terça-feira, 31 de agosto de 2010

ENTRANDO PARA A HISTÓRIA.

DEGRADAÇÃO DO BRASIL.

Destoa do crescimento econômico e da redução das desigualdades sociais, a reafirmação da histórica e nefasta deterioração ética da política e das instituições públicas - profundamente entrelaçadas. Convivem, no Brasil do século 21, e prosseguem nessa eleição, a melhoria da vida e do consumo - os ganhos materiais, e a reiterada negação da ética no trato da "coisa pública" e na atuação de quase todos os políticos - as perdas intangíveis de valores. A institucionalização do "vale tudo", do "tudo é igual", do vencer a qualquer custo, tornou a política imune aos seus escândalos. Chega-se ao extremo dessa degradação quando é preciso que uma lei defina e exija ficha limpa dos políticos - ainda em questão.


Atitudes e comportamentos políticos deploráveis irradiados de "cima" não só reafirmam como interagem com práticas iguais arraigadas na sociedade. Para se dar bem, a permissividade é ampla. Essa interação perniciosa - neste momento de ganhos econômicos e sociais - se reforça e se amplia com adesões "realistas" de muitos que pretendiam mudá-la. Resta quase nenhuma ação manifesta de reprovação. Mas, essa interação suscita sensações nesta eleição: ceticismo, cinismo, mal estar, hipocrisia, descrença, apreensão, muitas vezes combinadas.

Contrastando com essas sensações, o bem estar material na sociedade vem acompanhado ou é usado para reafirmar, e até intensificar, a política arcaica e exemplos aéticos recorrentes que desfiguram a "república" e suas instituições. O discurso das mudanças políticas fica sempre para um depois. Três matérias nacionais da semana passada, podem exemplificar o que é estimulado ou é resultado de uma ambiência política e institucional aética.

1. Violação de 140 sigilos fiscais na Receita Federal (Agência Mauá, SP). São investigadas três funcionárias. O secretário da Receita, Otacílio Cartaxo, admitiu a existência de um "balcão de venda de sigilos". Mais uma instituição de alta importância perde credibilidade. Propõe-se o "controle externo" da Receita. Mas, em um contexto de degradação espraiada, o controle acaba requerendo intermináveis controles do controle. O que resultou da quebra do sigilo bancário do "caseiro" Francenildo? Impunidade e privatização do governo, para atender o loteamento politiqueiro, destroem o "bem público".

2. Capitão (PMRJ) que julga PMs é flagrado com outro oficial furtando. Nove horas depois de interrogar os PMs que teriam recebido propina para liberar o carro que matou o músico Rafael Mascarenhas, o juiz militar e capitão da PM Lauro M. Catarino (33 anos) foi preso - juntamente com mais 10 pessoas -, roubando cabos de telefonia, na Praia de Botafogo. Segundo a investigação, os "oficiais eram mentores e responsáveis pela segurança da quadrilha". É a negação e inversão de valores republicanos.

3. "Vote Tiririca, pior que tá não fica". Indagado sobre o que faz um deputado federal, o candidato Tiririca respondeu: "Pra te falar a verdade, não conheço nada". Ao relembrar o rinoceronte "Cacareco" dos anos 50, evidencia a persistência e a retomada de velhas práticas políticas. As mais recentes não só não indicam reformas, como debilitam a democracia: ausência de oposição, "coligação única". Outras formas aéticas iguais ou semelhantes estão se disseminando.

O que resultará dessa combinação atual no Brasil entre avanços materiais socioeconômicos e o desprezo pela ética política e institucional?

Roberto Garcia Simões

ESTÁ ACONTECENDO, SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER!!!

O primeiro jornalista a sofrer cerceamento do direito de bem informar, em consequência dos seus verdadeiros, contundentes e procedentes comentários contra os desmandos do atual governo, foi o
Boris Casoy. De acordo com o noticiário da época, ele foi demitido a pedido do próprio Lula.

Entretanto aos olhos dos menos atentos, a coisa vem se agravando de maneira avassaladora e perigosa, senão vejamos:

O Programa do Jô tirou do ar (sem dar qualquer satisfação ao público) o quadro "As Meninas do Jô" que era apresentado às quartas feiras onde as jornalistas Lilian Witifibe, Ana Maria Tahan, Cristiana Lobo, Lúcia Hippólito e, por vezes, outras mais, traziam à público e debatiam todas as falcatruas perpetradas por essa corja de corruptos que se apossou do país. As entrevistas sobre temas políticos não têm sido mais levadas a efeito atualmente.

Virou um programa de amenidades e sem qualquer brilhantismo.


O jornalista Arnaldo Jabor, considerado desafeto pelo governo atual, vem sofrendo, de forma velada e sistemática, todo tipo retaliação. Já foi processado, condenado, amordaçado e por aí vai. Sua participação diária, às 07:10 na Rádio CBN tem se limitado a assuntos sem a relevância que tinha, haja vista que está impedido de falar sobre assuntos que envolvam a política nacional e o atual governo.


A jornalista Cuiabana Lúcia Hippólito, que tinha uma participação diária, às 07:55 hs na Rádio CBN, não está mais ocupando o microfone da emissora como fazia e nenhum comunicado foi feito pelo âncora do horário, o jornalista Heródoto Barbeiro. Sorrateiramente, colocaram-na como âncora em outro horário, onde enfoca matérias mais amenas e sem a habitual, verdadeira e procedente contundência.


Diogo Mainard, da Revista Veja, além de processado, vem sofrendo várias ameaças de morte por parte do jornal do MR-8 (que faz parte da base aliada ao Lula) e de integrantes dos chamados "Movimentos Sociais".

O jornal "Estadão" de São Paulo está sob forte censura governamental há pelo menos 200 dias.

Pelo que se vê, Fidel Castro está fazendo escola na América do Sul.

O primeiro a colocar em prática estes ensinamentos, aniquilando o direito de imprensa foi Hugo Chaves, e pelo andar da carruagem o nosso PresiMENTE está trilhando pelo mesmo caminho.

Constitucionalmente:

Onde está o ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO?

Onde está o LIVRE DIREITO DE MANIFESTAÇÃO?

Onde está a LIBERDADE DE EXPRESSÃO?

Onde está a LIBERDADE DE UMA NAÇÃO?

ROLANDO LERO E DILMA, QUALQUER SEMELHANÇA NÃO É MERA COINCIDÊNCIA.

ATÉ TU, JOSÉ ALENCAR?

A quimio pode estar afetando a capacidade de raciocínio e de articulação cerebral do vice de Lula. Suas sinapses entraram em conflito e ele desandou a dizer o que não deve, da mesma forma que muitos velhos babões que não conseguem conter suas paixões fora de época. É o que explica o discurso errático e incompreensível de José Alencar.


O vice José Alencar perdeu novamente na Justiça, na investigação de paternidade que se arrasta desde 2001, movida por sua filha Rosemary de Morais, 54, e agora deve ser processado por litigância de má-fé. O juiz José Antônio de Oliveira Cordeiro afirmou em sua sentença que o vice-presidente “não colabora com a verdade”, ao se recusar ao exame de DNA, e demonstra “completa falta de senso de respeito” a Justiça.

Expedido o mandado de averbação, como ordenou o juiz, Rosemary de Morais, inclui em sua identidade o sobrenome do pai, Gomes da Silva.

RINDO DE QUE?

PT IMPEDE PESQUISA.

O PT conseguiu na Justiça censurar a divulgação da pesquisa realizada pelo Ibope sobre a corrida ao governo do Estado do Pará. Mas, os resultados já são conhecidos. O ex-governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), já soma uma vantagem de 10 pontos percentuais ao em relação à atual governadora, a petista Ana Júlia Carepa (PT). De acordo com o levantamento, Simão Jatene tem 43% das intenções de voto, contra 33% de Ana Júlia. O deputado estadual Domingos Juvenil (PMDB) tem 6%; Fernando Carneiro (PSOL) e Cleber Rabelo (PSTU) estão empatados com 2%. Os votos brancos, nulos e indecisos somam 14%..

COMENTO: A Governadora Ana Júlia, foi daquelas eleitas pelo vento LULA, com atuação discreta no Senado Federal, vem fazendo um governo desastroso no Estado do Pará. Tentativa de impedir que a população tenha acesso às informações que não lhes interessam, mostram seu DNA petista.
Dilma Rousseff vai pelo mesmo caminho, abra o olho Brasil.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

ANACONDA.

ÉTICA NO PAPEL.

Governo Lula produziu escândalos e dossiês em série



“O combate à corrupção e a defesa da ética no trato da coisa pública serão objetivos centrais e permanentes do meu governo. É preciso enfrentar com determinação e derrotar a verdadeira cultura da impunidade que prevalece em certos setores da vida pública.”

A declaração acima foi feita pelo presidente Lula em 1º de janeiro de 2003, dia em que assumiu a Presidência da República. No entanto, os sucessivos escândalos ocorridos ao longo de seu governo mostram um abismo entre o discurso e a prática. Os últimos fatos denunciados - como a quebra indiscriminada do sigilo fiscal de 140 pessoas nas dependências da Receita Federal - apenas reforçam essa tese. Desde o início da gestão petista, casos graves de corrupção, vazamentos ilegais de dados, quebras de sigilo e montagens de dossiês ganharam as manchetes no país e no exterior. Veja abaixo apenas alguns exemplos de episódios que mostram a herança maldita do PT no campo da ética e da moralidade na política.

→ Mensalão: veio à tona em junho de 2005 o suposto esquema de compra e venda de votos de parlamentares, no qual deputados da base aliada teriam recebido “mesada” para votarem segundo orientações do Palácio do Planalto. José Dirceu, ministro da Casa Civil na época, foi apontado como o chefe do esquema e acabou não somente perdendo o emprego, mas também sendo cassado pela Câmara. Delúbio Soares, então tesoureiro do partido, é o suspeito de efetuar o pagamento aos chamados “mensaleiros”. Em agosto de 2007, o Supremo Tribunal Federal abriu processo contra 40 envolvidos no escândalo a pedido do Ministério Público, que apontou a existência de uma "organização criminosa". O processo continua em andamento no STF.

Dólares na cueca: em 9 julho de 2005, José Adalberto Vieira da Silva, assessor do então deputado estadual José Nobre Guimarães (CE), foi preso no aeroporto de Congonhas levando uma mala com R$ 200 mil e US$ 100 mil escondidos na cueca. Guimarães é irmão de José Genoíno, na época presidente do PT. Preso, Adalberto não conseguiu explicar a origem do dinheiro sujo, assim como José Nobre. Chegaram a apresentar desculpas como a de que o dinheiro se referia ao arrecadado com a venda de verduras. O episódio provocou a queda de Genoíno. Assim como no caso dos "aloprados", ainda não se sabe a origem do dinheiro.

→ Quebra de sigilo do caseiro Francenildo: em 2006, o caseiro Francenildo dos Santos revelou que o então ministro da Fazenda, Antônio Palocci, frequentava uma mansão em Brasília para participar de reuniões com lobistas e de animadas festas. A revista "Época" teve acesso e divulgou um documento com a movimentação financeira do caseiro na Caixa Econômica Federal. Supostamente, Francenildo teria recebido dinheiro para depor contra Palocci. No entanto, se tratava apenas de um depósito feito pelo pai dele. O vazamento do dado bancário resultou na demissão de Palocci e do então presidente da Caixa, Jorge Matoso.

→ Os “aloprados”: petistas foram pegos também em 2006 tentando comprar um dossiê para prejudicar o então candidato tucano à Presidência, Geraldo Alckmin. Os envolvidos no escândalo ficaram conhecidos como “aloprados”, uma denominação dada pelo próprio presidente Lula a antigos colaboradores de seu governo. Até hoje, a origem do R$ 1,7 milhão que seria usado na operação não foi esclarecida pela Polícia Federal.

→ Dossiê feito no Planalto: em 2008, após denúncias sobre gastos irregulares com os cartões corporativos no governo federal, foi instalada uma CPI no Congresso para investigar os fatos. Para tentar conter a ação da oposição, que queria esclarecer os acontecimentos, foi elaborado um dossiê com os gastos da Presidência durante o governo Fernando Henrique Cardoso. A secretária-executiva da Casa Civil, Erenice Guerra, braço direito da então ministra Dilma Rousseff, foi apontada como a responsável pela montagem do dossiê que detalhava até os gastos da família de FHC. A intenção era barrar as investigações no Congresso, já que os cartões haviam sido usados indevidamente até mesmo por ministros como Matilde Ribeiro (Igualdade Racial) e Altemir Gregolin (Pesca) para compras em free shop, tapiocaria e cervejarias.

Previ: o bunker de petistas: em entrevista à revista “Veja” publicada no início deste mês, o ex-gerente de Planejamento da Previ (fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil) Gerardo Xavier Santiago declarou ter participado de uma força-tarefa, montada a pedido do governo federal, para elaborar um relatório alternativo à CPI Mista dos Correios. A intenção, segundo ele, era colher informações contra adversários do governo. Na reportagem, Santiago classifica a Previ como “fábrica de dossiês”. Segundo ele, o fundo de pensão funciona como um "bunker de um grupo do PT", que seria liderado pelo deputado Ricardo Berzoini (SP), o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, o ex-ministro Luiz Gushiken e o ex-presidente da Previ Sérgio Rosa. A reportagem traz ainda a revelação de que a entidade vem sendo utilizada como máquina de arrecadação ilegal de recursos para o PT. Rosa e Gerardo devem participar nesta terça-feira (31) de audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado para dar mais detalhes do caso.

