos, dono da Star Overseas, teria pago pelo menos R$ 620 mil a Dirceu pelo serviço de consultoria, entre 2007 e 2009.

O negócio é visto com suspeição pelo mercado. Em 2005, Santos comprou por um valor simbólico de R$ 1 a participação na empresa Eletronet – que havia pedido autofalência em 2003 e acumulava uma dívida de R$ 800 milhões. Em valor insuficiente para fazer frente às dívidas, o principal patrimônio da Eletronet é uma malha de cabos de fibra óptica de 16 mil quilômetros, passando por 18 Estados É justamente esta malha que interessa ao governo federal, que, reativando a Telebrás, projeta utilizar a estrutura já existente para levar banda larga a localidades carentes de acesso à internet.



Com a iniciativa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de reativar a Telebrás e lançar um plano de popularização da banda larga, anunciada na semana passada, o empresário teria agora a expectativa de obter lucro de R$ 200 milhões com a proposta do Planalto.



Outro ponto que levanta suspeitas é a iniciativa do governo federal de bancar sozinho a caução judicial necessária para tirar a rede de cabos das mãos do credores da Eletronet. A União é detentora de parte do controle da empresa por meio da Eletrobrás. Santos não gastaria nada para reverter o quadro falimentar da Eletronet e receber a empresa juridicamente saneada.



O negócio potencialmente rentável para Santos levanta suspeitas de que Dirceu tenha feito lobby pelos interesses do cliente, lhe passando informações privilegiadas. A oposição propôs ontem a criação de uma CPI. O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) estuda ainda pedir a convocação do ministro das Comunicações, Hélio Costa, para falar sobre o assunto na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara. Jungmann também pretende solicitar informações sobre o caso para a ministra Dilma Rousseff e Comissão de Valores Mobiliários.





Segundo o Senador Tasso Jereissati , hoje na Tribuna do Senado Federal, tanto a firma Star Overseas, quanto seu proprietário Nelson dos Santos, são ilustres desconhecidos no setor de comunicações ou de finanças, deixando a suspeita de que pode se tratar de “laranjas”, fato que não foi constatado, já que somente o Senador Suplicy, da base aliada estava presente e se dispôs simplesmente a estudar melhor o fato para depois se pronunciar. Quem, em pleno domínio de suas faculdades mentais, colocaria R$ 1,00 para comprar ativos de uma empresa falida e assumir dividas de mais de 800 milhões de reais , a não ser que tenha certeza de que na frente, isto se tornaria um altíssimo negócio? Ao declarar que o Governo iria resgatar a Eletrobrás, o Presidente Lula, ocasionou uma corrida às ações da empresa na bolsa, tornando-a a melhor aplicação da história em Bolsa de Valores em todos os tempos, propiciando fatos como o relatado acima e outros que possam aparecer, empurrando-o para o meio do furacão. O Presidente deve ser o primeiro a questionar seu companheiro ,sob pena de ver seu nome envolvido em tamanho lamaçal.



Fico imaginando o que pensa o cidadão comum, que trabalha arduamente para o sustento seu e de sua família ao se deparar com valores tão grandiosos. Eu. que sou médico, trabalhando mais de 80 horas semanais, levaria mais ou menos 5 anos para ganhar o que o José Dirceu ganhou com sua assessoria no caso e certamente muitas reencarnações para obter a fortuna que o Sr. Nelson dos Santos abocanhou.



Certamente este não é o País que queremos, não é o rumo que temos que tomar. Programa de Governo estatizante de Dilma levará ao gigantismo do Estado, contribuindo para facilitar a corrupção de todos os tipos e sem a liderança, o carisma e a popularidade do Presidente Lula , caso eleita, seu Governo será conhecido como a REPÚBLICA DO JOSÉ DIRCEU.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

O GRANDE INVESTIGADOR E A IMPUNIDADE.

Ao ler a entrevista do Presidente Lula concedida ao Estadão nesta última sexta-feira, marcada como sempre pela falta de modéstia, um trecho em especial me chamou a atenção. Referindo-se ao mensalão do PT em 2005, àquele que diz que não sabia, nunca ouviu dizer , mas contradiz a si próprio ao dizer também que foi traído, saiu-se com a seguinte pérola “ quando deixar o governo, pretendo, investigar pessoalmente algumas coisas que não sei, mas que me parecem muito estranhas ao longo de todo esse processo”. Imagino eu e tenho certeza, milhares de brasileiros que o Presidente que se diz o paladino da Justiça e da moral, tendo a sua disposição a Policia Federal e os órgãos de investigação, teria obrigação de esclarecer. Por que não o faz? E afinal de contas, quem foi o Judas que o traiu? Ao admitir que foi traído confessa a existência do esquema de corrupção com dinheiro público, orquestrada por José Dirceu, seu Ministro da Casa Civil e principal homem de confiança, para manter coesa e ampliar a base de sustentação de seu governo.Como se acha o Ser Supremo, a verdadeira imagem do Criador certamente tem capacidade para investigar e esclarecer os “fatos estranhos” muito melhor que a Policia Federal ou os Organismos de Inteligência.




Junte-se a isso a escândalos no Judiciário como o que foi deflagrado pela Operação Naufrágio no Espírito Santo, onde o Presidente do Tribunal de Justiça, Desembargadores, Juízes, Advogados e Servidores Públicos se organizaram numa verdadeira quadrilha para venda de sentenças, proteção a traficantes, organização de concursos fraudulentos para beneficiar filhos e parentes, locupletando e desmoralizando a Justiça.



O Poder Legislativo que obrigatoriamente tem o dever Constitucional de Fiscalização vive às voltas com seus próprios escândalos e desmandos, tentando cada Deputado ou Senador sobreviver à desconfiança dos eleitores, ignorando e não se envolvendo na denúncia ou apuração de todos esses atentados à Lei e à Ordem. O corporativismo é a tábua de salvação, protejo hoje para ser protegido amanhã, este é, infelizmente a regra comum, com raras exceções.



Felizmente ainda podemos contar com a coragem e o instinto investigador da imprensa que diariamente denuncia e obriga , sob pressão da opinião pública, as apurações dos fatos que estarrecem a Nação. Imprensa essa, tão necessária a qualquer Democracia, ameaçada pelo projeto esquerdo extremista do PT, colocado claramente no PNDH3.



Tudo isso passa ao cidadão honesto, trabalhador, cumpridor de seus deveres, respeitador das Leis uma sensação de revolta, decepção e frustração e aos ladrões e desonestos, o incentivo do exemplo da impunidade.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

DILMA POR DILMA. TIRE SUAS CONCLUSÕES.

20/02/2010




Dilma por Dilma: ‘A realidade mudou, e nós com ela’

Lula Marques/Folha

Dilma Rousseff, agora candidata oficial do PT, concedeu uma entrevista à revista Veja.


Respondeu às perguntas por e-mail, sem conceder o direito à réplica.


A certa altura, perguntou-se a ela como o passar do tempo e a experiência de governo modificaram sua concepção do mundo.


E Dilma: “O Brasil superou uma ditadura militar e está consolidando sua democracia. A realidade mudou, e nós com ela...


“...Contudo, nunca mudei de lado. Sempre estive ao lado da justiça, da democracia e da igualdade social”.
Noutra parte da conversa, Dilma, prestes celebrar um acordo que acomodará o PMDB do seu lado, foi submetida à seguinte indagação:


Não é um risco político dar tanto espaço a um partido comandado por Renan Calheiros, José Sarney e Jader Barbalho?


E a candidata: “Não se deve governar um país sem alianças e coalizões. Mesmo quando isso é possível, não é desejável...”
“...O PMDB é um dos maiores partidos brasileiros, com longa tradição democrática. Queremos o PMDB em nossa aliança”.
Vai abaixo a entrevista, disponível aqui para os assinantes de Veja:





- John Maynard Keynes, que a senhora admira, dizia alguma coisa equivalente a "se a realidade muda, eu mudo minhas convicções". Como sua visão de mundo mudou com o tempo e com a experiência de ajudar a governar um país?
O Brasil superou uma ditadura militar e está consolidando sua democracia. A realidade mudou, e nós com ela. Contudo, nunca mudei de lado. Sempre estive ao lado da justiça, da democracia e da igualdade social.


- Henry Adams, outro autor que a senhora lê com assiduidade, escreveu que "conhecer a natureza humana é o começo e o fim de toda educação política". A senhora acredita que conhece o bastante da natureza humana, em especial a dos políticos, mesmo sem ter disputado eleições antes?



Conheço bem o pensamento de Henry Adams para saber que nessa citação ele se refere à política no seu sentido amplo. Falando no sentido estritamente eleitoral da sua pergunta, acredito que minha experiência de mais de 40 anos de militância política e gestão pública permite construir um relacionamento equilibrado com as diferentes forças partidárias que participarão desse processo eleitoral.



