sexta-feira, 14 de outubro de 2011

SEM OCULTAR OS AFILHADOS (Acreditem, é verdade)

Questionado pelo MP, prefeito de Tabira (PE) justifica que fez as contratações conforme apoio recebido nas eleições

A sinceridade com que a Prefeitura de Tabira, município do Sertão de Pernambuco, respondeu ao Ministério Público do Estado (MPPE) sobre os critérios usados para contratação 492 servidores temporários surpreende. Em três páginas de um documento enviado ao órgão e assinado pelo próprio prefeito, José Édson Carvalho (PSB), conhecido como Dinca, constam nomes, endereços e CPFs dos selecionados e, ao lado, frases que deixavam claro que todos trabalharam na campanha do prefeito ou foram indicados por ele.

Um dos casos é o de Isabel Cristina. O porquê da contratação dela veio com todas as letras: "Trabalhou no porta a porta". Parentes dos cabos eleitorais do prefeito também foram beneficiados. Um exemplo é o da "irmã de Isabel, que trabalhou na campanha", como foi identificada, de acordo com o mesmo documento, Maria Aparecida da Conceição. Assim como no caso da irmã, o emprego solicitado por ela era "na área educacional" e, onde alguém poderia pensar que constariam as qualificações ou um histórico trabalhista da pretendente, aparecia apenas "já ensinou". Era todo o currículo dela.

Detalhes
Entre os nomes contidos na mesma página, a falta de detalhes sobre os "escolhidos da prefeitura" atinge um nível mais grotescos. Trata-se da indicação de Katiane Maria Bernadino, identificada como "filha de Gira". Ao lado do item "solicitação de emprego" a informação é a das mais diretas: "qualquer lugar". O mais comum, porém, é a frase "emprego em geral", que aparece junto do nome de nove pessoas.

"Indicação do prefeito Dinca" também é comum e está em vários casos da lista, alguns, inclusive, escritos à mão. Em outros, a indicação torna-se indireta. Exemplos são os de Miriam Bezerra de Oliveira, que "falou com Dinca" e "José Hélio da Silva, que "já trabalhou na casa de Dinca".

Provas consistentes
Quase sem conter o riso, o promotor responsável pelo caso, Leôncio Tavares, disse que, quando viu a lista, quase não acreditou. "O Ministério Público recebeu uma denúncia de que a Prefeitura de Tabira estaria com mais contratados do que concursados. Pedimos explicações sobre a quantidade de cargos e sobre como foi o processo seletivo e, então, nos mandaram essa lista. Nunca tinha me deparado com tanta sinceridade", relatou, sem esconder a ironia.

Diante do documento, ele ajuizou uma ação por improbidade administrativa e pediu a cassação dos direitos políticos do prefeito. "Não é um processo administrativo, é uma ação judicial. As provas são consistentes", ressaltou. De acordo com ele, os contratos investigados vêm sendo renovados há três anos, desde quando Dinca assumiu o cargo.

O último concurso público de Tabira foi realizado em 2001 e o quadro de concursados da prefeitura não ultrapassa 400 pessoas. O prefeito Dinca foi procurado pela reportagem, mas não atendeu as ligações. A secretária de Administração, Roberta da Costa, também não foi localizada

Fonte: Correio Brasiliense

7 comentários:

  1. O prefeito foi "honestíssimo"e deve ter pensado o seguinte >>> já que o governo federal nomeia assim, para os cargos de confiança, deve ser legal e eu posso fazer. ( rsss). O exemplo vem de cima, meu caro.
    Infelizmente, em todo o Brasil, o critério é esse. Por isso estamos na droga atual em todos os setores.
    Viu que a coisa começa nas prefeituras? Pois bem, comecemos a barrar esse procedimento nas eleições de 2012. Para mim, é o único caminho.

    ResponderExcluir
  2. Chega a ser "Bizarrro" tanta "sinceridade" a confissçao deste prefeito. Imagina-se o por que desta sinceridade pois uma admissçao de culpa por escrito é no minimo uma situação inusitada. Será que ele imagina que o paço da Justiça além de lento é cego surdo e mudo ? Além de analfabeta ? Deve confiar muito no seu "apadrinhamento" e no esquecimento dos fatos que é comum no universo do "mau feito" por politicos. E esse personagem no minimo deve ser retirado da prefeitura e seus contratados, devidamente exonerados, no minimo. E claro ser divulgado com alarde a retirada deste sr. do cenário politico. Já imaginaram essa peça como deputado ou senador ?

    ResponderExcluir
  3. (corrigindo) Chega a ser "Bizarrro" tanta "sinceridade" a CONFISSÃO (corrigindo o anterior) deste prefeito. Imagina-se o por que desta sinceridade pois uma ADMISSÃO (corrigindo) de culpa por escrito é no minimo uma situação inusitada. Será que ele imagina que o PASSO da Justiça além de lento é cego surdo e mudo ? Além de analfabeta ? Deve confiar muito no seu "apadrinhamento" e no esquecimento dos fatos que é comum no universo do "mau feito" por politicos. E esse personagem no minimo deve ser retirado da prefeitura e seus contratados, devidamente exonerados, no minimo. E claro ser divulgado com alarde a retirada deste sr. do cenário politico. Já imaginaram essa peça como deputado ou senador ?

    ResponderExcluir
  4. Sabe que não sou totalmente contra o eleito escolher e indicar como auxiliares pessoas de sua confiança?

    Concurso público, na minha opinião, deve ser para pessoal sem interferência na linha executiva e politica do eleito.

    Lógico que essas nomeações não podem nem devem ser só para pagar favores e sim por pessoas competentes que complementam e executam os planos e pensamentos do dirigente.

    Sejamos honestos, como um eleito poderá trabalhar se seu staf é da oposição?

    ResponderExcluir
  5. Aparecido,
    Vc tem razão, mas existe os cargos de confiança à disposição do Governante, agora o critério usado foi ridiculo, cargos de chefia devem ser de confiança, agora os outros têm que ser por concurso público ou na pior das hípóses por processo seletivo.
    Admitir por escrito em resposta ao Promotor vai dar mjuita dor de cabeça para esse Prefeito

    ResponderExcluir
  6. Renata Covas Lopes14 de outubro de 2011 09:14

    O Exemplo vem de cima,,,Concurso Público? coisa do passado...Fora de moda nesse últimos anos,,,,
    Muito triste, num país de tantos desmandos, falar NÃO a CORRUPÇÃO incomoda muita gente.Vivemos um tempo de inversão de valores,o prefeito não tem nenhum constrangimento é de doer.

    ResponderExcluir
  7. Nos currículos dos Petistas , não precisa nem escrever, é só desenhar uma estrelinha vermelha.....rsrs

    ResponderExcluir