KIT DILMA. ASSIM ATÉ EU.

*Vai transar?*

O governo dá camisinha.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
*Já transou?*

O governo dá a pílula do dia seguinte. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
*Teve filho?*
O governo dá o Bolsa
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
*Tá desempregado?*
O governo dá Bolsa Desemprego.
 
 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            

*Vai prestar vestibular?*
O governo dá o Bolsa Cota.
 
 
 



*Não tem terra?*
  O governo dá o Bolsa Invasão e ainda te aposenta.
 
 



*RESOLVEU VIRAR BANDIDO E FOI PRESO?*
O GOVERNO DÁ O AUXÍLIO RECLUSÃO!!

*Esse é novo* >> Todo presidiário com filhos tem direito a uma bolsa que, é de R$798,30 "por filho" para sustentar a família, já que o coitadinho não pode trabalhar para sustentar os filhos por estar preso.

Não acredita?

Confira no site da Previdência Social.

Port aria nº 48, de 12/2/2009, do INSS

( http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudoDinamico.php?id=22 )

*Mas experimenta estudar e andar na linha pra ver o que é que te acontece!*




 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
"Trabalhe duro, pois milhões de pessoas que vivem

do Fome-Zero e do Bolsa -Família, sem trabalhar, dependem de você"

LULA REZANDO.

SENHOR,





Fazei de mim instrumento de golpe na Constituição, para garantir a Dilma sua eleição.

Onde houver mutreta... que eu mostre a maleta;

Onde houver gorjeta... que seja minha teta;

Que eu tenha dor na munheca... de tanto encher a cueca;

Em cada licitação... que alguém molhe a minha mão;

E que no meu endereço, vença o meu preço;

Onde houver crachá... que não falte o jabá;

Onde houver ócio... que eu feche o negócio;

Onde houver propina... que reservem o da vila campesina;

Mas sem esquecer do MST, das ONGs e do PT;

Onde houver colarinho branco...

que dobre o lucro do banco;

Onde houver esquema... cuidado com o telefonema;

E quando tocar o sino... chamem o Genoíno;

Se mexerem no meu... que venha o Zé Dirceu;

E, se a proposta for chula... lembrai do custo do Lula.

Ó Mestre!

Que eu tenha poder para corromper e ser corrompido;

Porque é sonegando que se é promovido;

É mentindo que se vai subindo;

Pois enquanto o povo sofre com imposto e inflação,

o índio passa o facão, o sem terra faz a invasão,

a base aliada entra na negociação

e a gente vai metendo a mão...

E que a pizza seja feita pela vossa vontade

enquanto a grana da publicidade

levar o povo a aceitar nossa desonestidade

como se fosse genialidade...

AMÉM !

CRISTAIS QUEBRADOS. (VEREZA)

Não é necessário ser profeta para revelar antecipadamente o que será o ano


eleitoral de 2010.

**
Ou existe alguém com tamanha ingenuidade para acreditar que o “fascismo

galopante” que aparelhou o estado brasileiro vá, pacificamente, entregar a

um outro presidente que não seja do esquema lulista os cargos, as benesses,

os fundos de pensão, o nepotismo, enfim, a mais deslavada corrupção jamais

vista no Brasil?



Lula já declarou, que (sic) “2010 vai pegar fogo!”. Entenda-se, por mais

esta delicadeza gramatical, golpes abaixo da cintura: dossiês falsos, PCC

“em rebelião”, MST convulsionando o país… que a lei de Godwin me perdoe -

mas assistiremos em versão tupiniquim, a Kristallnacht, A Noite dos Cristais

que marcou em 1938 o trágico início do nazismo na Alemanha.



E os “judeus” serão todos os democratas, os meios de comunicação não

cooptados (verificar mais uma tentativa de cercear a liberdade de expressão

no país: em texto aprovado pelo diretório nacional do PT, é proposto o

controle público dos meios de comunicação e mecanismos de sanção à

imprensa). Tudo isso para a perpetuação no poder de um partido que traiu um

discurso de ética e moralidade ao longo de mais de 25 anos e,

gradativamente, impõe ao país um assustador viés autoritário. Não se

surpreendam: Há todo um lobby nacional e internacional visando a manutenção

de Lula no poder.



Prêmios, como por exemplo, o Chatham House, em Londres, que contou com

“patrocínios”

de estatais como Petrobras, BNDS e Banco do Brasil, sem, até agora, uma

explicação convincente por parte dos “patrocinadores”; matérias em revistas

estrangeiras, enaltecendo o “mantenedor da estabilidade na América Latina”.

Ou seja: a montagem virtual de um grande estadista…



Na verdade, Lula é o Übermensch dos especuladores que lucram como “nunca na

história deste país”.



Sendo assim, quem, em perfeito juízo, pode supor que este ególatra passará,

democraticamente, a faixa presidencial para, por exemplo, José Serra , ou

mesmo Aécio Neves?



Pelo que já vimos de “inaugurações” de obras que sequer foram iniciadas, de

desrespeito às leis eleitorais, do boicote às CPIs como a da Petrobras, do

MST e tantos outros “deslizes”, temos o suficiente para imaginar o que será

a “disputa” eleitoral em 2010.



E tem mais: o PT está comprando, com o nosso dinheiro, políticos,

intelectuais, juízes, militares, o povo humilde com bolsa esmola e formando

milícias com o MST, PCC, Sindicatos, ONGS, traficantes e outros, que recebem

milhões e milhões de reais, para apoiar o PT e as falcatruas do Governo

lula.



Não podemos nem pensar em colocar como Presidente do Brasil uma mulher

TERRORISTA, que passou a vida assaltando bancos, matando pessoas inocentes,

arrombando casas, roubando e matando. Só uma pessoa internada num manicômio

seria capaz de votar numa BANDIDA para presidente de um País.



Confiram.

Carlos Vereza

Ator e ex-petista*



domingo, 29 de agosto de 2010

CONTINUÍSMO.

Dora Kramer - O Estado de S.Paulo


O presidente Luiz Inácio da Silva não se aguenta: morre pela boca, mas nunca deixa passar uma excelente oportunidade de ficar calado.

Na quarta-feira teve duas chances e aproveitou as duas. Na primeira, contou em público uma versão mentirosa de um episódio ocorrido há oito anos, em que posou de vítima de preconceito por parte do diretor editorial do jornal Folha de S. Paulo. Isso apesar de as testemunhas estarem bem vivas para contestar.

Na segunda vez, discursava aos militares sobre a nova lei que reforça a estrutura do Ministério Defesa quando do coração lhe brotaram as palavras de lamento - sempre "em tom de brincadeira" - por não ter enviado uma "emendinha" propondo ao Congresso "mais alguns anos de mandato".

Note-se que não se referiu a disputa, mas a extensão.

O presidente Lula não se segura. De vez em quando externa o que lhe vai às profundas da alma, coisas que jamais esquece: a derrota da CPMF e a impossibilidade de ter aprovada a chance de alcançar um terceiro mandato sem traumas institucionais.

O problema com o imposto do cheque não é o dinheiro. Isso não faz falta ao governo. Lula não se conforma é com a derrota política que o fez perceber a impossibilidade de aprovar a emenda do terceiro mandato no Senado.

Assuntos sobre os quais nunca cogitamos não vêm à tona assim sem mais nem menos. Muito menos um tema como esse.

Ultimamente o presidente vem fazendo referências cruzadas a respeito. Lamenta o fim do segundo mandato, diz o quanto ficará saudoso do poder, insinua influência permanente no governo da "presidenta" que já considera eleita e ordena à tropa que empenhe todo esforço na eleição de uma bancada gigante de senadores.

De preferência derrotando todos aqueles que lhe fizeram oposição mais aguerrida. Não quer só maioria, quer vingança.

E para quê, se chega ao fim o seu tempo?

Aí é que está. Se realmente conseguir eleger Dilma a Lula parecerá que pode conseguir qualquer coisa. Maioria no Senado, voltar à Presidência em 2014, exercê-la de fato até lá com o beneplácito da "presidenta" de direito.

Por que tanta vontade de ter maioria no Senado, qual o projeto que indica essa necessidade?

No caso de Dilma não se aplica o preceito de que a criatura dá adeus ao criador tão logo assuma o poder. Ocorre quando o criador não tem o controle real das coisas, a começar pelo partido e pela figura que atua no imaginário popular.

Se ousar contra ele, a criatura sabe que a tempestade não lhe será leve.

Muito além. Não é (só) a liberdade dos humoristas que está sendo violada com as proibições impostas pela Lei Eleitoral. São as garantias de toda a sociedade, além da Constituição como fiadora da liberdade de expressão.

De onde é louvável a iniciativa da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão de entrar com ação direta de inconstitucionalidade contra o veto ao exercício da crítica política nos 90 dias que antecedem as eleições.

Lamentável é terem se passado 13 anos de (quase) total insensibilidade com a violência da lei, a despeito dos isolados reclamos.

Meta comum. Os caminhos são diferentes, mas o objetivo dos governos da Venezuela, da Argentina e do Brasil é o mesmo: tutelar a sociedade e assegurar trânsito livre de críticas aos respectivos projetos de poder, por intermédio do controle da informação.

O governo Lula ensaia, recua e insiste em manietar a imprensa por meio de instâncias colegiadas e sugestões corporativas. Os Kirchner alteram as leis para prejudicar os grandes grupos de comunicação.

Chávez é explícito. Hoje prende e arrebenta, mas nem sempre foi assim, embora caminhe nesse sentido desde o início. Os fascinados por "governos do povo" - os bem-intencionados, não os vendidos - é que não percebem o andar da carruagem do autoritarismo.

Só se dão conta e protestam quando suas vozes já não podem mais ser ouvidas.

PNDH3, UMA VISÃO CRISTÃ.

ISSO É GOLPE DE ESTADO!!!!

ELE ENGANOU AHMADINEJAD.

Como um programador da Califórnia está ajudando os ativistas a driblar a censura oficial à internet no Irã


Bruno Ferrari



LIBERDADE

Austin Heap posa com mouses. Ele criou um programa que mascara as informações trocadas na redeUm dos aspectos que celebrizaram a luta da oposição iraniana contra o governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad foi o uso inteligente da internet para se organizar e divulgar a opressão do regime. Para driblar os agentes de segurança do governo do Irã, os ativistas iranianos contam com a ajuda de voluntários, especialistas em segurança da internet. O mais notável é Austin Heap, um americano de 26 anos, programador de São Francisco, na Califórnia. Graças ao programa que ele desenvolveu, os iranianos conseguem burlar o sistema de vigilância governamental e acessam sites da oposição, publicam vídeos no YouTube ou usam o serviço de micromensagens no Twitter.

No auge dos protestos contra a reeleição de Ahmadinejad, em junho do ano passado, Heap era um programador que prestava serviços para empresas de tecnologia da Califórnia. Homossexual, fã de games, também cuidava da tecnologia em uma ONG de defesa de minorias étnicas, quando ouviu certo dia seu namorado falar no uso que a oposição iraniana fazia da internet. Logo após o anúncio dos resultados, o Twitter foi inundado de mensagens que acusavam o governo de fraude eleitoral. Os iranianos passaram também a organizar protestos nas ruas, violentamente reprimidos pelas forças oficiais. Os ativistas usavam serviços de mensagem pelo celular, pelos blogs e pelo Twitter para se organizar e divulgar imagens da repressão. A multiplicação dessas mensagens chamou a atenção de Heap – e ele viu aí uma oportunidade de usar seus conhecimentos técnicos para ajudar os iranianos.

Saiba mais

»O levante do IrãHeap publicou em seu blog um guia que ensinava os ativistas a usar um programa que desvia as informações pela rede por caminhos difíceis de rastrear. Mesmo assim, seu post foi descoberto por agentes iranianos, que conseguiram combater essa técnica. Enquanto buscava uma alternativa, Heap recebeu um chamado para um chat de alguém que se identificava como Quotemstr e dizia ser um dissidente ainda com acesso a informações do regime iraniano. Quotemstr passou a Heap documentos com os procedimentos de vigilância na internet usados pelo governo. Eram 96 páginas de códigos de programação escritas em persa. Heap decifrou os código interpretando os desenhos e desenvolveu um programa mais eficaz, chamado Haystack (palheiro, na tradução do inglês). A grande inovação do Haystack para driblar os sistemas de vigilância está na forma como ele transmite as informações pela internet. Em geral, os programas mais usados por ativistas usam códigos para transmiti-las de modo seguro, sem que elas possam ser decifradas pelos censores. Ainda assim, eles podem derrubar a conexão. Para evitar isso, o Haystack não apenas usa códigos seguros, mas também disfarça os dados de modo que, para um censor, eles parecem tráfego inócuo, como o acesso a sites de compras, lazer ou do próprio governo.

Depois dos 30 dias em que desenvolveu o Haystack, Heap distribuiu convites a ativistas-chave para testá-lo. “Queria privilegiar os ciberativistas, em detrimento a usuários que queriam o programa apenas para poder baixar música pirata”, disse Heap à revista americana Newsweek. Ironicamente, a lei americana proíbe qualquer exportação para o Irã, mesmo de um software usado para promover a liberdade. Ao perceber a importância do Haystack, o Departamento de Estado americano apressou sua liberação.

Heap é expoente de um movimento de hackers ativistas contra tiranias na internet

Com o apoio do governo americano, Heap fundou o Centro de Pesquisas da Censura, uma ONG que desenvolve programas para driblar a repressão em outros países. Ele apoia um movimento que ganhou mais corpo no último ano, conhecido como hackerativismo. Ele é formado por hackers que se unem em grandes fóruns virtuais para criar novas formas de burlar a censura na internet. Eles desenvolvem seus programas a partir de códigos básicos, aperfeiçoados por voluntários de todo o mundo.