- Os brasileiros trabalham cinco meses do ano para pagar impostos, cuja carga total beira 40% do PIB. Em uma situação dessas, faz sentido considerar a ampliação do papel do estado na vida das pessoas, como parece ser a sua proposta?



O que defendemos é a recomposição da capacidade do Estado para planejar, gerir e executar políticas e serviços públicos de interesse da população. Os setores produtivos deste país reconhecem a importância da atuação equilibrada e anticíclica do Estado brasileiro na indução do desenvolvimento econômico. Sem a participação do estado, em parceria com o setor privado, não seria possível construir 1 milhão de casas no Brasil.



- Não fosse a necessidade de criar slogans e conceitos de rápida assimilação popular nas campanhas, seria o caso de superar esse debate falso e improdutivo sobre "estado mínimo" e "estado máximo", correto? Afinal, ninguém de carne e osso com cérebro entre as orelhas vive nesses extremos fundamentalistas. Qual o real papel do Estado?



Nos sete anos de nosso governo, ficou demonstrado o papel que vemos para o Estado: induzir o desenvolvimento dos setores produtivos, priorizar os investimentos em infraestrutura em parceria com o setor privado, fortalecer e impulsionar a pesquisa e o desenvolvimento científico-tecnológico, assegurando ganhos de produtividade em todos os setores econômicos. Modernizar os serviços públicos buscando responder de forma eficaz às demandas da população nas áreas da saúde, educação, segurança pública e demais direitos da cidadania. Chamo atenção para a comprovada eficácia dos programas que criamos. O Bolsa Família, o Luz para Todos, o Programa Minha Casa Minha Vida, as obras de saneamento e drenagem do PAC, entre outros, produziram forte impacto na melhoria de vida da população e resultaram também no fortalecimento do mercado interno. Finalmente, gostaria de destacar o papel do setor público diante da crise recente, o que permitiu que fôssemos os últimos a entrar e os primeiros a sair dela. Garantimos crédito, desoneração fiscal e liquidez para a economia.



- O presidente Lula soube manter aceso o debate ideológico no PT, mas rejeitou todos os avanços dos radicais sobre o governo. Como a senhora vai controlar o fogo dos bolsões sinceros mas radicais do seu partido - em especial a chama da censura à imprensa e do controle estatal da cultura?



Censura à imprensa e controle estatal da cultura estão completamente fora das ações do atual governo, como também de nossas propostas para o futuro.



- O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso definiu a senhora como uma lua política sem luz própria girando em torno e dependente do carisma ensolarado do presidente Lula. Como a senhora pretende firmar sua própria identidade?



Não considero apropriado discutir luminosidade com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.



- A oposição certamente vai bater na tecla da personalidade durante a campanha, explorando situações em que sua versão de determinados fatos soaram como mentiras. Como Otto von Bismarck, o chanceler de ferro da Alemanha, a senhora vê lugar para a mentira na prática política?



Na democracia não vejo nenhum lugar para a mentira. Como já disse em audiência no Congresso Nacional, em situações de arbítrio e regimes de exceção, a omissão da verdade pode ser um recurso de defesa pessoal e de proteção a companheiros.



- Qual o perfil ideal de vice-presidente para compor sua chapa?



Um nome que expresse a força e a diversidade da nossa aliança.



- O presidenciável Ciro Gomes, aliado do seu governo, afirma que a aliança entre o PT e o PMDB é um "roçado de escândalos semeados". A senhora não só defende essa aliança como quer o PMDB indicando o vice em sua chapa. Não é um risco político dar tanto espaço a um partido comandado por Renan Calheiros, José Sarney e Jader Barbalho?



Não se deve governar um país sem alianças e coalizões. Mesmo quando isso é possível, não é desejável. O PMDB é um dos maiores partidos brasileiros, com longa tradição democrática. Queremos o PMDB em nossa aliança.



- O Brasil está cercado de alguns países em franca decomposição institucional, com os quais o presidente Lula manteve boas relações, cuidando, porém, de demarcar as diferenças de estágio civilizatório que os separam do Brasil. Como um eventual governo da senhora vai lidar com governantes como Hugo Chávez ou Evo Morales?



Lidaremos com responsabilidade e equilíbrio com todos os países, respeitando sua soberania e sem ingerência em seus assuntos internos. É esse, também, o tratamento que exigimos de todos os países, em reciprocidade.

FRANKLIN MARTINS E DILMA: O CLIMA ESQUENTOU

Franklin e Dilma....assim, vai dar namoro!


FRANKLIN MARTINS E DILMA: O CLIMA ESQUENTOU



Por Reinaldo Azevedo







O clima não anda nada bom — na verdade, está péssimo — entre o superministro da Comunicação Social, Franklin Martins, e Dilma Rousseff, ainda ministra da Casa Civil e candidata do PT à Presidência da República. Os que acompanham os embates afirmam que os dois têm temperamentos muito parecidos: não gostam de ser contrariados e reagem com rispidez muito característica — uma espécie, assim, de grossura furiosa — se acreditam que sua autoridade está sendo desafiada.



Se formos fazer a história das idéias, os dois vêm de escolas de pensamento totalitárias, né? Ele, do MR-8; ela, da VAR-Palmares… Foram descobrir a democracia, a que aderiram por necessidade, não por boniteza, quando já eram bem maduros. Em Dois Córregos, a gente diz que burro velho não aprende a puxar carroça. E não aprende mesmo! Imaginem Tio Rei cismar de começar a dirigir carros agora… Não daria certo, né?



Dilma não gosta da onipresença de Franklin Martins no governo, hoje o ministro que Lula mais ouve. E a questão já chega à disputa eleitoral. Dilma não queria o publicitário João Santana para cuidar de sua campanha, mas Franklin acha que tem de ser ele e já convenceu o presidente. Dilma não gostou. Os palacianos que assistem aos embates e que sabem na guerra de bastidores acreditam que, a ficar tudo como está, caso a petista vença a eleição, não será fácil Franklin ter um lugar no governo.



PMDB

A petista, aliás, com aquela cinturinha de pilão para a política que Deus lhe deu, anda dizendo pelos corredores que, no seu eventual governo, o PMDB não terá o espaço que tem hoje de jeito nenhum! O conversê chegou aos ouvidos de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ministro da Integração Nacional, que reagiu com ironia: “Eles estão pensando que estão lidando com menino”… Definitivamente, não estão!

Meu comentário: A esta altura o PMDB já percebeu que terá sérios problemas, pois sem a intermediação do Lula, este namoro sim não deve dar em casamento e se der, o divórcio virá durante a lua de mel ou de fel, como queiram. Na minha terra se diz que " É MUITA COZINHEIRA PRA POUCA COMIDA".

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

AQUÍ NO ME OLVIDES.

Recife, 10 de febrero de 1951, 130 de la Independencia y 63 de la República.




Sábado, 4 días después de la final del Carnaval, una cuarta parte de la pensión de coronel Cipriano, calles comerciales, el centro de Recife, la joven pareja Dulce y Gamma se preparan para otro día de la ansiedad a la espera de su primer hijo. El Capixaba desde el interior de Alegre, de haber estudiado en Río de Janeiro, fue llamado a servir en la aeronáutica, que trabajan en la torre de control de Recife, durante la 2 ª Guerra Mundial. Después de su finalización, se unió a la prestigiosa Facultad de Derecho de Recife, donde se entabló entonces el 4 º año. Ella, una de la hija menor de la entonces decadente coronel Cipriano, hijo de portugués, con la India Izaura, los propietarios de pequeña pensión. Belly 9 meses, confió a su marido, que estaba particularmente emocionado ese día, pero preocupado porque el día antes que el niño se estaba moviendo muy poco. Después del almuerzo, comenzó a sentir el dolor y la ruptura repentina de la bolsa, tenía que ir de prisa a la maternidad de la Casa Amarilla, donde nació por parto normal, alrededor de 22 horas de un sábado en el calor intenso y el puesto de carnaval de surf.



Marco Antonio, en honor al gran guerrero y emperador del Sacro Imperio, a pesar de todo poder, sucumbió a los encantos de Cleopatra. ¿Cuándo se debe castigar a esa mujer, se enamoró perdidamente, que más tarde se convirtió en una de las causas de su desaparición. Parece que mi padre había previsto que la vida que se verían desbordados por ellos.