Os hackers contam com o apoio de iranianos como Ali Yavari, de 24 anos, que se mudou há 11 meses para a Suécia, onde cursa um mestrado em redes de computadores. Yavari afirma apoiar toda iniciativa para burlar a censura do governo iraniano na internet. Mas diz que não é uma tarefa fácil. “No Irã, todos os provedores precisam comprar conexão de uma empresa iraniana ligada ao governo”, afirma. “Por isso é muito fácil bloquear o acesso a sites.” Yavari também lembra que não são só informações políticas que sofrem com as sanções do governo iraniano. Ele diz que seria impossível a uma empresa iraniana manter comunicações privadas – sem nenhum fim político – com filiais ou matrizes em outros países. “O governo bloqueia todas as redes privadas”, afirma. “O final dessa história vai ser: restrição, mais restrição e mais restrição.”

É difícil acreditar que os ativistas vençam um governo organizado como o iraniano. Em maio, o Irã anunciou a criação do Comando de Defesa Cibernética, o segundo maior exército de repressão na internet do mundo (atrás apenas dos censores chineses). A esperança dos hackers é que, mesmo diante de um governo bem equipado, a criatividade prevaleça. De sua ONG, na democrática Califórnia, Heap enviou um recado aos regimes repressores: “Uma criança travessa vai mostrar a vocês como deve funcionar a internet”.

O EXÉRCITO SECRETO DE DILMA.

O exército secreto de Dilma


Publicado em Assessoria de Imprensa, Carreira, Cidadania, Comunicação, Comunicação Social, Cultura, Educação e Cidadania, Google, Inclusão Social, Internet, Jornalismo, Pesquisas em Comunicação por comunicapress em 29/08/2010

Que papo é esse? Esta mulher nunca “cuidou” da própria casa. Quer “cuidar” de um país?

Que negócio é esse de “herança”, de “cuidar do povo”? Que negócio é este de “mulher” que “vai cuidar”? Dilma Rousseff (PT) não tem nenhum mérito para se arvorar em ser a mãe dos brasileiros e babá do povo.

Como mulher e como mãe, com todo o respeito, afinal de contas é ela quem está explorando esta condição que não tem a mínima importância, abrindo espaço para ser contestada quanto a este aspecto irrelevante, a candidata é um fracasso absoluto.

Sempre viveu longe da única filha.

Seus dois casamentos foram um fracasso, tanto é que terminaram. Nunca cuidou de uma casa, de um lar, de ” um cantinho um violão, este amor, uma canção”

Onde uma foto de véu e grinalda? Onde uma foto de batizado? Onde uma foto de namoro? Onde uma foto de festinha de criança? Onde um único gesto de “maternidade” ou de “matrimônio”?

Sua capacidade de relacionamento é tida e havida como um problema, pois a sua fama é de ser intratávell, intragável, estúpida, mal educada com os subordinados.

Onde o marido? Onde o amante? Onde o macho?

Esta Dilma que quer realçar seu “lado mulher”, que não é relevante para o exercício do cargo, é apenas um truque marqueteiro, simplesmente não existe.

Sua mudança de visual, na tentativa de feminilizar a sua figura tosca e bruta, é uma mistura de botox com chapinha, é resultado de manipulação exercida por uma equipe de transformação paga a peso de ouro, que trabalha em cima de um layout de avatar de presidente, superficial e forçado.

Como mulher, como “mãe que cuida”, com todo o respeito, Dilma é um embuste, um truque, uma pegadinha. Ela não tem as credenciais mínimas como mãe, como esposa, como companheira fora do partido e da guerrilha, como mulher.

Que se “venda” como gestora, administradora, executiva, burocrata, o que quer que seja. Como a “mão que cuida” está mais para a “mão que balança o berço”.

Muito mais do que a vida terrorista, a vida assaltante de bancos, a vida falsificada da Unicamp, está este buraco negro de personalidade, percebido sutil e profundamente pelas mulheres brasileiras que a rejeitam como candidata pois, no campo do universo feminino, não são admitidas mentiras e falsificações.

O HOMEM E O MOMENTO.

Quando estourou o Escândalo do Mensalão, Lula era "um homem ao mar".Encolia-se e fugia dos jornalistas, justificando que "não sabia de nada".Apesar de tudo se passar nas suas barbas, nas antesalas do Gabinete Presidencial, Lula repetia que não sabia de nada, como uma simples avestruz que mete a cabeça na toca para não tomar conhecimento do perigo que a rodeia. Mas afinal o que faz um Presidente que não toma conhecimento de fatos tão graves que até determinaram a cassação do Ministro José Dirceu. Mas aí faltou a Oposição.Docil, complacente, insegura, talvez aguardando melhores momentos,a Oposição deixou escapar a Oportunidade de Ouro de pedir o Impeachment, concientizar e esclarecer a Nação e nocautear de vez o Companheiro da Farc no Foro de São Paulo.Discursos tíbios no Congresso e atitudes evasivas e contraditórias, permitiram que o adversário ferido se levantasse.


Beneficiou-se também do esquecimento facil da nossa Opinião Pública e a oportunidade passou sem esperar mais nada.

Que falta nos fez o gênio de um tribuno como Carlos Lacerda, que do alto do poder cintilante de sua palavra, como uma força da Natureza, faria, se vivo fosse, sair fugido e escorraçado, com desprezo geral,

o"Genial Burguês" , hoje travestido em "Pai dos Pobres"e que bem podia ser chamado de "O Rei do Mensalão".
Emílio Nina Ribeiro.

LULÍGULA, O IMPERADOR DOS BANANAS.

ADMINISTRADORA DESASTRADA.

Não é só a lojinha que Dilma Roussef teve que fechar em Porto Alegre. O editor sucedeu Dilma na Secretaria Municipal da Fazenda, de onde ela saiu tres meses antes do final do mandato do então prefeito Alceu Collares, porque não aguentou o rojão. Deixou o caixa a zero, dívidas enormes, déficit terrível. Não tinha dinheiro nem para pagar o 13o salário de 1988. Ela me disse: "Essa gente (Collares e Neuza) é irresponsável e louca". E foi embora. Nem relatório me deixou. Ela me entregou a prefeitura quebrada. Salvei Collares do desastre, em apenas tres meses. Foi o que me levou mais tarde à Casa Civil do governo do RS. Eu conto tudo isto em detalhes no meu livro "A Casa Civil". Mais tarde, na Câmara de Vereadores, fugiu de novo: ela abandonou a Diretoria Geral, nomeada pelo então vereador Valdir Fraga, antes de terminar seu prazo de contratação, porque não deu no coro. Anos depois, na secretaria de Minas e Energia, meteu o pé pelas mãos ao incentivar a criação da Térmica Gaúcha, em Montenegro. Os sócios - CEEE, do governo estadual; Ipiranga; Petrobrás - quebraram a usina antes mesmo de começar e tomaram um prejuízo de R$ 100 milhões. Isto tudo a candidata do PT não conta na biografia edulcorada que vai para a TV, que omite também os anos de chumbo da violenta VAR Palmares, organização terrorista da qual fez parte, cuja ação mais conhecida foi o assalto aos cofres de Ademar de Barros, o avô dos atuais donos da Band TV.






Blog de Reinaldo Azevedo - 29 de agosto de 2010

Dilma, a “gerente do PAC”, não conseguiu gerenciar um lojinha de bugigangas; teve de fechá-la…

Por Fernanda Odilla, na Folha:



Nem só de política e cargos públicos viveu a presidenciável Dilma Rousseff (PT). Entre uma função e outra no Rio Grande do Sul, ela investiu no mundo empresarial com uma loja de bugigangas importadas do Panamá. O negócio, que durou um ano e cinco meses, fechou em julho de 1996 e é omitido de sua biografia oficial.

Com o nome fantasia de Pão & Circo, inspirado na estratégia romana para calar as vozes insatisfeitas, a empresa foi registrada para comercializar confecções, eletrônicos, tapeçaria, livros, bebidas, tabaco, bijuterias, flores naturais e artificiais, vendidos a preços módicos.

O forte, porém, eram os brinquedos, particularmente os dos “Cavaleiros do Zodíaco”, animação japonesa sobre jovens guerreiros que fez sucesso nos anos 1990. Na biografia oficial de Dilma na web, que exalta a fama de boa gerente da candidata, não há menção ao período em que ela foi sócia-gerente da Pão & Circo. Nem mesmo quando defendeu a criação de um ministério para pequenas e médias empresas, em maio, mencionou o fato.

AJUSTES NECESSÁRIOS.

Por motivos óbvios, relacionados a marketing, não se espera debate acadêmico nem abordagem intelectual profunda de temas na campanha eleitoral. Mas, também, a preocupação com a sintonia popular, por parte dos candidatos, não deveria chegar ao ponto de fazê-los se esquivarem na abordagem de determinadas questões que são do estrito interesse da população.


O ajuste das finanças públicas será fundamental para dar tranquilidade de gestão ao próximo presidente da República e para garantir crescimento de longo prazo. No entanto, os candidatos ao Executivo federal fogem do tema. Chegam a fugir da abordagem. Tal comportamento equivale a declarar que a exposição do entendimento realista pode custar a perda de votos.

Mas não há como brigar com os fatos. A verdade é que as contas da União não estão tão bem quanto precisariam estar, apesar de continuarem inteiramente sob controle. Não há motivo para qualquer alarme, mas há necessidade de melhoria de desempenho fiscal - o que deve ser feito o quanto antes para evitar esforço maior no futuro.

Importantes variáveis rabiscam o formato de um ajuste nas finanças públicas. As contas do governo (que englobam a União, a Previdência Social e o Banco Central) tiveram em 2010 o pior mês de julho em dez anos. Por falar em Previdência, este deverá ser um dos vieses do provável ajuste. Nenhum candidato se arrisca em falar em reforma, mas também não está sendo dito o tratamento a ser dado ao déficit do setor. A previsão é de que as contas do INSS sejam fechadas neste ano com buraco superior a R$ 50 bilhões, sobrecarregando o Tesouro.

Um termômetro que permite avaliar como andam as contas do governo é o superávit primário (economia feita para pagar juros da dívida pública). E o resultado foi fraquinho em julho. Apenas R$ 2,45 bilhões. De acordo com o Banco Central, é o valor mais baixo para julho desde o início da série histórica da instituição, em 2002.

E esse superávit só não foi menor graças às empresas estatais. Elas contribuíram com R$ 1,09 bilhão para o resultado total de R$ 2,45 bilhões. Para 2010, a meta de superávit primário é de 3,3% do PIB, no entanto, o ritmo atual não vai além de 2,1%. A incerteza sobre o desempenho por certo produz reflexos negativos na confiança dos investidores. Estes, aliás, já estão ressabiados com o déficit sistemático da conta-corrente do Brasil com o exterior.

Também a dificuldade em relação a superávit primário seria maior não fossem sete meses consecutivos de recordes na receita tributária da União, decorrentes da expansão da economia. Essa situação indica que o montante de dinheiro recolhido a título de impostos tem conseguido cobrir apenas as despesas (na maior parte, de má qualidade) do setor público.

Registre-se também que o país nunca gastou tanto para pagar juros da dívida. De janeiro a julho, foram R$ 108,09 bilhões - impactados por dois fatores: os índices de inflação e as fortes doses de aumento aplicadas à taxa Selic. Enquanto o dinheiro público se escoa por essa via, acumulam-se necessidades de verbas crescentes para a área social e de investimentos maciços em infraestrutura, seja para melhorar a competitividade da economia, seja para atender a demandas decorrentes da Copa de 2014 e das Olimpíadas em 2016.

Para assegurar crescimento saudável e continuado nos próximos anos, o Brasil precisa, entre outras ações, diminuir a carga tributária, reduzir a dívida interna que somou R$ 1,4 trilhão (ou 41,7% do PIB, em julho deste ano) e combater os altos custos da ineficiência do Estado.
A Gazeta.

CORONEL "QUAQUA", ASSUME OS CORREIOS SOB SUSPEITA.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva demitiu no dia 28 de julho a cúpula dos Correios por temer que o fisiologismo partidário ampliasse a crise administrativa na estatal e respingasse na campanha eleitoral, mas a iniciativa pode ter sido infrutífera. O novo diretor de Operações dos Correios, Eduardo Artur Rodrigues da Silva, assume o cargo sob uma nuvem de suspeita.


Conhecido no setor da carga aérea como "coronel Artur" ou "coronel Quaquá", ele chegou à estatal com o apoio do compadre de Lula, o advogado Roberto Teixeira. Presidia uma empresa de transporte de mala postal, a Master Top Linhas Aéreas (MTA). Vinte dias antes de ser escolhido para a função, a MTA arrematou o contrato de uma das principais linhas da estatal, a Linha 12, que opera no trecho Manaus-Brasília-São Paulo. A empresa, com sede em Campinas, venceu o pregão eletrônico com o lance de R$ 44,9 milhões.

É uma linha estratégica nos negócios dos Correios - representa 13% do valor total da malha e 14% da capacidade de carga contratada. Ao assumir a diretoria nos Correios, no dia 2 de agosto, o coronel entregou o comando da MTA nas mãos de uma filha, Tatiana Silva Blanco. Com essa triangulação, a MTA tem agora a família Rodrigues da Silva como contratada e, ao mesmo tempo, contratante. Em site na internet, a MTA destaca que tenta ser uma "extensão" das empresas com as quais mantém parceria.