Siempre pensé que un pez fuera del agua, a pesar de la doctrina católica, me convertí en miembro del coro y pre-seminarista.Minha vocación justo después del primer beso en la primera cita y luego me equivoqué, mantener entretenida a la vida de las enseñanzas de Cristo para siempre He encontrado personas hipócritas con las manos juntas, bajos y recibir la comunión fuera de negar una limosna, o hermanos, asesinados por un pedazo de tierra .. En una familia donde casi todos son abogados, jueces, fiscales, decidió convertirse en médico. Políticos, 3 mandatos de concejal, alcalde y el Municipal Constituyente, vice-alcalde y alcalde durante 88 días, no tener un hijo, hija o nieto de empleados en el Ayuntamiento? Debo ser normal, o no soy de este planeta. Pensando en ello, fue a investigar lo que había sucedido en un mundo diferente del día en que nací, tratando de encontrar una explicación. Hechos día a día común, un decreto de la Ley de Getúlio Vargas, el establecimiento de la sequía polígano, la Ley N º 1338, de 10-02-51, el matrimonio del Sha de Persia, etc. Yo ya estaba decepcionado cuando me encontré con una historia que me llamó la atención y describir en su totalidad:

Caso Gandor Sinopsis - 10 de febrero de 1951, Terranova, Canadá


El 10 de febrero, un avión de la Marina U. S., Atlántico y Continental Air Transport Escuadrón Uno, ubicada en la Estación Aérea de USN, Patuxent River, Maryland, estaba fuera de Keflavik, Islandia, 49-50 grados de latitud norte y los 50-03 grados de longitud oeste, a unos 150 kilómetros [90 millas] al oeste de Gander, Terranova, en el Océano Atlántico. La aeronave, probablemente con destino a Gander para abastecerse de combustible a juzgar por su posición y el curso de 230 grados cierto, aunque el informe no menciona esto. U. S. Reserva Naval Teniente Graham Bethune, el copiloto del vuelo 125, que ocupaba el capitán ¹ s asiento en el lado izquierdo de la cabina de la aeronave cuando vio un objeto enorme [al menos] 300 metros de diámetro en curso de colisión con su aeronave .


El copiloto dijo en su informe oficial, "... vi una luz en el horizonte de unas 1.000 a 1.500 pies [330-470 metros] por encima del agua. Nosotros dos [piloto también] observó a su curso y propuesta de unos 4 o 5 minutos antes de llamar él a la atención de los miembros de la tripulación. ... De repente, su ángulo de ataque cambiado. altitud y más grandes, como si su velocidad era de más de 1000 millas [1670 km] por hora. Se cerró en tan rápido que la primera sensación fue que chocan en el aire. En este punto, su ángulo cambiado y cambiado el color. entonces [apareció] definitivamente circular naranja y rojo en su perímetro. revocó la de su curso y triplicado su velocidad, hasta que fue visto por última vez de desaparecer en el horizonte. "


¹ El copiloto del informe continúa diciendo que el objeto llegó a cinco millas de sus aviones, lo cual fue corroborado por pruebas contra los radares, ya que el objeto había sido seguida por el rocío de línea de base en tierra del radar en Goose Bay, en Labrador .


Años más tarde, Bethune fue capaz de recuperar los informes de los Archivos Nacionales y confirmó que el OVNI se encontraron con que la noche había viajado 10.000 pies de altura en una fracción de segundo y fue seguido por el radar a 1.800 kilómetros por hora, más de 500 millas -por-hora de capacidad del hombre más avanzada nave en ese momento.


Bethune-que su tablero magnético brújulas giraban violentamente, mientras que la nave misterio estaba cerca.


Tuvimos 31 personas a bordo y un psiquiatra que fuimos todos testigos ", dijo, antes de añadir a la fuerte aplauso:" Voy a declarar bajo juramento ante el Congreso que todo lo que dije es verdad.






                                Imagen del OVNI, según lo descrito por la tripulación y los pasajeros


Fue entonces que comencé a entender todo. , No puede ser casual, que en realidad eran y me dejaron aquí. ¿Cómo explicar entonces mi falta de comprensión de este mundo? Aceptando millones mueren en África, mientras que en muchos países la comida chatarra Pro? Entender que la religión es la razón de la masacre de miles de personas? ¿Por qué seguimos destruyendo el planeta que el resto? ¿Cuál es la justificación de una nación desea la extinción de otro? Y la vergonzosa explotación de la fe por los falsos profetas? Y los gobiernos que no educan a sus pueblos no puede ser cuestionado?



No, definitivamente no debe ser este mundo. Espero que no te olvides de mí aquí.

FORGET ME NOT HERE.

Recife, February 10, 1951, 130 of the Independence and 63 of the Republic.





Saturday, 4 days after the end of Carnival, a quarter of the pension Colonel Cipriano, shopping streets, the center of Recife, the young couple and Gamma Dulce prepare for another day of anxiety while waiting for their first child. He capixaba from inside Alegre, having studied in Rio de Janeiro, was called to serve in aeronautics, working in the control tower of Recife, during the 2nd World War. After its completion, he joined the prestigious Law Faculty of Recife, where she engaged then the 4th year. She, one of the youngest daughter of the then decaying Colonel Cipriano, son of Portuguese, with India Izaura, owners of small pension. Belly 9 months, confided to her husband who was particularly excited that day, but worried because the day before the child was moving very little. After lunch, we began to feel pain and the sudden rupture of the bag, had to go in haste to the Motherhood of Yellow House, where I was born by normal delivery, around 22 pm on a Saturday in intense heat and the surf carnival post.



Marco Antonio, in honor of the great warrior and Holy Roman Emperor in spite of all power, succumbed to the charms of Cleopatra. When should punish this woman, fell in love madly, which later became one of the causes of its demise. It seems that my father foresaw that the life I would be overwhelmed by them.



I always thought a fish out of water despite Catholic teaching, I became a chorister and pre-vocation seminarista.Minha just after the first kiss on the first date and then I was wrong, keeping entertaining to life the teachings of Christ Always I found hypocritical people with folded hands, downcast and receive communion outside deny a handout or brothers killed by a piece of land .. In a family where almost all are lawyers, judges, prosecutors, decided to become a doctor. Political, 3 mandates councilman, mayor and the Constituent Muncipal, vice-mayor and mayor for 88 days, not having a son, daughter or grandchild employee at City Hall? I must be normal, or am not of this planet. Thinking about it, went to investigate what had happened in a different world the day I was born, trying to find an explanation. Facts common day to day, a decree of the Law of Getúlio Vargas, setting the polígano drought, Law No. 1338 of 10-02-51, marriage of the Shah of Persia, etc.. I was already disappointed when I found a story that caught my attention and I describe it in full:







Case Gandor Synopsis - February 10, 1951, Newfoundland, Canada







On 10 February a U.S. Navy plane, Atlantic / Continental Air Transport Squadron One, located at USN Air Station, Patuxent River, Maryland, was out of Keflavik, Iceland, 49-50 degrees north latitude and 50-03 degrees west longitude, about 150 kilometers [90 miles] west of Gander, Newfoundland on the Atlantic Ocean. The aircraft, probably bound for Gander to refuel judging by its position and course of 230 degrees true, although the report does not mention this. U.S. Naval Reserve Lieutenant Graham Bethune, copilot of Flight 125, was occupying the captain ¹ s seat on the left side of the aircraft cabin when he spotted a huge object [at least] 300 feet in diameter on a collision course with their aircraft .







The co-pilot said in his official report, "... I noticed a light shining on the horizon about 1,000 to 1,500 feet [330-470 meters] above the water. We two [pilot also] observed its course and proposal of about 4 or 5 minutes before calling him to the attention of other crew members. ... Suddenly, your angle of attack changed. altitude and larger, as if his speed was more than 1000 miles [1670 km] per hour. It closed in so fast that the first feeling was that would collide in midair. At this point its angle changed and the color changed. then [appeared] definitely circular orange and red on its perimeter. reversed the its course and tripled its speed until he was last seen disappearing into the horizon. "







¹ The co-pilot of the report goes on to say that the object came within five miles of its aircraft, which was corroborated by evidence against the radar, because the object had been tracked by DEW Line Ground Radar base in Goose Bay, Labrador .







Years later, Bethune was able to retrieve the reports of the National Archives and confirmed that the UFO they found that night had traveled 10,000 feet up in a split second and was followed by radar at 1,800 miles per hour, well over 500 miles -per-hour capacity of the man most advanced craft made at that time.







Bethune-that your board magnetic compasses were spinning wildly, while the mystery craft was nearby.



We had 31 people on board and a psychiatrist we all witnessed, "he said, before adding to the loud applause:" I will testify under oath before Congress that everything I said is true.





Picture of the UFO, as described by the crew and passengers








It was then that I began to understand everything. Can not be coincidental, they really were and left me here. How then to explain my misunderstanding of this world? Accepting millions die in Africa, while in many countries will pro junk food? Understand that religion is the reason for the massacre of thousands? Why do we keep destroying the planet that the rest? What is the justification for a nation wishes to the extinction of another? And the shameful exploitation of the faith by false prophets? And governments that fail to educate their people not to be questione
No, definitely should not be this world. I hope you do not forget me here.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

The STATESMAN is the popular.