O coronel Artur e o Planalto não responderam aos pedidos de informações. O escritório Teixeira, Martins & Advogados, em que atua Roberto Teixeira, enviou e-mail ao Estado negando indicação "de quem quer que seja para algum cargo público". O chefe do Departamento de Relacionamento Institucional dos Correios, Mário Renato Borges da Silva, disse desconhecer qualquer ligação do diretor de Operações com a Master Top, bem como a origem da indicação. "O corpo técnico da empresa não se envolve com isso, porque é indicação presidencial. Se houver alguma ligação (com a empresa aérea), foge da nossa capacidade", afirmou. Silva observou, porém, que a estatal espera "que tudo seja verificado".

MODUS OPERANDI.

DIRCEU E PALOCCI JÁ BRIGAM PELA CASA CIVIL.

A 35 dias da eleição, os ex-ministros José Dirceu e Antonio Palocci disputam os rumos de eventual novo governo comandado pelo partido, de acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo. Depois de emitir sinais contrários à possível indicação de Palocci para a Casa Civil, Dirceu luta agora para impedir que ele volte a ditar os caminhos da economia, a partir de 2011.


Os dois "generais" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva reeditam a queda de braço que travaram no primeiro mandato do PT para definir a fisionomia do governo. Abatido pelo escândalo do mensalão, no ano de 2005, e cassado pela Câmara, Dirceu vislumbra perda de influência se Palocci - ex-ministro da Fazenda - assumir a Casa Civil sob Dilma.

A preocupação não é à toa: cabe ao ministro da Casa Civil coordenar a equipe, o que lhe dá muito poder e pode torná-lo candidato natural ao Planalto. Foi o que ocorreu com a própria Dilma, puxada para o cargo após a queda de Dirceu. Nove meses depois, em março de 2006, Palocci também caiu, no rastro da quebra de sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa.

Embora se movimente nos bastidores para evitar que o antigo colega vire uma espécie de "primeiro-ministro" de Dilma, Dirceu sabe que pode perder a aposta. Motivo: Palocci é um dos principais coordenadores da campanha e, além de tudo, tem Lula como padrinho. O plano do presidente é reabilitar o ex-titular da Fazenda na cena política.

Se Palocci for para a Casa Civil, o grupo de Dirceu - que quer empurrar o deputado para o Ministério da Saúde - espera uma "compensação". Sob o argumento de que "o governo Dilma não pode ter a cara do ajuste fiscal de Palocci", aliados do ex-chefe da Casa Civil defendem, agora, a permanência de Guido Mantega (PT) na Fazenda em dobradinha com "alguém de esquerda" no Planejamento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

HITLER TUPINIQUIM.

sábado, 28 de agosto de 2010

FILHOS DE LULA.

Percival Puggina


Integro o grupo cada vez mais reduzido dos que consideram a política - mesmo a que temos - como algo importante à vida dos povos. Isso me leva a tomar a sério os processos eleitorais. Não, não estou sendo sutil nem ironizando. Levo a sério, mesmo. Aliás, anote aí, leitor: eleição é só o que nos resta de democracia no Brasil. Quem quis diretas-já para ter democracia, agora tem diretas e deve clamar por democracia-já. O regime democrático é incompatível com a desmesurada concentração de poderes, prerrogativas, recursos financeiros, forças, meios e instrumentos de barganha que, em nosso país, convergem para a presidência da República.

Texto completo

Eis por que, desde antes da Constituinte, insisto em que constituamos uma federação de fato e em que separemos Estado, governo e administração. Como mínimo.

Quando a hegemonia institucionalizada somou-se ao carisma pessoal de Lula, emergiu uma força ainda maior. Agregaram-se para compô-la a sensação de dependência que se estabeleceu sobre boa parte da sociedade e a ascendência que Lula conseguiu arrogar-se. Está aí o baião de dois, a goiabada e o queijo desta eleição. O que estou afirmando ficou muito evidente, outro dia, no horário eleitoral, enquanto Lula formalizava a entrega de seus filhos aos zelos da mãe que escolheu para o suceder.

"Menos, Lula, menos!" pensei com meus botões, enquanto tentava discernir o que era pior e mais grotesco, se a falta da noção de limite, a confiança do presidente no poder que exerce sobre ampla maioria do público brasileiro ou a inutilidade de mostrar o quanto estávamos sendo desacatados naquele momento. Foi quando decidi escrever este artigo no velho estilo do "a quem interessar possa". Por poucos que sejam. De fato, a inclinação de uma expressiva parcela da nossa sociedade por políticos paternalistas é o que pode haver de clássico. Assim foi construída e preservada a miséria de boa parte do Nordeste brasileiro. Foi assim que o prestígio da Casa Grande se manteve depois de a senzala se haver mudado para a periferia. Até aí nada de mais. Os maus políticos sempre gostaram de voto comprado e os maus eleitores sempre apreciaram voto vendido. A novidade que agora vemos, após oito anos de governo Lula, está na quantidade de filhinhos que não brincam de puxar caminhãozinho, mas andam de jatinho. Seguindo o exemplo de tantos partidos políticos, passaram também eles suas convicções no picador de papel. Nelson Rodrigues dizia repetir-se em suas crônicas porque é desse modo que se fixam ideias. Então aí vou eu: graças à grana que o BNDES libera para o empresariado, subsidiada pelos impostos do povão, agora caímos na real. Bolsa Família para os pobres e bolsa Louis Vuitton para os ricos.

É assim que a dignidade política cede lugar à servidão. Viramos filhos, não de Deus nem da pátria. Viramos filhinhos de papai, dependentes de seu prestígio e dos seus favores. Tornamo-nos filhos de um pai que não dá bons exemplos e que não educa, seja por suas palavras, seja por suas ações. Viramos filhos de um pai que anda em más companhias e que depreciou de vez a política nacional, convertendo-a, em definitivo, num grande balcão. Acabaram-se as convicções. Só restam os interesses

LULA MENTIU SOBRE A DÍVIDA EXTERNA.

MAIS UMA VEZ, HELIO FERNANDES COOMPROVA O GRANDE E DESTEMIDO JORNALISTA QUE É.


POSTO ESTA SUA MATÉRIA, POIS CONTRA SE "CONTRA FATOSNÃO HÁ ARGUMENTOS", OS "NÚMEROS NÃO MENTEM"

COM TUDO ALINHADO ABAIXO, E O MAIS QUE SABEMOS DESSE SENHOR QUE INFELIZMENTE OP POVO, POBRE MASSA MANIPULADA POR SUA IGNORÂNCIA E ALGUNS, PSEUDO-INTELECTUAIS NELE VOTARAM. POBRES! POBRES COITADOS: NEM IMAGINAM QUE PERDERÃO.

SEU LIDER, O MAIOR MENTIROSO QUE ESTE NOSSO PAÍS JÁ VIU, CAIRÃO DE TÃO ALTO QUANTO SUA CANDIDATA.

"A VERDADE SOBREPOR-SE-Á SEMPRE Á MENTIRA. POR MAIS QUE TENTEM DISTORCÊ-LA."

Mirna Cavalcanti de Albuquerque

Escreve Fernandes:

Lula MENTIU sobre a DÍVIDA externa, não pagou nada. E a dívida interna cresce de forma ASSUSTADORA. Não se trata de "CALOTE", pois não devemos coisa alguma, tudo FARSA.

Há tantos e tantos anos escrevemos sobre as "DÍVIDAS" do Brasil, a EXTERNA e a INTERNA, ficamos estarrecidos com os governos, T-O-D-O-S, mistificando o cidadão-contribuinte-eleitor. Já disse várias vezes que essas dívidas são IMPAGÁVEIS.

E não há dúvida que continuam e continuarão assim.

Cheguei a chamar atenção para o duplo e lamentável sentido diverso da palavra IMPAGÁVEL. Tem essa denominação porque jamais poderemos pagar. E também, porque me português, IMPAGÁVEL significa o que é muito engraçado. (Pode ser para "os credores", e não para nós, "devedores").

Vou alinhar dados, dados, dados. E números, números, números. Fatos, fatos, fatos, alguns rigorosamente desconhecidos, inéditos, vergonhosos, mentirosos. Para que fique mais fácil a leitura e o esclarecimento, vou separar o que é INÉDITO, e numerar seguidamente. Incrível e impressionante, o que tem sido ESCONDIDO pelo governo Lula, que deixou tudo criminosamente como foi colocado por FHC. e na certa continuará impiedosamente com Dona Dilma.

1 - Lula RETUMBOU: "Pagamos a DÍVIDA EXTERNA". Mistificação, que os jornalistas que adoram e falam em JORNALISMO INVESTIGATIVO, aceitaram, não fizeram a menor verificação.Coisa facílima de constatar.

2 - O Brasil "DEVE" 240 BILHÕES DE DÓLARES, não diminuiu um dólar que fosse, apesar das afirmações do presidente.

3 - O Brasil tem no exterior (Suíça), 180 BILHÕES DE DÓLARES, depositados num banco, RENDENDO (?) 1 por cento ao ano. Por que não paga esses 180 BILHÕES, fica devendo apenas "60 BILHÕES"? Mistério infindável e inexplicável.

4 - Onde é que o Brasil ARRANJOU esses 180 BILHÕES de dólares que tem depositado na Suíça? Elementar. O Banco Central começou a comprar dólares quando estava a 3,20.

5 - Gastou uma fortuna. Apesar de comprar incessantemente, o dólar foi caindo, baixando sempre, hoje está em 1,75. Quer dizer, se o Banco Central (Brasil) quiser vender esses 180 bilhões de dólares que tem na Suíça, receberá só a metade do que utilizou na compra.

6 - Além do mais, o Banco Central deveria VENDER em vez de COMPRAR dólares, pois quanto mais baixo estiver o dólar, melhor para o país. Espantosamente, o Banco Central COMPRAVA e o dólar continuava caindo.

7 - Reconheço que esse pessoal do Banco Central não é burro. Com essa confirmação, resta a alternativa da D-E-S-O-N-E-S-T-I-D-A-D-E. (Principalmente, em se tratando de Meirelles, indiciado por vários CRIMES FINANCEIROS).

8 - Explicação para o que alguns chamam de CALOTE, uma tolice. Não existe CALOTE, pela razão muito simples de que NÃO DEVEMOS NADA no plano externo. Temos que fazer AUDITORIA, como muitos já pediram, incluindo este repórter.

9 - Em relação à DÍVIDA INTERNA, temos que inverter o processo. A DÍVIDA está em 1 TRILHÃO E 800 BILHÕES. (Na verdade, é de 2 TRILHÕES E 200 BILHÕES, embora o governo fale em menos 400 bilhões, aceitemos, para não alongar a discussão.

10 - 1 TRILHÃO E 800 BILHÕES, a juros de 10,75%, significa que temos que entregar a banqueiros, seguradoras, ANUALMENTE, 188 BILHÕES. E até o fim do ano, como o juro vai subir novamente, a DÍVIDA INTERNA crescerá.

11 - O próprio Banco Central já confirmou: conseguimos "economizar" 90 bilhões por ano, assim, pagamos, perdão, AMORTIZAMOS metade do que precisava, a outra metade é jogada no total da DÍVIDA.

12 - Agora, o estapafúrdio, criminoso, desastroso: como o Brasil é o DEVEDOR, o natural é que ele, em vez de diminuir os juros que vai pagar, AUMENTA cada vez mais. Isso não acontece no mundo inteiro.

13 - Seria a mesma coisa se alguns de nós devesse ao Itaú, Bradesco, Santander e outros, a juros de 10,75%, e eles generosa e compreensivelmente comunicassem: "A partir de agora vamos reduzir os juros para 5 por cento".

14 - Pagar (ou amortizar) 188 BILHÕES de reais por ano, é CRIME DE LESA PÁTRIA, roubo das nossas reservas, DESFALQUE no que deveria ser INVESTIMENTO nas grandes necessidades do país.

15 - Puxa, investir 188 BILHÕES, é tudo que precisamos para o crescimento, deixando de pagar a DÍVIDA INTERNA, sem falar na DÍVIDA EXTERNA.

16 - Para não dizerem que critico sem apresentar SOLUÇÕES, comecemos a conversar.

17 - Temos que NEGOCIAR e AUDITAR as duas DÍVIDAS, a EXTERNA e a INTERNA. Enquanto negociamos, suspendemos todos os pagamentos dessas "DÍVIDAS" inexistentes.

18 - Não importa ou interessa quanto tempo leva a NEGOCIAÇÃO, não teremos prejuízo, o prejuízo está não só no volume que pagamos, mas também no constrangimento de pagar miseravelmente o que não devemos.

19 - O que no início destas notas chamei de INVERTER o PROCESSO de ENDIVIDAMENTO, seria o seguinte. Em vez de TOMAR EMPRESTADO, o BRASIL EMPRESTARIA.

20 - O Tesouro Nacional, jogaria no mercado, digamos, 100 BILHÕES de reais, a juros de 4 ou 5 por cento ao ano, ou até um pouco menos.

21 - O Tesouro EMPRESTARIA a industriais DINHEIRO VIVO, o mercado precisa cada vez mais. Esses EMPRÉSTIMOS não serviriam apenas a industriais, mas a quem quisesse INVESTIR.

22 - Em vez de pagar 188 BILHÕES por ano, (e vem por aí um novo aumento nos juros), o Tesouro RECEBERIA 5 BILHÕES anuais, isso no caso de jogar no mercado apenas 100 BILHÕES. Mas poderia lançar mais, muito mais.