To understand how the improvement was the income class of so-called C and D, including a new emerging middle class, causing economists and businessmen engaged studies and products for consumption in this segment, we have to understand what was especially great because of the increase inequality and impoverishment of that portion of the population. I have no doubt that from the mid-twentieth century, this large factor is called inflation. Let us look back, from 1958 to 1964 inflation fell from 20 to 80% per year for two main reasons. The first excess of public spending in the JK Government and the worsening political crisis that led to the coup of 64. From 1964 to 1973, due to a good time in the world economy and a successful program of stabilization by the military, inflation declined to 15% a year, returning to levels of up to 100% per year between 1974 and 1979, especially the first big oil crisis reaching Brazil in full, as was virtually no production of black gold as well as the stubbornness of the country want to keep up with growth, with significant increase in foreign debt. The second oil shock and a shock interest takes the Brazil deep in debt, including enacting a moratorium on foreign debt and causes inflation exceeding 200% per annum in the period 1980 to 1985. From 1986 until 1994, what we saw was a series of heterodox economic plans, based mainly on price freeze that raised inflation to conceivable over 1000% per year. Who lived the period, should remember very well that our bread each day, the price changed daily, arriving at a cost price in the morning and one afternoon. Many people made fortunes during this period gained by applying the overnight and all kinds of financial investment, but the poor and the workers saw their money disappearing every day, further increasing our social inequality.



Due to inflationary race, we had between 1967 to 1993, six coins, namely: New Cross, Cross, Cross, New Cross, Cross and New Cross. The total inflation during this period was 1.1 quadrillion percent inflation of 16 digits, an IGP-DI 1,142,332,741,811,850%. In this environment than in 1993, then President Itamar Franco, calls Fernando Henrique Cardoso, a sociologist and then Foreign Minister to head the Ministry of Finance with the commitment to eradicate or at least lower inflation. In August 1993 the Minister became Cruise on Royal Cruise to adjust values. In January 1994, with inflation at 42.19%, President Itamar Franco, responsible for the creation of the Real Plan, agreed that work to give the unlimited and the maximum extent necessary to its success.



Officially launched on 27 February 1994, the Provisional Measure 434, established the URV (Real Unit of Value) that established rules for conversion and monetary values-indexed the economy and led to the creation of a new currency, the Real. On 1 March 94, was introduced in Order No. 10, Crind the ESF (Social Emergency Fund) considered essential to the success of the plan. The amendment produced the untying of funds from the EU budget, directing resources to the fund, which would give the government room to remodel and / or cut superfluous expenses. Government spending contributed greatly to the hyperinflation, since the machine of the Brazilian state was large, expensive and eager for more spending. A few hours earlier, the Minister Cardoso went on television and in official announcement on national television, gave an ultimatum to Congress to approve the amendment to the Constitution. [6]







On 1 July 1994 was the culmination of the stabilization program with the launch of the new currency, the Real (R $). All the Brazilian monetary base was changed according to the rate established by law: CR $ 2750.00 for each $ 1.00. [7] The cumulative inflation in July was up 815.60%, and the first inflation registered under the effect of the new currency was 6.08%, minimum record in many years. The Real Plan was a definite program to combat hyperinflation implemented in 3 stages, [8] as follows:



1 - Time balanced budget, reducing costs and increasing revenues, and this would have happened in the years 1993 and 1994;



2 - Creation of URV to preserve the purchasing power of wages, avoiding emergency measures, such as confiscation of savings and breach of contract;



3 - Launch of the monetary standard Real name used until today.



After the implementation of the plan for more than six years, a large sequence of structural reforms and public administration were implantandas to support economic stability, among them are: privatization of several state-owned sectors, Proer, the creation of agencies regulators, the Fiscal Responsibility Law, the liquidation or sale of most banks owned by state governments, a total renegotiation of the debts of states and municipalities with strict criteria (debt), more open trade with other countries, among others.



The conclusion is that without a doubt, inflation is largely responsible for the concentration and inequality in Brazil from the early 50th century passado.Além to be a sort of tax for the poor, difficult to organize people's lives and businesses, making the future uncertain. For dificudade to memorize the prices in periods of hyperinflation, ill-intentioned and bitches take advantage to deceive and take advantage, making the problem even more cruel.



Finally, the truth is that the Real Plan was the great watershed, the big project that resulted in the growth, stabilization and improvement of life of all Brazilians, especially the lower classes. The merit of President Lula was stay the course plotted by FHC and of course with a favorable global economic situation may expand the social programs of his predecessor. It is fair to mention here, that Lula and the PT were strong opponents of the plan. The President should be grateful and acknowledge the foundations in place, but his arrogance, his vocation and his narcissistic selfishness prevents him and taking advantage of the popularity achieved in part by long-term benefits of the Plano Real, boasting as if everything had begun in his mandate. Fernando Henrique is absolutely right and should not even fear the proposed comparison repeatedly between the two governments and two presidents. This is to compare a state with an opportunist POPULAR.

El Estado es el popular.

Para entender cómo la mejora fue la clase de ingresos de las llamadas C y D, incluyendo una nueva clase media emergente, lo que los economistas y empresarios dedicados estudios y productos para el consumo en este segmento, tenemos que entender lo que era especialmente grande, debido al aumento la desigualdad y el empobrecimiento de la parte de la población. No tengo ninguna duda que desde el siglo mediados del XX, este factor grande se llama inflación. Vamos a mirar hacia atrás, desde 1958 hasta 1964 la inflación se redujo de 20 a 80% por año, por dos razones principales. El primer exceso de gasto público en el Gobierno de JK y el empeoramiento de la crisis política que llevó al golpe de Estado del 64. De 1964 a 1973, debido a un buen tiempo en la economía mundial y un exitoso programa de estabilización de los militares, la inflación disminuyó al 15% de un año, volviendo a niveles de hasta el 100% por año entre 1974 y 1979, especialmente los primeros crisis del petróleo de gran alcance Brasil en su totalidad, al igual que prácticamente no hay producción de oro negro, así como la terquedad de los países prefieren continuar con el crecimiento, con un aumento significativo de la deuda externa. La segunda crisis del petróleo y un choque de intereses toma el Brasil profundo de la deuda, incluida la promulgación de una moratoria sobre la deuda externa y las causas de la inflación superior al 200% anual en el período 1980 a 1985. Desde 1986 hasta 1994, lo que vimos fue una serie de planes económicos heterodoxos, basada principalmente en congelación de los precios que la inflación se elevó a más de 1000 concebible% por año. Que vivió el período, deben recordar muy bien que el pan nuestro de cada día, el precio cambia todos los días, llegando a un precio de coste en la mañana y una tarde. Muchas personas hicieron fortuna durante este período adquirida mediante la aplicación de la noche a la mañana y todo tipo de inversión financiera, pero los pobres y los trabajadores vieron desaparecer su dinero todos los días, además de incrementar la desigualdad social.




Debido a la carrera inflacionaria, tuvimos entre 1967 y 1993, seis monedas, a saber: New Cross, Cruz, Cruz, New Cross, Cross y New Cross. La inflación total durante este período fue de 1,1 por ciento de inflación de 16 billones de dígitos, una IGP-DI 1.142.332.741.811.850%. En este ambiente que en 1993, el entonces presidente Itamar Franco, pide Fernando Henrique Cardoso, un sociólogo y Ministro de Asuntos Exteriores al frente del Ministerio de Hacienda con el compromiso de erradicar o al menos reducir la inflación. En agosto de 1993, el Ministro se convirtió en Crucero por Royal Cruise para ajustar los valores. En enero de 1994, con una inflación del 42,19%, el Presidente Itamar Franco, responsable de la creación del Plan Real, acordó que la labor de dar lo ilimitado y la medida de lo necesario para su éxito.



Lanzó oficialmente el 27 de febrero de 1994, la Medida Provisional 434, estableció la URV (Unidad Real de Valor), que establece normas para la conversión y valores monetarios indexados a la economía y llevó a la creación de una nueva moneda, el real. El 1 de marzo 94, fue introducido en la Orden N º 10, Crind el FSE (Fondo Social de Emergencia) se considera esencial para el éxito del plan. La modificación producida la desvinculación de los fondos del presupuesto de la UE, dirigiendo los recursos para el fondo, lo que daría a la sala de gobierno para remodelar y / o recortar los gastos superfluos. El gasto del gobierno contribuyó en gran medida a la hiperinflación, ya que la máquina del Estado brasileño era grande, costoso y deseosos de una mayor inversión. Unas horas antes, el ministro de Cardoso en la televisión y en el anuncio oficial en la televisión nacional, dio un ultimátum al Congreso a aprobar la enmienda a la Constitución [6].