23- Se o Tesouro lançasse, digamos, 500 BILHÕES, receberia de juros anuais, 25 BILHÕES, INCREMENTARIA de forma fabulosa o crescimento.

24 - A PROSPERIDADE seria total, investiríamos em saúde, portos, estradas, educação, saneamento, transportes, segurança, metrô, estradas, ferrovias, portos, o CRESCIMENTO, notável e incessante.

25 - O crescimento dos juros tem sempre a mistificação: "Temos que aumentá-los, POR CAUSA DO RISCO DA INFLAÇÃO". Ora, quando os EUA sentiram esse RISCO DA INFLAÇÃO, FORAM REDUZINDO OS JUROS, que CHEGARAM a 0,25 por ano. A União Européia (UE), idem, idem, o Japão chegou a ZERO POR CENTO.

PS - Temos que acabar com esses PAGAMENTOS desesperadores de 188 BILHÕES POR ANO.

PS2 - Sem contar, que se não FIZERMOS NADA, os juros aumentarão antes do fim do ano, como o ínclito, ilustre e inócuo Meirelles já anunciou.

PS3 - Em vez de PAGAR 188 BILHÕES (por enquanto), RECEBERIA (no mínimo) 25 BILHÕES. Que maravilha viver.

SERÁ ISSO QUE QUEREMOS?

PRECONCEITO DE LULA.

O COMUNISMO BATE À PORTA.

Hoje fui surpreendido pelo recado de uma amiga, dizia-se preocupada com um post meu no twitter , seu recado foi: “Não gostei do seu último post, pareceu-me desanimado, não o faça por favor, sou muito fraquinha e preciso de você”. Confesso que no primeiro momento não dei muita importância, respondi-lhe que não e que a preocupação dela era infundada. Continuei na minha pequena porém persistente luta pelas causas e conceitos que acredito, com as únicas armas que conheço, as palavras, as idéias , a comunicação e transmissão do que penso, seja no blog, no twitter, por carta, emails, enfim usando este espaço maravilhoso que a tecnologia e especificamente a internet nos proporciona.


Entretanto, aquele recado não me saiu da cabeça e me fez parar para pensar, talvez inconscientemente tenha transmitido o que pra mim é uma preocupação. Realmente ando preocupado com o rumo dos acontecimentos não apenas no Brasil, mas com todo o nosso Continente. Passamos décadas convivendo com golpes e mais golpes de Estado, numa fragilidade democrática que nos fazia reféns do medo, da desesperança, do cerceamento das liberdades, do direito ao pensamento e até o de ir e vir. Milhares exilados, longe da Pátria, das famílias e dos amigos. Vidas ceifadas em pleno vigor juvenil, famílias desesperadas com desaparecimentos de seus entes queridos, num sofrimento que parecia interminável. Passaram-se os anos, os ventos da democracia começaram a soprar sobre todos os países, readquirimos especialmente no Brasil , a despeito dos problemas, das desigualdades, dos preconceitos seculares, uma liberdade tal que proporcionou chegar ao comando do País, um metalúrgico, um homem simples e da camada mais humilde da população. Consagração máxima para qualquer regime democrático.

Passados oito anos, o que se vê no Brasil e em quase toda América do Sul é realmente preocupante e talvez aí, minha amiga tenha razão, desanimador. Os regimes, quase todos ditos da esquerda democrática, como gostam de ser chamados, teimam em trilhar por caminhos antes tão combatidos. Na Venezuela um caudilho populista, fecha rádios e TVs contrários aos seus interesses, cria milícias paramilitares para fiscalizar e oprimir seus opositores, estatiza empresas, bancos e tudo o mais que lhe interessa e aos seus propósitos. Na Bolivia e no Equador, Morales e Correa trilham o mesmo caminho bolivariano, na Argentina,o casal Kirshner impõem ao País uma lei de controle da mídia sem precedentes, limitando e perseguindo a oposição, levando a um confronto perigoso com o jornal o Clarin, pertencente ao maior grupo editorial do País. Nada parece indicar que com o Uruguai e Paraguai será diferente, já que são dirigidos por Presidentes, também ditos da esquerda democrática.

No Brasil, o que faz aquele que, mais do que ninguém deveria ser o defensor mais intransigente dos mesmos valores que o levaram ao Poder? Usa todo o poder da máquina estatal , usa da popularidade conseguida com seu carisma pessoal mas acrescida de programas assistencialistas, usa de mentiras sobre os rumos da economia , usa a força da propaganda oficial com seus fartos recursos para corromper e calar a mídia, usa e abusa do direito de ofender e tentar esmagar a todos que o contestam. Ontem mesmo em Recife, foi de uma infelicidade inconcebível a um Presidente, ao dirigir-se a um ex Vice-Presidente e Senador da oposição, chamando-o de senador do Império, numa alusão preconceituosa à sua idade, como se aos 70 anos alguém fosse imprestável para a vida pública. Se o Senador e candidato Marco Maciel fosse do grupelho do Presidente seria poupado, senão o que fazer com José de Alencar, Sarney e outros?

O desrespeito às Leis e o menosprezo ao Poder Judiciário tornou-se uma constante nessa campanha, comícios marcados para cidades onde o Presidente vai estar a pretexto de trabalho, usando transporte oficial é uma clara indicação da omissão da Justiça que sequer se pronuncia sobre o assunto. A invasão de dados sigilosos com quebra de sigilo de centenas de pessoas entre políticos, empresários e jornalistas em órgão oficial, a formação de dossiês contra pessoas ligadas a candidatos oposicionistas é de uma gravidade preocupante e transgressão do Estado de Direito.

No Brasil , ainda temos o direito a liberdade de expressão e apesar de algumas tentativas de censura, a imprensa permanece pelo menos no papel com o direito de noticiar e denunciar o que lhe é de direito em qualquer regime democrático. A pergunta que se faz é, até quando? Pelo visto todos que se aventuram a contestar o PT e ao governo que aí está , serão condenados como inimigo do povo e devidamente massacrados. Marcos regulatórios e o PNDH3 serão os instrumentos da socialização brasileira, tudo nos mais fiéis ensinamentos de Gramsci até a implantação do regime. Uma vez implantado, como em todos os países onde o socialismo e o comunismo foram implantados o Estado será implacável e opressor.

Talvez minha amiga tenha razão, todo brasileiro que preza pela liberdade, que acredita nos pilares da República, que sonhou com uma pátria livre, onde cada cidadão tenha o direito de opção política e religiosa, onde a oportunidade seja para todos, sem que a carteirinha de partido político seja o passaporte para ingresso no mercado de trabalho, principalmente na carreira pública, esteja mesmo desanimado com o que está se passando no Brasil.

O desânimo é passageiro, não temos esse Direito, o que está em jogo é muito mais importante, é o futuro, é o país que deixaremos para as novas gerações, então que cada um faça a sua parte, fale, escreva, denuncie, manifeste-se enquanto há tempo de impedirmos que os objetivos do Foro de São Paulo, onde todos os mandatários citados aqui foram signatários, alcancem seus objetivos no Brasil e em toda a América do sul . O comunismo bate à porta, não deixá-lo entrar é o dever de todos os brasileiros, a luta é aqui e agora.

ENTENDA AS PESQUISAS.

Eu estava muito frustrado, pois com 53 anos nunca fui pesquisado por Institutos de Pesquisa, desses que dão resultados sobre eleições.


Acredito que nenhum de vcs. tbem nunca foi pesquisado...

Então entrei no site do TSE, p/ saber os métodos das pesquisas, e encontrei todas pesquisas registradas.

Dai abri onde essas pesquisas foram feitas e descobri....

Nesta que baixei, foram entrevistados 2.500 pessoas, sendo:

REGIÃO NORTE/NORDESTE: 840 PESSOAS (QUANTOS ELEITORES TEM LÁ?)

ESTADO DE SÃO PAULO INTEIRO: 574 PESSOAS (QUANTOS ELEITORES TEM AQUI?)

MINAS: 256 PESSOAS (2o. MAIOR COLÉGIO ELEITORAL DO BRASIL)

REGIÃO SUL: 378 PESSOAS (TEM MENOS ELEITORES QUE EM MINAS)

RIO: 278 PESSOAS (???? POR QUE ????)

REGIÃO CENTRAL: 182 PESSOAS

OU SEJA: QUASE 34% DOS ENTREVISTADOS SÃO DO NORTE E NORDESTE....

BEM PROPORCIONAL NÉ?????

Agora vejam detalhes:

As cidades de GARRAFÃO DO NORTE, RIACHÃO DO JACUÍPE, BARBALHA, ITAPISSUMA, (CONHECEM???) Todas do Norte e Nordeste, foram entrevistadas 14 pessoas em cada uma...Ah... tambem em GARANHUNS, 14 pessoas....

Comparem:

SANTOS, CAMPINAS, RIBEIRÃO PRETO, FLORIANOPOLIS, tambem 14 pessoas cada uma....kakakaahhhhh, SÓ NESSAS CIDADES TEM MAIS ELEITORES QUE EM TODO O NORDESTE....

E mais:

NITEROI, BARUERI, OSASCO, MOGI CRUZES, S.B.CAMPO....7 (SETE) PESSOAS CADA UMA.....

Alem que: BAURU e MARILIA por exemplo, não foram "escolhidas" p/ essa pesquisa.

AGORA ENTENDI PORQUE A "MÃE DO PAC" ESTÁ À FRENTE DAS PESQUISAS....

VEJAM O DETALHAMENTO DAS CIDADES:



Roteiro para registro TRE Nacional 2506 entrev - Job 0984-3/10

UFMunicípiosEntrevistas

ACMARECHAL THAUMATURGO14

AMMANAUS28

AMITACOATIARA14

PABELÉM21

PAMARITUBA7

PAABAETETUBA14

PAGARRAFÃO DO NORTE14

PAALENQUER14

PAELDORADO DOS CARAJÁS14

ROALVORADA D'OESTE14

RRBOA VISTA14

TOARAGUAÍNA14

ALMACEIÓ14

ALATALAIA14

ALARAPIRACA14

BASALVADOR35

BALAURO DE FREITAS7

BAAMÉLIA RODRIGUES14

BARIACHÃO DO JACUÍPE14

BACORONEL JOÃO SÁ14

BAIBIPEBA14

BAPINTADAS14

BAPAULO AFONSO14

BABRUMADO14

BAJAGUAQUARA14

BAIBIRATAIA14

CEFORTALEZA28

CECAUCAIA7

CEMARANGUAPE7

CEREDENÇÃO14

CEMARCO14

CEINDEPENDÊNCIA14

CEBARBALHA14

MASÃO LUÍS14

MAITAPECURU MIRIM14

MASÃO VICENTE FERRER14

MAVITORINO FREIRE14

MATIMON14

PBJOÃO PESSOA14

PBMARCAÇÃO14

PBBELÉM14

PBLAGOA SECA14

PERECIFE28

PEJABOATÃO DOS GUARARAPES7

PESÃO LOURENÇO DA MATA7

PEITAPISSUMA7

PEOLINDA7

PESÃO CAITANO14

PEGARANHUNS14

PESIRINHAÉM14

PEPAUDALHO14

PITERESINA14

PISÃO JOÃO DO ARRAIAL14

PIALVORADA DO GURGUÉIA14

RNNATAL14

RNSÃO GONÇALO DO AMARANTE14

RNNOVA CRUZ14

SEARACAJU14

SESALGADO14840(NORTE/NORDESTE)

ESCARIACICA14

ESRIO BANANAL14

ESÁGUIA BRANCA14

MGBELO HORIZONTE35

MGBETIM7

MGCONTAGEM7

MGIGARAPÉ7

MGRIBEIRÃO DAS NEVES7

MGSABARÁ7

MGCACHOEIRA DA PRATA14

MGTIMÓTEO14

MGITAIPÉ14

MGJOÃO PINHEIRO14

MGLASSANCE14

MGUBERLÂNDIA14

MGITURAMA14

MGBAMBUÍ14

MGCRISTAIS14

MGPASSOS14

MGTRÊS CORAÇÕES14

MGESTIVA14

MGMURIAÉ14

MGMATIAS BARBOSA14266(MINAS)

RJRIO DE JANEIRO91

RJBELFORD ROXO7

RJDUQUE DE CAXIAS7

RJNITERÓI7

RJNOVA IGUAÇU14

RJQUEIMADOS7

RJSÃO GONÇALO14

RJSÃO JOÃO DE MERITI





...

PARA OS VERDADEIROS BRASILEIROS.

Olá a todos os "verdadeiros" brasileiros como eu!

Este manifesto surgiu de um vontade interna de falar sobre coisas que normalmente ninguém fala: POLÍTICA. Costuma-se dizer que existem 3 coisas que não se discute: FUTEBOL, RELIGIÃO e POLÍTICA. Discordo da última. Se não fosse necessário se discutir a política não precisaríamos de eleições, debates... dois fatos essa semana me fizeram um embrulho no estômago e resolvi me manifestar...

Esta semana houve um manifesto popular contra a proibição de se fazer humor nas TVs com os candidatos em geral. CENSURA??? Pensei que vivessemos em uma democracia (normalmente são os políticos que nos fazem de palhaços e não podemos fazer graça com eles?). Na mesma semana, saiu uma notícia que o nosso Presidente da República criou 488 cargos no Ministério da Defesa. Normalmente esses expedientes eram usados pelos nossos antigos monarcas, depois pelos republicanos, depois pelos ditadores, depois pelos militares... espera aí!!! Mas a noticia é verdadeira e é FATO... então quer dizer que o "quase santificado" Sr. Lula também faz essas coisas???