El 1 de julio de 1994 fue la culminación del programa de estabilización con el lanzamiento de la nueva moneda, el real (R $). Toda la base monetaria de Brasil se ha cambiado de acuerdo a la tasa establecida por la ley: CR $ 2,750.00 por cada $ 1.00. [7] La inflación acumulada en julio fue de 815,60%, y la inflación registró por primera vez bajo el efecto de la nueva moneda fue 6,08%, registro mínimo en muchos años. El Plan Real fue un programa definido para luchar contra la hiperinflación a cabo en 3 etapas, [8] de la siguiente manera:



1 - Tiempo de presupuesto equilibrado, reducir los costes y aumentar los ingresos, y esto habría ocurrido en los años 1993 y 1994;



2 - Creación de la URV para preservar el poder adquisitivo de los salarios, evitando las medidas de emergencia, tales como la confiscación de los ahorros y el incumplimiento de contrato;



3 - Lanzamiento del nombre de la Real monetaria estándar utilizados hasta hoy.



Después de la aplicación del plan por más de seis años, una gran secuencia de las reformas estructurales y la administración pública se implantandas para apoyar la estabilidad económica, entre ellas: la privatización de estado de varios de propiedad de los sectores, Proer, la creación de agencias reguladores, la Ley de Responsabilidad Fiscal, la liquidación o venta de la mayoría de los bancos propiedad de los gobiernos estatales, la renegociación total de la deuda de estados y municipios con criterios estrictos (la deuda), un comercio más abierto con otros países, entre otros.



La conclusión es que sin lugar a dudas, la inflación es en gran parte responsables de la concentración y la desigualdad en Brasil desde passado.Além principios del siglo 50 ª a ser una especie de impuesto para los pobres, es difícil organizar la vida de las personas y las empresas, haciendo el futuro, incierto. Para dificudade para memorizar los precios en períodos de hiperinflación, mal intencionado y perras aprovechar para engañar y tomar ventaja, haciendo el problema aún más cruel.



Por último, la verdad es que el Plan Real fue la gran divisoria de aguas, el gran proyecto que resultó en el crecimiento, la estabilización y mejora de la vida de todos los brasileños, sobre todo las clases bajas. El mérito del presidente Lula fue mantener el rumbo trazado por FHC y, por supuesto, con una situación favorable de la economía mundial pueden ampliar los programas sociales de su predecesor. Es justo mencionar aquí, que Lula y el PT fueron fuertes oponentes del plan. El Presidente debe ser agradecido y reconocer las bases en el lugar, pero su arrogancia, su vocación y su egoísmo narcisista y le impide aprovecharse de la popularidad alcanzada en parte por los beneficios a largo plazo del Plano Real, presumiendo como si todo se había iniciado en su mandato. Fernando Henrique es absolutamente correcto y no debe ni siquiera el temor a la comparación propuesto en varias ocasiones entre los dos gobiernos y dos presidentes. Esto es para comparar un ESTADO con un POPULARES oportunista.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

O ESTADISTA E O POPULISTA.

Para entender como ocorreu a melhoria de renda das chamadas classe C e D, inclusive com uma nova classe média emergente, fazendo com que economistas e empresários dediquem estudos e produtos para o consumo deste segmento, temos que entender principalmente qual foi a grande causa do aumento da desigualdade e o empobrecimento dessa parcela da população. Não tenho a menor dúvida que a partir da metade do século XX , esse grande fator chama-se inflação. Façamos um retrospecto, de 1958 a 1964 a inflação passou de 20 a 80% ao ano por dois motivos principais. O primeiro o excesso dos gastos públicos no Governo JK e o agravamento da crise política que levou ao golpe de 64. De 1964 a 1973, devido a um bom momento da economia mundial e a um programa bem sucedido de estabilização pelos Militares, a inflação declinou a 15% ao ano, voltando a patamares de até 100% ao ano, entre 1974 e 1979, principalmente pela primeira grande crise do petróleo que atinge o Brasil em cheio, pois estava praticamente sem produção do ouro negro e também pela teimosia em querer fazer o País manter o ritmo de crescimento, com aumento significativo da dívida externa. O segundo choque do petróleo e um choque dos juros pega o Brasil muito endividado, inclusive decretando a moratória da dívida externa e faz com que a inflação ultrapasse a 200% ao ano, no período que vai de 1980 a 1985. A partir de 1986 até 1994, o que se viu foi uma sucessão de planos econômicos heterodoxos, baseados principalmente em congelamento de preços que elevaram a inflação a imagináveis mais de 1000 %/ano. Quem viveu o período, deve lembrar muito bem que o pão nosso de cada dia, mudava de preço diariamente, chegando a custar um preço pela manhã e outro à tarde. Muita gente fez fortunas nesse período, ganhava-se aplicando no overnight e todo tipo de aplicação financeira, mas os pobres e os assalariados viam seu dinheiro desaparecer diariamente, aumentando ainda mais a nossa desigualdade social.

Devido a corrida inflacionária, tivemos entre 1967 a 1993, seis moedas, a saber: Cruzeiro Novo, Cruzeiro, Cruzado, Cruzado Novo, Cruzeiro e Cruzeiro Novo. O total da inflação nesse período foi de 1.1 quatrilhão por cento, inflação de 16 dígitos , um IGP-DI de 1.142.332.741.811.850%. Foi neste ambiente que em 1993, o então Presidente Itamar Franco, convoca Fernando Henrique Cardoso, sociólogo, então Ministro de Relações Exteriores para assumir o Ministério da Fazenda com o compromisso de acabar ou pelo menos diminuir a inflação .Em agosto de 1993 o Ministro transformou o Cruzeiro em Cruzeiro Real para ajuste de valores. Em janeiro de 1994, com inflação de 42,19%, o Presidente Itamar Franco, responsável pela criação do Plano Real,determinou que os trabalhos se dessem de maneira irrestrita e com máxima extensão necessária a seu êxito.

Lançado oficialmente em 27 de fevereiro de 1994, com a Medida Provisória 434, instituía a URV (Unidade Real de Valor ) que estabeleceu regras de conversão e valores monetários, desindexando a economia e determinou a criação de uma nova moeda, o Real. Em 1º de março de 94, passou a vigorar a Medida Provisória nº 10, crindo o FSE ( Fundo Social de Emergência ) considerado essencial para o êxito do plano. A emenda produziu a desvinculação de verbas do orçamento da União, direcionando os recursos para o fundo, que daria ao governo margem para remanejar e/ou cortar gastos supérfluos. Os gastos do governo contribuíam grandemente para a hiperinflação, uma vez que a máquina do Estado brasileiro era grande, dispendiosa e ávida por mais gastos. Poucas horas antes, o Ministro FHC foi à televisão e, em pronunciamento oficial em rede nacional, deu um ultimato ao Congresso Nacional para que aprovasse a emenda à Constituição Federal.[6]



Em 1º de julho de 1994 houve a culminância do programa de estabilização, com o lançamento da nova moeda, o Real (R$). Toda a base monetária brasileira foi trocada de acordo com a paridade legalmente estabelecida: CR$2.750,00 para cada R$1,00.[7] A inflação acumulada até julho foi de 815,60%, e a primeira inflação registrada sob efeito da nova moeda foi de 6,08%, mínima recorde em muitos anos. O Plano Real foi um programa definitivo de combate a hiperinflação implantado em 3 etapas,[8] a saber:

1 - Período de equilíbrio das contas públicas, com redução de despesas e aumento de receitas, e isto teria ocorrido nos anos de 1993 e 1994;

2 - Criação da URV para preservar o poder de compra da massa salarial, evitando medidas de choque como confisco de poupança e quebra de contratos;

3 - Lançamento do padrão monetário de nome Real, utilizado até os dias atuais.

Após a implantação do plano, durante mais de seis anos, uma grande sequência de reformas estruturais e de gestão pública foram implantandas para dar sustentação a estabilidade econômica, entre elas destacam-se: Privatização de vários setores estatais, o Proer, a criação de agências reguladoras, a Lei de Responsabilidade Fiscal, a liquidação ou venda da maioria dos bancos pertencentes aos governos dos estados, a total renegociação das dívidas de estados e municípios com critérios rigorosos (dívida pública), maior abertura comercial com o exterior, entre outras.

A conclusão é que sem dúvidas, a inflação é a grande responsável pela concentração e de desigualdades no Brasil a partir dos anos 50 do século passado.Além de ser uma espécie de imposto para os pobres, dificulta a organização da vida das pessoas e  empresas, tornando o futuro uma incógnita. Pela dificudade de se memorizar os preços, em período hiperinflacionário, os maus intencionados e pilantras se aproveitam para enganar e se aproveitar, tornando o problema mais cruel ainda.