Na minha opinião, o PT é uma fraude política. Eles conseguiram, sem muito esforço, suplantar o PMDB que é o que existe de pior na política brasileira! Enquanto oposição, batiam com vontade em todos sem a menor piedade pois tudo e todos estavam errados e eles eram os donos da verdade absoluta. Eis que o povo resolveu dar uma oportunidade ao PT de mostrar que governaria o país de um modo diferente, afinal de contas, era o "peixe" que eles vendiam.

O PT se vangloria de ter feito o melhor governo que o Brasil já teve. Será mesmo? Para que este manifesto faça sentido, vou tentar explicar as diferenças entre os governos e assim tirarmos as nossas conclusões.

Nos 2 mandatos do governo FHC, foram feitas mudanças, reformas que eu costumo chamar de "SERVIÇO SUJO MAS ESTRITAMENTE NECESSÁRIO". Muita coisa aconteceu e teve que acontecer pura e simplesmente porque havia a verdadeira intençao de acabar com a inflação que existia até então (você lembra que até 1994 a inflação era um fato e que em alguns anos ultrapassava 1.000% ao ano? Provavelmente você não lembra... ). Um "brasileiro" de verdade não lembra de nada e nunca, eu disse NUNCA, pensa!!! Esse é o nosso problema, convenientemente esquecemos de tudo... pensar então, pra quê?

O que quero dizer é que na verdade eu considero que o governo FHC foi o melhor governo do Brasil de todos os tempos (independentemente de questões partidárias), e sem sombra de dúvida! Mas como é um hábito nacional, nos esquecemos disso. Foi um período de aperto? Foi sim! Foi um momento de reformas e mudanças? Foi sim! Foi um período de grandes privatizações para tirar o engessamento estatal e grande parte do défciti nacional? Foi sim! Foi uma luta manter a estabilidade do Real? Foi sim! Foi um momento em que a democracia se consolidou? Foi sim! Então pare e pense por uns instantes... onde estava o PT nesses momentos históricos? O PT estava criticando o governo e dizento que isso tudo estava errado!!! Daí, herdou um País pronto pra decolar, com estabilidade financeira, com parte das contas públicas sob controle, um país em franca expansão, recebendo uma enxurrada de capital externo, etc, etc, etc... o que o PT faz? Bom, se ele criticava absolutamente tudo, era de se esperar que fizessem "diferente", novo então ou que desfizessem tudo que havia sido conquistado até então.

Trocando em miúdos, na verdade o PT não fez nada! Não precisava fazer nada!!! O SERVIÇO SUJO já havia sido feito!!! Se ao invés de uma "Lula" acefala, tivessemos eleito um "Mico" ou um "Tatu" e simplesmente dissessemos: "é só não mexer em nada que funciona..." dava na mesma. E acabou funcionando, não graças ao PT, lembre-se, eles eram contra TUDO!!! Eles foram contra as privatizações (graças as privatizações, todos os brasileiros tem um aparelho celular e internet banda-larga, fico imaginando se ainda dependessemos das antigas Teles o que ainda seria de nós... a CSN é uma das maiores empresas produtoras de aço do mundo, a atual Vale, antiga Vale do Rio Doce é a maior mineradora do mundo, por exemplo...), foram contra a reforma da Previdência que acabou evitando um colapso igual ao ocorrido na Argentina (ah! Esqueci que você tem memória curta e nem lembra disso, não é?), e por aí vai... posso me estender por horas...

Bem, melhor comparar:

FHC - Pouco mais de 10 Ministérios.

LULA - Mais de 30 Ministérios.

FHC - Plano Real, reformas do setor financeiro, da Previdência, etc.

LULA - Reformas? Só a do Palácio do Planalto...

FHC - DEMOCRACIA TOTAL E LIVRE.

LULA - Democracia ditatorial, censura velada, controle de parte da mídia, censura eleitoral (é proibido programas de comédia de TV a veiculação de sátiras contra os políticos!!! É o mesmo que em época de Copa do Mundo ser proibido falar de futebol!!!).

FHC - ALGUNS escândalos políticos... talvez ele soubesse de tudo...

LULA - MUITOS escândalos políticos... ele sabia de TUDO! Ele é o dono do partido, ex-presidente do partido, presidente da república, eram todos ministros e assessores indicados por ele... ele sabia de TUDO!!!

FHC - MUITAS viagens...

LULA - MUITAS, MUITAS, MUITAS e MUITAS viagens...

FHC - Exugamento da máquina estatal, privatizações, diminuição gradativa dos altos salários pagos aos funcionários públicos (em total desigualdade com a iniciativa privada - e eles ainda tem estabilidade...).

LULA - Criação de novas estatais, contratação de milhares de novos funcionários públicos através de centenas de novos concursos públicos...

FHC - Seguro-desemprego (aos trabalhadores).

LULA - Bolsa-família (muita gente que podia trabalhar, mas... trabalhar pra quê?).

FHC - Reforma agrária.

LULA - Financiamento público e milionário do movimento dos sem-terra.

FHC - Diminuiçao do défcit público.

LULA - Aumento do défcit público.

FHC - Banqueiros com lucros Milionários.

LULA - Banqueiros com lucros Bilionários.

FHC - Quebra da patente de medicamentos (genéricos), início das campanhas de vacinação em massa, campanhas publicitária e fumacê nas ruas contra a dengue...

LULA - .................., continuidade das campanhas de vacinação em massa, campanhas publicitárias .................... contra a dengue...

FHC - José Serra, Geraldo Alkmin, Aécio Neves (prefeitos e governadores eleitos e re-eleitos e re-eleitos...).

LULA - Dilma Roussef (???????????????????????????).

FHC - Sociologo, PHD, poliglota.

LULA - Estudar pra quê? Ele deveria dar o exemplo mas se orgulha de não ter estudado...

FHC - Apesar das reais desigualdades, ver a todos como iguais.

LULA - Pobres = Bonzinhos --- Ricos e classe média = malvados (não... pior... verdadeiros demônios).

FHC - Bill Clinton (EUA), Jackes Jirach (França), Tony Blair (Inglaterra), ...

LULA - Hugo Chaves (Venezuela), Evo Morales (Bolívia), Fidel Castro (Cuba), Mahmoud Ahmadinejad (Irã), ...

Puta que pariu!!! Espera ai!!! Tem alguma coisa errada!!! As pesquisas de popularidade indicam que o LULA só perde para DEUS em pessoa??? Como ele pode se mostrar bem pior que o FHC??? Se no nosso conceito o FHC foi uma merda, depois de comparar então... o governo Lula está sendo o quê???

Na verdade eu não concordo com nada que está aí. Não faço parte dos mais de 70% da população que acha o governo Lula bom ou ótimo... pelo contrário. Posso até concordar que vivemos um bom momento sim, mas a questão é: "qual o verdadeiro papel do PT ou do Presidente Lula nessa história?" Ele apenas está colhendo frutos de uma árvore que foi plantada muito antes do PT chegar ao poder.

É, quem tem MEMÓRIA, um pouco de cultura, conhecimento e análise imparcial de FATOS, sabe de tudo isso... eu sei... e você? E você? Qual é a sua verdade?

Sou da classe média brasileira (provavelmente devo ter pacto com o demônio), ESTUDEI e me orgulho muito disso, falo inclusive outras línguas, sou democrata convicto (a liberdade de expressão é o maior tesouro de uma sociedade), sou capitalista sim (bem, capitalista é aquele que acredita que a força produtiva de um país se faz por seus empreendedores e seus colaboradores (funcionários) com investimento totalmente privado sem qualquer intervenção do Estado e acredita na concorrência de mercado), e tenho uma EXCELENTE MEMÓRIA POLÍTICA.

Eu não vivo só o hoje como o "brasileiro" normal costuma fazer. Faço questão de saber e lembrar do passado, e procuro ver as consequencias do amanhã que está sendo traçado hoje. Caso a Dilma seja realmente eleita, provavelmente caminharemos a passos largos para nos tornarmos uma nova Venezuela, com a grande maioria da população trabalhando para o governo ao invés de usar a capacidade produtiva para gerar riqueza para o país, com a Censura ressucitada e instituída e o Estado mais preocupado em explorar petróleo do que gerir SAÚDE, SEGURANÇA e EDUCAÇÃO, que é o REAL papel de qualquer governo.

Esse manifesto foi redigido no intuito de lhe fazer PENSAR. Analise os fatos. Não é a intenção pedir voto para candidato A ou B. Isso é indiferente. Espero que você se dê conta da importância do VOTO. Infelizmente um dos atuais candidatos será o nosso(a) futuro(a) Presidente(a). Esse manifesto pede explicitamente que você NÃO VOTE no PT, que NÃO VOTE na DILMA, que não VOTE em tudo o que o PT representa e representará em um futuro próximo.

Hoje a Dilma está liderando a corrida presidencial, quadro que pode mudar ou não. Mas sabe o que é realmente incrível? Eu conheço e lido com muitas pessoas, muitas mesmo, parentes, amigos, colegas e conto nos dedos de uma mão só aqueles que votarão na digníssima acima. A maioria das pessoas que conheço ou votam no Serra ou na Marina, que considero ótimos candidatos, qualquer um dos 2, candidatos com um curriculum político, experiências no legislativo e no executivo... então me explica: como a Dilma, que pra mim é uma despreparada pode estar liderando as pesquisas???

Pra finalizar, se você concorda ou não comigo, faça um teste. Caso decida reenviar essa mensagem para os seus amigos, parentes ou colegas, peça a eles que retornem o e-mail dizendo em quem eles vão votar... acho que você vai se surpreender e achar que realmente tem alguma coisa errada com as atuais pesquisas.

Um grande abraço de um "verdadeiro brasileiro."

COMENTÁRIO: Assino em baixo.

LULA E DILMA, DEMOCRATAS?



Lutamos tanto pela democracia, pelo fim da censura, pela liberdade de expressão, pra vermos agora o País marchar a passos largos para um outro tipo de ditadura. Nunca as teorias de Gramsci foram tão bem aplicadas, sim, o Brasil, na contramão da hitória caminha para o comunismo, e o povo enfeitiçado pelo assistencialismo reforçado pelo populismo não se dá conta do perigo que corremos. Preparemo-nos para dias muito dificeis, quem viver verá.

MUNDO PROTESTA CONTRA O APEDREJAMENTEO.



Cem cidades, incluindo Lisboa, manifestam-se hoje contra a execução iminente da iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani


Em cem cidades de todo o mundo, incluindo Lisboa, realizam-se hoje manifestações de protesto contra a intenção das autoridades iranianas de executar por lapidação uma mulher de 43 anos, Sakineh Mohammadi Ashtiani. Esta mãe de dois filhos foi condenada em 2006 por adultério, acusação à qual foi adicionada a de cumplicidade na morte do marido, após "confissão" obtida sob tortura.

As manifestações de protesto são organizadas pelo Comité Internacional contra as Execuções e realizam-se em países como Brasil, EUA ou Holanda, entre outros. Em Lisboa, a concentração decorrerá no Largo de Camões, a partir das 18.00.

Esta não é a única campanha em curso. O Presidente francês, Nicolas Sarkozy, envolveu-se pessoalmente no destino de Ahstiani. Paris está a pressionar a União Europeia para obter uma declaração dos 27 a prometer sanções contra Teerão, no caso de a iraniana ser executada. O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Bernard Kouchner, enviou uma carta à alta representante da UE, Catherine Ashton, onde se pede para a união não se "resignar à barbárie". O ministro quer uma posição com medidas concretas, para lembrar aos iranianos que a sua atitude de isolamento terá um custo.

O caso de Ashtiani está a comover a opinião pública de todo o mundo e houve várias iniciativas diplomáticas para salvar-lhe a vida, nomeadamente uma oferta de asilo do Presidente brasileiro, Lula da Silva, que as autoridades iranianas rejeitaram.

Pelo contrário, a acusação foi reforçada, numa tentativa de suavizar o impacto no Ocidente. A lapidação não costuma ser noticiada no Irão e mesmo os activistas de direitos humanos não sabem quantas pessoas são executadas desta forma. Por isso, o caso de Ashtiani tem toda a aparência de constituir um exemplo do poder conservador para uma sociedade dividida.

A primeira condenação de Ashtiani, em 2006, foi por "relação ilícita com dois homens". A acusada foi submetida a castigo de 99 chicotadas, mas o caso não terminou. Um tribunal conservador reviu a sentença e condenou Ashtiani por "adultério enquanto casada", que as leis islâmicas em vigor punem com morte por lapidação. Quando se aproximava a execução foi acrescentada a acusação de cumplicidade no homicídio do marido, pela qual Ashtiani já tinha sido ilibada.

A lei iraniana pune severamente o adultério, mas a actual teimosia de Teerão poderá estar ligada à intenção de dar o exemplo. O regime conservador reprimiu com dureza manifestações de reformistas, na sequência das presidenciais do ano passado, e desafia a comunidade internacional com um programa nuclear que lhe valeu sanções. Também decorre um ataque cerrado à homossexualidade, com tortura de suspeitos e execuções.

A lei sobre adultério abrange homens e mulheres, mas as mulheres estão mais desprotegidas, pois há poligamia e são permitidos casamentos temporários, que os homens invocam para se proteger da lei imposta pela Revolução Islâmica de 1979. Há autoridades religiosas que contestam a lei.

CABEÇA DE AMEBA.

NOTA DO ARCEBISPO DE APARECIDA.

APARECIDA, sexta-feira, 27 de agosto de 2010 (ZENIT.org) – Apresentamos a nota do arcebispo de Aparecida e presidente do CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano), Dom Raymundo Damasceno Assis, divulgada nesta sexta-feira, sobre as Eleições 2010 no Brasil.

No próximo dia 03 de outubro nós, brasileiros, teremos mais uma oportunidade de exercer nossa cidadania. Através do voto, elegeremos Presidente, Governadores, Senadores, Deputados Estaduais e Federais. Todos sabemos da importância e da responsabilidade do voto. É através do voto que escolhemos nossos legítimos representantes, para governar e legislar em benefício do povo brasileiro, a fim de que cada cidadão tenha oportunidade de crescer, desenvolver-se e viver com dignidade e em paz.

“A Igreja não pode nem deve tomar nas suas próprias mãos a batalha política para realizar a sociedade mais justa possível. Não pode nem deve pôr-se no lugar do Estado. Mas também não pode, nem deve ficar á margem na luta pela justiça” (Bento XVI).

É dever da Igreja orientar os fiéis para que possam participar, democraticamente, com consciência, liberdade e responsabilidade do processo político-eleitoral, apontando critérios éticos e morais que devem ser levados em consideração no momento da escolha do seu candidato.

Por isso, na hora de decidir o voto, é importante que o eleitor tenha em mente alguns pontos para nortear sua escolha:

- não negocie, nem anule o seu voto: o voto deve ser consciente, livre, responsável e não uma troca de favores. Quem o vende contribui com a corrupção e tem a mesma parcela de culpa daquele que compra. Se vir alguma prática neste sentido, denuncie, imediatamente, às autoridades competentes;

- procure conhecer seu candidato: quem é ele? qual seu histórico de vida? quais suas idéias e propostas em relação à saúde, educação, combate a violência, ao crime organizado, reforma agrária? tem projetos que visam o bem comum, ou somente interesses pessoais e de grupos? seu nome está envolvido em denúncia de corrupção ou algum escândalo de cunho ético ou moral? é defensor da democracia, da liberdade de expressão e do respeito as convicções religiosas e da livre manifestação da fé? está comprometido com a justiça social, com a observância e o cumprimento dos direitos humanos, com o pleno respeito a vida humana, desde a sua concepção até à morte natural, e com políticas públicas que beneficiem o bem-estar da população, principalmente, dos mais pobres?

- seja coerente consigo mesmo e com seus princípios: não vote pelos resultados que as pesquisas apresentam, ou por outro qualquer motivo, que interfira na sua liberdade de escolha. O voto é livre. Vote naquele (a) que você perante Deus, a sociedade e sua consciência julgar merecer o seu voto;

- após a eleição: acompanhe o desempenho, as ações e as decisões políticas e administrativas daqueles que, democraticamente, foram eleitos para governar e legislar em nosso País. Cobre a coerência e o cumprimento dos compromissos assumidos durante a campanha eleitoral, e apóie iniciativas em favor do bem-estar integral da população.

Escolher os representantes para o Congresso ou Assembléias Estaduais, não é tarefa fácil; é um desafio. É preciso, pois, ter espírito crítico, discernimento e interesse pelo bem de toda a sociedade. Assim, conseguiremos, de fato, exercer nossa cidadania e contribuir na construção de um Brasil mais humano, solidário e justo para todos.

Que Deus, por intercessão de Nossa Senhora Aparecida, nos ajude e nos ilumine neste propósito.

Dom Raymundo Damasceno Assis
Arcebispo de Aparecida, SP, Presidente do CELAM

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

CONHEÇA O PASSADO PARA ENTENDER O PRESENTE.

O SEQÜESTRO DO EMBAIXADOR DOS EUA


Assaltos a bancos e estabelecimentos comerciais, ataques a sentinelas, roubos de armas e explosivos, assassinatos encobertos sob o eufemismo de "justiçamentos", a violência estarrecia porém perdera o ineditismo. A repetição sistemática das ações tirava-lhes o impacto do fato novo gerador de curiosidade. Era necessário imaginar algo que mexesse com a opinião pública.

Com esse pensamento, a direção da Dissidência do PCB na Guanabara (DI/GB) imaginou, em meados de 1969, o seqüestro de um representante diplomático. A ação teria a finalidade de liberar companheiros presos e de chamar a atenção da opinião pública nacional e internacional para a audácia e a determinação do movimento revolucionário comunista no Brasil.

O alvo mais significativo seria o embaixador dos Estados Unidos da América, tachado como representante e defensor dos "interesses imperialistas norte-americanos em nosso País".

O pensamento inicial da DI/GB, em consonância com sua origem universitária, era libertar o seu militante e líder secundarista, Vladimir Gracindo Soares Palmeira ("Marcos"), além dos também dirigentes do movimento estudantil, José Dirceu de Oliveira e Silva ("Daniel") - militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), e Luiz Gonzaga Travassos da Rosa, militante da Ação Popular (AP)

A idéia do seqüestro partiu de Franklin de Souza Martins ("Waldir", "Francisco", "Miguel", "Rogério", "Comprido", "Grande", "Nilson", "Lula") - que havia estado preso junto com os demais líderes até o final de 1968, e foi logo apoiada por Cid de Queiroz Benjamin ("Billy", "Vitor", "Willy", "Miro", "Levi"), integrante da Frente de Trabalho Armado (FTA) da DI/GB.

A direção da DI/GB, liderada por Franklin, concluiu, após os levantamentos preliminares, que a falta de experiência de seus quadros poderia dificultar o sucesso da ação. Seria necessário o apoio de uma equipe mais experiente. A ALN já havia conseguido notoriedade através da intensificação de suas ações armadas, principalmente em São Paulo, e pela constante divulgação de textos de Carlos Marighella, incentivando todo e qualquer tipo de "violência revolucionária". A ALN afigurava-se como o apoio mais confiável e competente.

Em julho de 1969, Claudio Torres da Silva ("Pedro", "Geraldo"), membro da FTA, devidamente autorizado pela direção da DI/GB, foi fazer contato com Joaquim Câmara Ferreira ("Toledo", "Velho", "Valter", "Azevedo"), dirigente nº 2 da ALN. "Toledo", aplicando a autonomia revolucionária permitida pelos princípios da organização, aprovou a ação e, sem o conhecimento de Marighella, prometeu o apoio da ALN à empreitada da DI/GB.

Durante os preparativos, foi alvo de especial atenção a escolha da data da ação. Havia duas opções: a semana de 7 de setembro ou o 8 de outubro. Oito de outubro, significativo pela lembrança da "queda" de Che Guevara na Bolívia, foi preterido pela semana de 7 de setembro em função da urgência em libertar os presos políticos e da intenção de desmoralizar as autoridades e esvaziar as comemorações da Semana da Pátria.

No final de agosto, Cid de Queiroz Benjamin tornou a fazer contato com "Toledo", em São Paulo, pormenorizando detalhes da ação de seqüestro. Da reunião, participou Virgílio Gomes da Silva ("Breno", "Jonas", "Borges"), coordenador do Grupo Tático Armado (GTA) da ALN, que seria o comandante da ação. "Breno", codinome utilizado por Virgílio só para o seqüestro, selecionou os também militantes da ALN, Manoel Cyrillo de Oliveira Netto ("Francisco", "Sergio", "Benê", "Mauro") e Paulo de Tarso Venceslau ("Rodrigo", "Geraldo", "Machado", "Beto"), para participarem diretamente da ação. "Toledo", pela direção da ALN, deslocar-se-ia para o Rio de Janeiro a fim de coordenar as ações e orientar os contatos com as autoridades.

Os levantamentos, reconhecimentos e providências logísticas da ação, todas sob a responsabilidade da DI/GB, já haviam sido tomadas.

Fernando Paulo Nagle Gabeira ("Mateus", "Honório", "Bento", "João", "Ignácio"), jornalista do "Jornal do Brasil" e responsável pelo setor de imprensa da DI/GB, havia alugado em 5 de agosto, por meio de sua amante Helena Bocayuva Khair (nome de solteira Helena Simões Bocayuva Cunha), a casa nº 1026 da Rua Barão de Petrópolis, no Rio Comprido, perto de Santa Teresa. O casarão, além de servir ao setor de imprensa, imprimindo o jornaleco "Resistência", seria utilizado como local de cativeiro do embaixador.

Franklin, Cláudio Torres e Cid levantaram o itinerário do carro do embaixador que, invariavelmente e sem qualquer segurança, transitava de sua residência oficial - um palacete da Rua São Clemente, em Botafogo - para a embaixada, localizada na Avenida Presidente Wilson, no Centro da então Guanabara. O itinerário, sempre o mesmo, iniciava-se na Rua São Clemente, passava pela tranqüila e descongestionada Rua Marques e atingia a Rua Voluntários da Pátria. A Rua Marques, pelas suas características, foi a escolhida para ser o local da abordagem do carro do embaixador.

Vera Sílvia Araújo de Magalhães ("Marta", "Andréia", "Carmen", "Ângela", "Dadá"), militante da FTA da DI/GB, foi a encarregada de levantar a personalidade e os horários de saída do embaixador. Aproveitando-se de sua aparência física atraente e à semelhança de ações anteriores, apresentou-se na casa do embaixador à procura de emprego como doméstica. Atendida pelo encarregado da segurança, Antonio Jamir, "Marta" envolveu-o emocionalmente, conseguindo os dados necessários à complementação do planejamento. "Marta" não se constrangia em utilizar o sexo como "instrumento de ação revolucionária".

Acertados os detalhes, foi marcada a data de 4 de setembro de 1969 para a ação de seqüestro. Mesmo o derrame cerebral sofrido pelo presidente Costa e Silva e a conseqüente assunção, em 31 de agosto, de uma junta governamental integrada pelos três ministros militares não foram um fato político suficiente para alterar a data prevista.

Em 2 de setembro, Paulo de Tarso Venceslau conduziu para a Guanabara, em seu carro particular, os terroristas Virgílio Gomes da Silva e Manoel Cyrillo de Oliveira Netto. Ao chegarem, foram recebidos por Cid e Cláudio que os conduziram "fechados" para um "aparelho" no bairro do Flamengo, perto do Hotel dos Ingleses. Virgílio, cioso de suas prerrogativas de comandante, iniciou, junto com os outros dois militantes da ALN, os reconhecimentos dos locais e itinerários ainda nesse dia, complementando-os no dia seguinte.

Em 3 de setembro, completado o planejamento, Paulo de Tarso comunicou-se com "Toledo", em São Paulo, por telefone, informando: "Negócio fechado, mande a mercadoria". A senha, enviada para a residência do industrial Jacques Emile Frederic Breyton - integrante da rede de apoio da ALN -, significava que a ação estava preparada, seria desencadeada e que "Toledo" poderia deslocar-se para a Guanabara. Nesse mesmo dia, de avião, "Toledo" chegou no Rio de Janeiro, indo alojar-se no "aparelho" da Rua Petrópolis, onde passou a relacionar os nomes dos comunistas presos que deveriam ser trocados pelo embaixador.

Redigido por Franklin e Gabeira e aprovado por "Toledo", ficou pronto o panfleto que seria deixado no carro do embaixador após a ação. Esse manifesto inseria o seqüestro dentro do contexto das demais ações terroristas, classificando-o como um "ato revolucionário". Fazia propaganda "antiimperialista", acusando o embaixador de representante dos "interesses espoliativos norte-americanos no Brasil". Exigia a libertação de quinze presos políticos - a serem anunciados oportunamente - que deveriam ser conduzidos para a Argélia, Chile ou México, onde lhes deveria ser concedido asilo político. A outra exigência era "a publicação e leitura desta mensagem completa nos principais jornais e estações de rádio e televisão de todo o país". Finalizando o manifesto, um ultimato concedia 48 horas para o governo aceitar as condições impostas e mais 24 horas para que os presos fossem transportados para o exterior em segurança; o não atendimento das condições acarretaria o assassinato - segundo eles, o "justiçamento" - do embaixador. O manifesto era assinado pela ALN e pelo Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8), nome adotado pela DI/GB a partir de então.

A manhã do dia 4 de setembro de 1969, uma quinta-feira de sol, foi tensa para os executantes diretos do seqüestro. Com a antecedência necessária foi tomado o dispositivo para a ação.

Na esquina das ruas São Clemente e Marques ficou estacionado um Volks bege com João Lopes Salgado ("Dino", "Murilo", "Xisto", "Ribeiro", "Pagé", "Fio", "Colombo", "Tomé", "Gabriel", "Rivo", "Caramujo", "Zé Mineiro") e Vera Silvia. O motorista era José Sebastião Rios de Moura ("Anibal", "Baixinho"), que se postou em pé na esquina, para anunciar a aproximação do carro do embaixador.

Num Volks azul, com chapa de São Paulo, foram transportados Franklin, Cid e Virgílio, o qual saltou na Rua Marques pois, de acordo com o planejamento, seria um dos que entrariam no carro do embaixador durante a abordagem. Esse Volks azul, estacionado na Rua Marques, deveria realizar uma manobra - aparentando movimento normal de trânsito - que obrigasse o carro do diplomata a parar.

Cláudio Torres, Paulo de Tarso e Manoel Cyrillo chegaram num Volks vermelho, com chapa do Espírito Santo. Os três abordariam a pé, junto com Virgílio, o carro do embaixador. Esse Volks estacionou na Rua Marques, no lado oposto ao Volks azul, a fim de estreitar a rua e de impedir a manobra da viatura diplomática.

Na Rua Caio de Melo Franco, no Jardim Botânico, já havia sido estacionada por Sergio Rubens de Araújo Torres ("Rui", "Gusmão", "Júlio", "Vicente", "Jorge", "Ferreira", "Alfredo", "Pepe"), membro da FTA da DI/GB, a Kombi verde que serviria para o transporte do embaixador.