Finalizando, a verdade é que o Plano Real foi o grande divisor de águas, o grande projeto que possibilitou o crescimento, a estabilização e a melhoría de vida de todos os brasileiros, principalmente os das classes menos favorecidas. O mérito do Presidente Lula foi permanecer no rumo traçado por FHC e naturalmente com uma situação economica mundial favorável pode ampliar os programas sociais do seu antecessor. É justo lembrar aqui, que Lula e o PT foram fortes opositores do plano. O Presidente devería ser grato e reconhecer as bases implantadas, mas sua arrogância, sua vocação narcisista e seu egoísmo o impede e, aproveitando a popularidade conseguida em parte pelos benefícios a longo prazo do Plano real, vangloria –se como se tudo tivesse começado no seu mandato. Fernando Henrique está coberto de razão e não deve  mesmo, temer a comparação proposta insistentemente entre os dois governos ou os dois Presidentes. Trata-se de comparar um ESTADISTA com um OPORTUNISTA POPULISTA.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

O DISCÍPULO DE MAQUIAVEL.

Confesso que uma coisa tem atormentado os meus pensamentos ultimamente, Por que o Lula lançou e abraçou a Dilma como sua candidata, passando por cima do PT e dos aliados que compôem a base governista e dão sustentação ao seu governo? Afinal, a ministra não tem experiência eleitoral alguma, jamais disputou um cargo eletivo, não tem boa oratória, é tida como autoritária e mau humorada pelos próprios companheiros. Não conhece bem o Brasil, se diz mineira, mas confunde Governador Valadares com Juiz de Fora, não gosta de pão de queijo, muito menos linguiça com pão.Teve um atuação discreta como Ministra de Minas e Energia e no apagão que atingiu todo o Brasil veio com explicações desmentidas pelos técnicos do próprio governo. Ligada a extremistas, participou de atos de guerrilha, como assaltos, sequestros e outras ações que não cabe aqui explicitar, mas que com certeza, numa campanha política virão à tona. Sem cacife eleitoral ou força para conter a fúria por cargos de seu principal aliado, o PMDB, que com Sarney, Renan, Lobão, Jucá , Temer e outros menos famosos, certamente e seguindo a tradição pmdebista, avançarão sobre os cargos da República como uma alcatéia de lobos famintos. Sem experiência administrativa dependerá cada vez mais de assessores, o que não daría ao seu Governo o comando de seus pensamentos, obrigando-a a depender cada vez mais da opinião alheia. Por fim, ainda tem o seu estado de saúde, que apesar do tratamento bem sucedido, não está livre de recaídas e complicações, deixando sempre margens à duvidas e especulações sobre sua sanidade. Então por que o Presidente aposta tão alto nesta candidatura?

Pode-se pensar tudo do Lula, mas não submestimem sua inteligência e astúcia política. Conhecendo a sua personalidade narcisista e sabendo que é inevitável o ostracismo pós mandato,  arquitetou um plano que faria Maquiavel morrer de inveja.Com popularidade beirando os 80% imagina que fará o sucessor que quiser e não lhe convém eleger alguém com luz própria necessária a futuras comparações. Astutamente, após 7 anos seguindo a política de centro esquerda de FHC, fazendo o jogo dos banqueiros, súbitamente insiste na baixa sistemática dos juros, contrariando seus amigos do sistema financeiro que temem  um aumento do consumo e do endividamento com consequente elevação da inflação. Irresponsávelmente reajusta o salário mínimo acima dos limites da prudência, pouco se importando se isso vai elevar o défict da previdência e se os prefeitos de municípios pequenos e mais pobres, principalmente do Nordeste têm capacidade para assimilar o impacto do reajuste em suas despesas com o funcionalismo municipal. Aumenta valores do bolsa família e amplia o número de famílias beneficiadas com evidente propósito de marcar sua imagem como o Presidente que se preocupa com os mais necessitados , ignorando os efeitos futuros e deixando sua  sucessora com pouca ou quase nenhuma margem para reajustes futuros. Perdoa dívidas de países querendo passar ao mundo a imagem de um estadista preocupado com as Nações mais pobres. Arquiteta e autoriza uma guinada  do governo à extrema esquerda com a elaboração do PNDH3, com  o intuito de amordaçar a imprensa, ameaçando o direito à propriedade e principalmente revogando a lei da anistia, propondo julgar ato dos militares no período autoritário, gerando insatistações e revoltas, jogando na mão da futura presidenta uma bomba de efeito retardado de dificil previsão das consequências. Criou milhares de cargos comissionados e reajustou o salário dos funcionários públicos, sempre disfarçados e distribuídos por categorías, elevando o déficit público.

Imagina então,um governo fraco com a Presidenta enfrentando problemas com a volta da inflação, tendo que aumentar os juros penalizanando a classe média e enfrentando a insatisfação e rebeldias dos militares. Refém do PMDB e dos partidos aliados, assistirá permanente disputa por cargos mais importantes, onde a parte prejudicada certamene ameaçará abandonar sua base de apoio prejudicando aprovação de projetos de importância para o Executinvo.  A corrupção encontrará campo fértil e será denunciada pela imprensa cada vez mais disposta a enfrentar os censores oficiais. O Judiciário será permanentemente instado a resolver pendências, interferindo na já enfraquecida independência entre os três poderes da República. A oposição inicialmente fragilizada pela derrota eleitoral, diante do caos da base governista começará a crescer e ameaçar o projeto de extrema esquerda implantado, e já contando com apoio popular, principalmente da classe média e daqueles  que , beneficiários do abono governamental, verão cada vez mais seu poder de consumo diminuído pela inflação alta. Neste momento então, imagina, diante do naufrágio iminente, com companheiros, movimentos sociais, midia internacional e o povo clamando por sua volta, repetirá Getúlio Vargas, voltando ao Poder, nos braços do povo, como o verdadeiro filho do Brasil., o salvador da Pátria, pai dos pobres e outros adjetivos mais. Surreal ? Pode ser, mas é o que meus neurônios imaginaram para justificar a bisonha predileção por Dilma Rouseff.

 

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

RESULTADO DAS ENQUETES DO BLOG.

MARCO AURÉLIO VAI SOLTAR ARRUDA HOJE?

NÃO : 71%
SIM   ; 29%.
Esmagadora maioría acreditou e acertou. O Ministro Marco Aurélio não julgou o Habeas corpus, mantendo assim o Governador Arruda preso. "Nunca antes na história desse país" um Governador no exercício do cargo foi enjaulado.


VOCÊ ACREDITA QUE CIRO GOMES SERÁ CANDIDATO A PRESIDENTE?

Não, está fazendo o jogo do Lula : 39%
Sim, está decidido : 33%
Sim, se a Dilma cair nas pesquisas : 15%
Não, vai ser candidato a Governador em S. Paulo : 12%

 Amaioría acreditando que é apenas jogo de cena e que na verdade Ciro está a serviço de Lula, embora parcela importante (33%) acreditam que ele vai levar a candidatura a sério. Apesar da pressão do Presidente e do PT, apenas 12% acreditam que ele vai disputar o Governo de São Paulo.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

NÃO ME ESQUEÇAM AQUI.

Recife, , 10 de fevereiro de 1951; 130º da Independência e 63º da República.





Sábado, 4 dias após o término do carnaval, num quarto da pensão do Coronel Cipriano, rua do comércio, centro do Recife, o jovem casal Dulce e Gama se preparam para mais um dia de ansiedade na espera de seu primeiro filho. Ele capixaba do interior de Alegre, tendo estudado no Rio de Janeiro, foi convocado a servir na aeronáutica , trabalhando na torre de controle de Recife, durante a 2ª Guerra Mundial. Após o seu término, ingressou na prestigiosa Faculdade de Direito do Recife, onde cursava então o 4º ano. Ela, uma das mais novas filhas do então decadente Coronel Cipriano, filho de portugueses, com a índia Izaura, proprietários da pequena pensão. Barriga de 9 meses, confidenciou ao marido que estava particularmente animada nesse dia, mas preocupada porque desde o dia anterior a criança estava mexendo muito pouco. Após o almoço, começou a sentir dores e com o súbito rompimento da bolsa, tiveram que ir às pressas para a Maternidade de Casa Amarela, onde nasci de parto normal , lá pelas 22 hs de um sábado de calor intenso e na ressaca pós carnaval.

Marco Antonio, em homenagem ao grande guerreiro e Imperador Romano que apesar de todo poder, sucumbiu aos encantos de Cleópatra. Quando deveria punir esta mulher , se enamorou perdidamente, o que mais tarde seria uma das causas do seu fim. Parece que meu pai antevia que a vida toda eu estaria subjugado por elas.

Sempre me achei, um peixe fora d’agua, apesar dos ensinamentos católicos, cheguei a ser coroinha e pré-seminarista.Minha vocação acabou após o primeiro beijo na primeira namorada e logo me decepcionei, guardando entretando para a vida os ensinamentos de Cristo Sempre achei hipocrisia pessoas de mãos postas, cabisbaixas receberem a comunhão e lá fora negarem uma esmola ou matarem irmãos por um pedaço de terra..Numa família, onde quase todos são advogados, juízes, promotores, resolvi ser médico. Político, 3 mandatos de vereador, Presidente da Câmara e da Constituinte Muncipal, vice- prefeito e prefeito por 88 dias, não ter um filho, nora ou neto empregado na Prefeitura? Não devo ser normal, ou não sou desse planeta. Pensando nisso, fui investigar o que tinha acontecido de diferente no mundo no dia que nasci, tentando achar uma explicação. Fatos comuns, do dia a dia, um decreto de Lei do Getúlio Vargas, definindo o polígano da seca, Lei nº 1338 de 10-02-51, casamento do Xá da Pérsia, etc. Já estava desapontado quando achei uma notícia que me chamou a atenção e passo a descreve-la na íntegra:



Gandor Processo Sinopse - 10 de fevereiro de 1951, Terra Nova, Canadá



Em 10 de fevereiro, um avião da Marinha E.U., Atlantic / Continental Air Transport Squadron um, localizado na USN Air Station, Patuxent River, Maryland, estava fora de Keflavik, na Islândia, 49-50 graus de latitude norte e 50-03 graus de longitude oeste, cerca de 150 quilômetros [90 milhas] a oeste de Gander, Newfoundland sobre o Oceano Atlântico. A aeronave, provavelmente com destino Gander para reabastecer a julgar pela sua posição e curso de 230 graus de verdade, embora o relatório não menciona isso. E.U. Reserva Naval Tenente Graham Bethune, co-piloto do vôo 125, foi ocupando o capitão ¹ s assento do lado esquerdo da cabine do avião quando ele avistou um objeto enorme [pelo menos] 300 metros de diâmetro em rota de colisão com os seus aeronaves.



O co-piloto afirmou em seu relatório oficial, "... eu observei um brilho de luz no horizonte cerca de 1.000 a 1.500 pés [330-470 metros] acima da água. Nós dois [o piloto também] observaram o seu curso e proposta de cerca de 4 ou 5 minutos antes de chamá-lo à atenção dos outros membros da tripulação. ... De repente, seu ângulo de ataque mudou. altitude e maior dimensão, como se a sua velocidade era superior a 1.000 milhas [1.670 quilômetros] por hora. It fechado, em tão rápida que a primeira sensação foi que iria colidir em pleno ar. Neste momento o seu ângulo mudado ea cor alterada. Em seguida, [apareceu] laranja definitivamente circulares e avermelhadas no seu perímetro. Inverteu o seu curso e triplicou sua velocidade até ele foi visto pela última vez a desaparecer no horizonte. "



¹ O co-piloto do relatório continua a dizer que o objeto veio dentro de cinco milhas de suas aeronaves, que foi corroborada por provas de radar do encontro, porque o objeto tinha sido rastreado por DEW Line Ground Radar na base de Goose Bay, Labrador.



Anos mais tarde, Bethune foi capaz de recuperar os relatórios dos Arquivos Nacionais e confirmou que o OVNI que encontraram naquela noite tinha viajado 10.000 pés para cima em uma fração de segundo e foi seguido pelo radar a 1.800 km por hora, bem superior a 500 milhas -por-hora a capacidade de o homem mais avançado de artesanato feito naquele momento.



Bethune-se que o seu bordo compassos magnéticos foram girando loucamente, enquanto a embarcação de mistério estava nas proximidades.



Tivemos 31 pessoas a bordo e um psiquiatra que todos nós testemunhamos ", ele disse, antes de adicionar ao aplauso estridente:" Eu vou depor sob juramento perante o Congresso que tudo o que eu disse é verdade.






                             Imagem do O.V.N.I,conforme descrita pelos tripulantes e passageiros


Foi aí que comecei a entender tudo. Não pode ser coincidência, eles realmente estiveram e me deixaram aqui. Como explicar então as minhas incompreensões desse mundo? Como aceitar que milhões morram na África ,enquanto em muitos países os alimentos vão pro lixo? Como entender que a religião seja motivo para o massacre de milhares? Por que continuamos a destruir o planeta que nos abriga? Qual a justificativa para que uma Nação deseje a extinção de outra? E a vergonhosa exploração da fé por falsos profetas? E governantes que não educam seu povo para que não sejam questionados?

Não, definitivamente não devo ser desse mundo. Espero que não me esqueçam aqui.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

A FALÊNCIA DO PAC.

A falência do PACPor Ronaldo Caiado


8 fevereiro 2010


Programa do governo vive de publicidade sem obrasAbaixo, editorial de O Estado de S. Paulo que desmascara o PAC

Por qualquer critério isento que se examinem os números da execução do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) apresentados na quinta-feira pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff - sua principal gestora, batizada pelo presidente Lula como “mãe do PAC” -, a conclusão é decepcionante.



Sua execução é lenta, o que torna muito duvidoso que seja concluído no prazo previsto. A utilização de certos indicadores mascara seu baixo nível de execução. Seus principais resultados são frutos de programas e projetos de empresas estatais e privadas que seriam executados com ou sem ele.



A necessária melhora na qualidade do gastos do governo, que deveria ser um de seus principais efeitos sobre a gestão financeira do setor público, não ocorreu até agora e não deverá ocorrer no último ano de sua vigência.



O PAC é um fracasso que, mesmo assim, a ministra-candidata transformou, com o entusiasmado apoio de seu mentor político, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na principal peça de propaganda de sua campanha eleitoral lançada antes do prazo previsto pela legislação.



Ao longo deste ano, seguramente muito será dito pelo governo sobre esse programa, mas o eleitor precisará estar atento para não ser enganado.



A ministra anunciou que, do total de R$ 638 bilhões em investimentos no período 2007-2010 previstos no PAC, R$ 403,8 bilhões, ou 63,3%, tinham sido aplicados até o fim do ano passado. É um dado enganoso.



Se se considerar apenas as ações efetivamente concluídas, o resultado é bem menos animador. Em 36 meses de execução do PAC, nas obras encerradas foram aplicados R$ 256,9 bilhões, ou seja, 40,3% do total.



Isso significa que, por ano, o governo executou, em média, 13,4% do total. Para concluir o PAC no prazo, teria de executar 60% neste ano de 2010, ou seja, teria de multiplicar por 4,5 o ritmo da execução do programa.



Mesmo que, como assegura a ministra, o governo tenha aprendido a gerir melhor o programa, não parece crível que consiga elevar tanto assim o ritmo, pois isso exigiria da atual gestão uma competência que ela nunca mostrou ter.



Do valor de R$ 403,8 bilhões anunciado pela ministra como realizado, é preciso destacar uma gorda parcela, de R$ 137,5 bilhões (34% do total), que nada tem a ver com obras, pois é formada por empréstimos habitacionais a pessoas físicas. São recursos oriundos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, do FGTS, do FAT e de outras fontes públicas.



Esses recursos são utilizados, em geral, na compra de imóveis usados, pois as políticas do governo para esses fundos privilegiam esse tipo de negócio.



Economistas do setor privado observam que, ao contrário das vendas de imóveis novos, as de imóveis usados não resultam necessariamente na geração de emprego ou renda, como é o objetivo do PAC. Daí a estranheza com relação ao uso desses dados, o que pode ter sido feito apenas para inflar os resultados.



Outra parcela importante refere-se aos investimentos das estatais, de R$ 126,3 bilhões (31%). A Petrobrás responde pela maior fatia desses investimentos, que seriam feitos pelas estatais com ou sem o PAC, pois eles são elementos essenciais do planejamento estratégico dessas empresas.



A terceira fatia mais importante corresponde aos investimentos das empresas privadas, de R$ 88,8 bilhões (ou 22% do total), e sobre eles o governo nada pode decidir. Há, ainda, as contrapartidas dos Estados e municípios (R$ 11,1 bilhões, ou 3%) e os financiamentos (R$ 5,1 bilhões, ou 1%).



A fatia do PAC que cabe exclusivamente ao governo do PT, originária do Orçamento-Geral da União, totalizou apenas R$ 35 bilhões, 9% do que a ministra anunciou ter sido executado.



Esses números mostram que, apesar de tudo que tem anunciado e apesar do PAC, o governo continua a investir pouco, bem menos do que as necessidades do País.



O padrão do gasto oficial, dominado pelas despesas de custeio, continua ruim para a economia brasileira e para os cidadãos. Melhorá-lo exige a redução dos gastos correntes, mas as despesas que mais crescem no governo Lula são com o funcionalismo, razão pela qual, tirante o PAC, é pequena a fatia que sobra para investir.



Em resumo, o PAC, mal gerido, está longe de suas metas.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Sem medo do passado, por Fernando Henrique Cardoso

Sem medo do passado, por Fernando Henrique Cardoso






O presidente Lula passa por momentos de euforia que o levam a inventar inimigos e enunciar inverdades. Para ganhar sua guerra imaginária, distorce o ocorrido no governo do antecessor, autoglorifica-se na comparação e sugere que se a oposição ganhar será o caos. Por trás dessas bravatas está o personalismo e o fantasma da intolerância: só eu e os meus somos capazes de tanta glória. Houve quem dissesse “o Estado sou eu”. Lula dirá, o Brasil sou eu! Ecos de um autoritarismo mais chegado à direita.