Tudo pronto. O tempo passava, a tensão aumentava mas o Cadillac do embaixador não aparecia.

Por volta das 1100h, o esquema foi desfeito. Apurara-se que o embaixador, contrariando a rotina, havia saído de casa bem mais cedo. Restava a alternativa do retorno do diplomata para a embaixada, após o almoço em sua residência.

Às 1300h, Virgílio determinou que o dispositivo fosse retomado. Apenas o Volks vermelho não precisou ser utilizado, pois havia vários outros carros estacionados, estreitando naturalmente a rua. O Volks foi abandonado na Rua Capistrano de Abreu.

Pronto o dispositivo, surgiu na Rua Marques um carro semelhante ao do embaixador norte-americano. Os olhares ansiosos convergiram para o José Sebastião que, na esquina, não deu nenhum sinal. Era o carro do embaixador português.

Finalmente, às 1400h, José Sebastião fez o sinal convencionado. Surgiu na esquina da Rua Marques o imponente Cadillac negro chapa CD-3, dirigido por Custódio Abel da Silva. Em marcha moderada, vinha aproximando-se do local da armadilha. No banco traseiro, Charles Burke Elbrick, 61 anos, absorto, refletia sobre os problemas rotineiros que o aguardavam na embaixada. A cerca de 20 metros, um Volks azul deixava lentamente o acostamento e fazia uma manobra em "U". O motorista Custódio freou para aguardar que a rua ficasse desimpedida.

Repentinamente, a calma da tarde foi interrompida. Quase que simultaneamente, as quatro portas do Cadillac foram abertas (surpreendentemente não estavam trancadas) e quatro terroristas armados adentraram no carro. Virgílio entrou pela porta traseira direita, enquanto que Manoel Cyrillo entrava pela traseira esquerda, ladeando o surpreso embaixador. Elbrick, aturdido e sem entender o que estava ocorrendo, foi forçado a colocar-se no assoalho do carro com as mãos na nuca, enquanto que Virgílio anunciava: "Somos revolucionários brasileiros". Pela porta do motorista, entrou Cláudio Torres que, empurrando Custódio e tomando-lhe o boné, colocou-se ao volante. Pela porta dianteira direita entrou Paulo de Tarso, ameaçando Custódio com sua arma.

Claudio Torres arrancou rapidamente com o carro, após Franklin manobrar o Volks, desimpedindo a rua.

O Cadillac, ao arrancar, foi seguido pelo Volks azul que fazia a cobertura na retaguarda. Ao retornar à Rua São Clemente, seguindo para a região de transbordo, o carro diplomático passou a contar com uma cobertura à frente, proporcionada pelo Volks bege, dirigido pelo José Sebastião.

Após rodar por alguns minutos, o Cadillac atingiu a região de transbordo, uma pequena rua sem saída, no Humaitá. Elbrick recebeu a ordem para fechar os olhos e sair do carro. Imaginando que seria morto, tentou segurar a mão de Virgílio que empunhava o revólver. Recebeu violenta coronhada na cabeça desferida por Manoel Cyrillo. Sangrando abundantemente e atordoado pela pancada, foi colocado no chão da Kombi e coberto com uma manta.

Os terroristas haviam, entretanto, cometido um erro grosseiro. O motorista Custódio, previsto para dar o alarme à polícia e divulgar o ocorrido, fora levado ao local do transbordo e viu a Kombi verde que levaria o embaixador. Esta foi uma das valiosas pistas que levaram os órgãos de segurança a descobrir, já no dia seguinte, 5 de setembro, o "aparelho" da Rua Barão de Petrópolis.

Conduzido ao "aparelho", Elbrick, ferido e ensangüentado, ainda permaneceu cerca de quatro horas no interior da Kombi, estacionado dentro da garagem do "aparelho", aguardando o escurecer para ser levado para o interior da casa.

Nesse cativeiro, já lá estavam "Toledo", Gabeira e Antonio de Freitas Silva ("Baiano", "Pedro"), este contratado como serviçal e para, futuramente, prestar serviços como mimeografista na preparação da documentação subversiva.

Imediatamente após o seqüestro, o efetivo do aparelho foi engrossado com as presenças de Virgílio, Manoel, Franklin e João Lopes Salgado. No interior da casa, foi montado um esquema de segurança prevendo-se uma guarda que permaneceria no quarto do embaixador e, do lado de fora, uma vigilância permanente da rua e dos arredores, realizada a partir da varanda. Nos contatos pessoais com o embaixador, os terroristas usavam capuzes, para não serem futuramente reconhecidos.

A equipe de sete terroristas mantinha-se tensa, aguardando o desdobramento da ação. O manifesto, deixado no interior do carro diplomático, exigia a sua divulgação através dos meios de comunicação, como uma das condições para a salvaguarda de Elbrick. Apesar do trunfo representado pelo embaixador, estavam encurralados no "aparelho" os mais importantes quadros da ALN e do novo MR-8.

Nessa primeira noite, os terroristas ouviram, pelas emissoras de rádio, a divulgação do manifesto. Era sinal de que o governo brasileiro resolvera negociar, preservando a vida do diplomata americano.

Nessa mesma noite, elaboraram a seleção dos quinze comunistas a serem libertados. A idéia inicial do MR-8 de libertar três líderes estudantis fora posteriormente ampliada por "Toledo" para quinze, o que exigia uma pesquisa para a qual o bando seqüestrador não estava preparado. Tiveram dificuldades em selecionar nomes de outras organizações, pois desconheciam a importância dos diversos presos no contexto da subversão. Ignoravam, inclusive, o verdadeiro nome de Mario Roberto Galhardo Zanconato, militante da Corrente/MG, colocado na relação com o apelido de "Xuxu".

Paulo de Tarso Venceslau, após o seqüestro, permaneceu ainda mais um dia no Rio de Janeiro, em contato com Claudio Torres. Em seguida, deixou seu carro no Rio e, obedecendo ordens de "Toledo", deslocou-se de avião para São Paulo, a fim de apurar algumas "quedas" da ALN e de levantar dados sobre a explosão de um Volkswagen na Avenida da Consolação, na madrugada de 4 de setembro. Retornou no sábado, dia 6, e, após anunciar a morte de José Wilson Lessa Sabbag ("Nestor") - chefe do Grupo de Ação do GTA/ALN/SP - e a identificação do japonês morto na explosão como sendo Ishiro Nagami, o "Charles" ("Toledo" pensava que pudesse ser Takao Amano, o "Jorge"), voltou a São Paulo em seu próprio carro, que havia ficado com Claudio Torres.

Na manhã de 5 de setembro, Gabeira e Cláudio Torres colocaram na urna de donativos da Igreja do Largo do Machado uma mensagem, informando que divulgariam a lista de quinze nomes e um bilhete manuscrito de Elbrick para a esposa, Eunice. Uma cópia da mensagem foi deixada, como alternativa, na urna de donativos da Igreja Nossa Senhora de Copacabana, na Praça Serzedelo Correia.

Elbrick, intimidado por seus algozes, suplicava, em seu bilhete, que as autoridades não tentassem localizá-lo, informando que "a gente que me prendeu está determinada".

Cláudio Torres, orientado por Gabeira, ligou para o "Jornal do Brasil" e para a "Última Hora" comunicando onde estavam as duas cópias da mensagem e solicitou a sua publicação.

No início da tarde de 5 de setembro, sexta-feira, a relação com os quinze nomes foi colocada pela dupla Gabeira/Cláudio Torres na caixa de seleções do Mercado Disco do Leblon. Foi utilizado o expediente de ligar para a "Rádio Jornal do Brasil", informando o local onde estava a mensagem e pedindo a sua divulgação.

Naquela altura, os órgãos de segurança, graças ao amadorismo dos terroristas, já haviam localizado o "aparelho" da Barão de Petrópolis e o mantinham sob vigilância. Após seguirem Gabeira e Cláudio Torres nas andanças para a colocação das mensagens, resolveram demonstrar aos seqüestradores que já os tinham sob vigilância e que qualquer dano causado ao embaixador seria imediatamente reprimido. Dois agentes bateram à porta do "aparelho" e, sem se preocuparem em disfarçar suas intenções, fizeram perguntas sobre os moradores da casa e outros detalhes típicos de uma investigação. Gabeira, esforçando-se em aparentar naturalidade, respondeu, de forma pouco convincente, as perguntas dos policiais. Enquanto isso, dentro do "aparelho", os terroristas, assustados, preparavam-se para fazer frente a uma ação que não haviam previsto. Virgílio correu para o quarto de Elbrick e, colocando-o sentado no chão, permaneceu com o revólver apontado para a cabeça do apavorado embaixador. O comandante "Breno", justificando o conceito de "desassombrado revolucionário", tomara a iniciativa e queria ter o privilégio de eliminar o "representante do imperialismo".

Para alívio dos terroristas, os policiais retiraram-se. A vigilância foi intensificada e, a partir daquele momento até altas horas da madrugada, o tempo foi consumido em discussões para decidir qual a atitude a tomar. Chegaram à conclusão de que deveriam permanecer no "aparelho" e prosseguir com o planejamento inicial. Enquanto mantivessem Elbrick vivo teriam chances de escapar.

O dia de sábado foi de expectativa. O governo brasileiro, em respeito à vida de um representante diplomático estrangeiro, já havia aceitado as condições dos terroristas. O México, um dos países propostos, havia concordado em receber os presos políticos.

Às 1730h de 6 de setembro, um avião Hércules C-130 da FAB, comandado pelo major Egon Reinisch, decolou da Base Aérea do Galeão para levar os primeiros quinze terroristas banidos do território nacional: treze embarcaram no Rio (Agonalto Pacheco da Silva, Flávio Aristides de Freitas Tavares, Ivens Marchetti de Monte Lima, João Leonardo da Silva Rocha, José Dirceu de Oliveira e Silva, José Ibraim, Luiz Gonzaga Travassos da Rosa, Maria Augusta Carneiro Ribeiro, Onofre Pinto, Ricardo Vilas Boas Sá Rego, Ricardo Zaratini Filho, Rolando Fratti e Vladimir Gracindo Soares Palmeira)

e dois (Gregório Bezerra e Mario Roberto Galhardo Zanconato), em escala no Recife.

Por pouco, o plano do governo, de preservar a vida do embaixador, ia por água abaixo. Tropas da Brigada Pára-quedista, comandadas pelo coronel Dickson Grael, tomaram a Base Aérea para impedir a saída do avião. Ao verificarem que ele já havia decolado, ocuparam, às 2230h, a Rádio Nacional, e lançaram ao ar a seguinte mensagem:

"Atenção para um comunicado à nação brasileira:

A tropa de pára-quedistas e outras tropas, insurgidas contra a decisão da Junta Governamental, de fazer a entrega de presos condenados pela Justiça, numa demonstração de fraqueza e à revelia das Forças Armadas - lança - nesse momento, uma proclamação ao povo brasileiro de repúdio a tal medida impatriótica.

Conclamamos à união e tomada de consciência de que existe, em nosso país, declarada guerra internarevolucionária de comunistas, contra a qual iniciamos, neste momento, ações militares de repressão.

Para o cumprimento desta determinação patriótica, estamos dispostos ao mais alto sacrifício.

Em nome de Deus. Brasil acima de tudo."


Na manhã de 7 de setembro, domingo, foi colocada por Cláudio Torres no monumento em frente à empresa Manchete, na Praia do Russel, a terceira e última mensagem. Os seqüestradores anunciavam o conhecimento da chegada dos quinze subversivos no México e aguardavam apenas uma autenticação, previamente combinada, para libertar o embaixador.

O "aparelho" estava cercado. A vida do seqüestrado valia, então, a vida dos seqüestradores. Os terroristas resolveram contrabalançar o vazio das ruas de um domingo e feriado com a confusão da saída do jogo Fluminense x Cruzeiro, no Maracanã, para libertar o embaixador.

Elbrick foi colocado vendado num Volks dirigido por Cláudio Torres, tendo Virgílio a guardá-lo. Em outro Volks, fazendo a cobertura, deslocaram-se Cid e Manoel.

Helena Bocayuva Khair já havia auxiliado Gabeira a retirar do "aparelho" os dirigentes "Toledo", Franklin e João Lopes Salgado. O "Baiano" também já tinha abandonado o aparelho auxiliado por Helena, tendo sido guardado num outro "aparelho", em São Cristóvão.

Por volta das 1830h, os terroristas trancaram o "aparelho" e iniciaram o deslocamento acompanhados por uma viatura dos órgãos de segurança, cujos integrantes tinham ordens de não intervir. No congestionado trânsito do término do jogo do Maracanã, os terroristas conseguiram distanciar-se e foram perdidos pela viatura.

Elbrick foi abandonado na Rua Eduardo Ramos, próxima do Largo da Segunda Feira, na Tijuca, com ordem de permanecer 15 minutos no local, antes de procurar auxílio. O amedrontado embaixador cumpriu à risca as ordens dos terroristas. Após transcorrido o prazo, tomou um táxi e retornou à sua residência.

Terminava, assim, resguardada a integridade do embaixador, o episódio que serviria de modelo para o seqüestro de mais 3 diplomatas. A exaltada ação subversiva, considerada uma vitória pelas esquerdas, proporcionou, em razão dos erros primários no planejamento e na execução, condições para que fossem desferidos duros golpes na ALN e no MR-8, que culminariam com a "queda" de Marighella em novembro de 1969, em São Paulo.

F. DUMONT