Lamento que Lula se deixe contaminar por impulsos tão toscos e perigosos. Ele possui méritos de sobra para defender a candidatura que queira. Deu passos adiante no que fora plantado por seus antecessores. Para que, então, baixar o nível da política à dissimulação e à mentira?



A estratégia do petismo-lulista é simples: desconstruir o inimigo principal, o PSDB e FHC (muita honra para um pobre marquês...). Por que seríamos o inimigo principal? Porque podemos ganhar as eleições. Como desconstruir o inimigo? Negando o que de bom foi feito e apossando-se de tudo que dele herdaram como se deles sempre tivesse sido. Onde está a política mais consciente e benéfica para todos? No ralo.



Na campanha haverá um mote – o governo do PSDB foi “neoliberal” – e dois alvos principais: a privatização das estatais e a suposta inação na área social. Os dados dizem outra coisa. Mas os dados, ora os dados... O que conta é repetir a versão conveniente. Há três semanas Lula disse que recebeu um governo estagnado, sem plano de desenvolvimento. Esqueceu-se da estabilidade da moeda, da lei de responsabilidade fiscal, da recuperação do BNDES, da modernização da Petrobras, que triplicou a produção depois do fim do monopólio e, premida pela competição e beneficiada pela flexibilidade, chegou à descoberta do pré-sal. Esqueceu-se do fortalecimento do Banco do Brasil, capitalizado com mais de R$ 6 bilhões e, junto com a Caixa Econômica, libertados da politicagem e recuperados para a execução de políticas de Estado. Esqueceu-se dos investimentos do programa Avança Brasil, que, com menos alarde e mais eficiência que o PAC, permitiu concluir um número maior de obras essenciais ao país. Esqueceu-se dos ganhos que a privatização do sistema Telebrás trouxe para o povo brasileiro, com a democratização do acesso à internet e aos celulares, do fato de que a Vale privatizada paga mais impostos ao governo do que este jamais recebeu em dividendos quando a empresa era estatal, de que a Embraer, hoje orgulho nacional, só pôde dar o salto que deu depois de privatizada, de que essas empresas continuam em mãos brasileiras, gerando empregos e desenvolvimento no país.



Esqueceu-se de que o país pagou um custo alto por anos de “bravata” do PT e dele próprio. Esqueceu-se de sua responsabilidade e de seu partido pelo temor que tomou conta dos mercados em 2002, quando fomos obrigados a pedir socorro ao FMI – com aval de Lula, diga-se – para que houvesse um colchão de reservas no início do governo seguinte. Esqueceu-se de que foi esse temor que atiçou a inflação e levou seu governo a elevar o superávit primário e os juros às nuvens em 2003, para comprar a confiança dos mercados, mesmo que à custa de tudo que haviam pregado, ele e seu partido, nos anos anteriores.



Os exemplos são inúmeros para desmontar o espantalho petista sobre o suposto “neoliberalismo” peessedebista. Alguns vêm do próprio campo petista. Vejam o que disse o atual presidente do partido, José Eduardo Dutra, ex-presidente da Petrobras, citado por Adriano Pires, no Brasil Econômico de 13/1/2010. “Se eu voltar ao parlamento e tiver uma emenda propondo a situação anterior (monopólio), voto contra. Quando foi quebrado o monopólio, a Petrobras produzia 600 mil barris por dia e tinha 6 milhões de barris de reservas. Dez anos depois, produz 1,8 milhão por dia, tem reservas de 13 bilhões. Venceu a realidade, que muitas vezes é bem diferente da idealização que a gente faz dela”.



O outro alvo da distorção petista refere-se à insensibilidade social de quem só se preocuparia com a economia. Os fatos são diferentes: com o Real, a população pobre diminuiu de 35% para 28% do total. A pobreza continuou caindo, com alguma oscilação, até atingir 18% em 2007, fruto do efeito acumulado de políticas sociais e econômicas, entre elas o aumento do salário mínimo. De 1995 a 2002, houve um aumento real de 47,4%; de 2003 a 2009, de 49,5%. O rendimento médio mensal dos trabalhadores, descontada a inflação, não cresceu espetacularmente no período, salvo entre 1993 e 1997, quando saltou de R$ 800 para aproximadamente R$ 1.200. Hoje se encontra abaixo do nível alcançado nos anos iniciais do Plano Real.



Por fim, os programas de transferência direta de renda (hoje Bolsa-Família), vendidos como uma exclusividade deste governo. Na verdade, eles começaram em um município (Campinas) e no Distrito Federal, estenderam-se para Estados (Goiás) e ganharam abrangência nacional em meu governo. O Bolsa-Escola atingiu cerca de 5 milhões de famílias, às quais o governo atual juntou outras 6 milhões, já com o nome de Bolsa-Família, englobando em uma só bolsa os programas anteriores.



É mentira, portanto, dizer que o PSDB “não olhou para o social”. Não apenas olhou como fez e fez muito nessa área: o SUS saiu do papel à realidade; o programa da aids tornou-se referência mundial; viabilizamos os medicamentos genéricos, sem temor às multinacionais; as equipes de Saúde da Família, pouco mais de 300 em 1994, tornaram-se mais de 16 mil em 2002; o programa “Toda Criança na Escola” trouxe para o Ensino Fundamental quase 100% das crianças de sete a 14 anos. Foi também no governo do PSDB que se pôs em prática a política que assiste hoje a mais de 3 milhões de idosos e deficientes (em 1996, eram apenas 300 mil).



Eleições não se ganham com o retrovisor. O eleitor vota em quem confia e lhe abre um horizonte de esperanças. Mas se o lulismo quiser comparar, sem mentir e sem descontextualizar, a briga é boa. Nada a temer.

*Ex-presidente da República

PAC

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

LIÇÕES DA CRISE HIPERTENSIVA.

O Assunto mais comentado nos últimos dias foi com certeza a crise hipertensiva do Presidente Lula, até porque o fez descer ao reino dos mortais e sentir que está sujeito, como qualquer de nós às marcas e desgastes do tempo sobre nosso organismo. Revisando as matérias sobre o fato, percebemos alguns equívocos imperdoáveis, principalmente em se tratando da saúde de um Chefe de Estado. Exames médicos de rotina vencidos, quando se tem todos os recursos disponíveis à disposição, é no mínimo irresponsábilidade dele e da equipe médica responsável por sua saúde. Referiu cansaço excessivo, desconforto torácico ao discursar, o que não foi devidamente valorizado, somente quando a pressão arterial chegou a níveis perigosos de 180 x 120 é que se tomou a iniciativa de interná-lo, impedindo extensa viajem de avião que podería ter consequências drásticas. Gripe mal curada em um Presidente é na melhor das hipóteses, muito estranho. O tempo perdido entre o inicio do agravamento até a internação foi uma perda preciosa e podería ter colocado sua vida em risco, aliás o que acontece diáriamente a milhares de brasileiros usuários do SUS, evidentemente por motivos totalmente distintos.

A hipertensão arterial atinge aproximadamente 30% dos brasileiros adultos e a crise hipertensiva, talvez a maior causa de atendimento em qualquer Pronto Socorro, seja público ou particular e qualquer deles está apto a controlá-la sem maiores problemas, e como o Presidente esteve inaugurando uma UPA ( Unidade de Pronto –Atendimento), tería sido prudente que tivesse ali os primeiros cuidados médicos. Teimosía do Presidente? Talvez. Termina aí as semelhanças entre Lula e qualquer brasileiro que necessite do SUS, pois se a crise hipertensiva pode ser controlada fácilmente em qualquer unidade de saúde, a bateria de exames a que se submeteu o Presidente e que é absolutamente necessária, não está ao alcance no prazo necessário, aos usuários do sistema. Só para exemplificar, um paciente nosso, acometido por crise hipertensiva e com sinais de isquemias cerebrais transitórias, pagou exames de tomografia computadorizada do crãnio e um doopler de carótidas. Com diagnóstico de obstrução de 70% no sifão carotídeo, solicitamos o procedimento necessário ao SUS, pois o risco de morte é iminente. Lá se vão 90 dias e ainda não há previsão de quando o mesmo poderá ter solucionado o seu problema. Milhares de vidas se perdem nessas situações, já que complicações cardiovasculares da hipertensão arterial é das maiores causas de internações e de óbitos nesse País.
Esperamos que uma vez refeito do susto, o Presidente reflita, se coloque no lugar de um cidadão comum e em vez de se gastar fortunas com obras, na maioría das vezes eleitoreiras na tentativa de beneficiar sua candidata, melhore a nossa saúde pública, até porque dentre em breve, sem as benesses do cargo, pode ter nova crise hipertensiva e depender do SUS. Espero sinceramente que não. Não lhe desejo esse mal..