terça-feira, 24 de dezembro de 2013

AVIÕEZINHOS DE PAPEL

O Brasil acaba de comprar, por US$ 4,5 bilhões, o direito de participar do desenvolvimento do projeto de um avião supersônico. O Gripen NG, da Saab, é o sucessor do Gripen, um caça de sucesso (e tem sua origem remota no Viggen, avião de combate de ótima reputação, símbolo da boa engenharia sueca), mas ainda está no papel. Isso foi apontado como vantagem: ao participar do projeto, o Brasil leva de brinde ampla transferência de tecnologia, podendo criar uma base que lhe permitirá, no futuro, desenvolver aqui jatos de combate e ataque ao solo.
OK, não é bem assim; falta combinar com os americanos, que fornecem parte das peças e precisam autorizar a transferência desta tecnologia. Mas é um bom começo. Ou seria: afinal, quais as necessidades militares do Brasil? E da FAB?
As Forças Armadas estão mal de verbas, equipamentos e infraestrutura. Há falta de refeições para os recrutas e de munição para exercícios de tiro. Seria a compra de aviões o projeto prioritário? Imaginemos que seja. Mas é de caças supersônicos que o Brasil, que não tem pendências com os vizinhos há mais de um século, precisa? Vigiar as fronteiras, patrulhar o pré-sal, tudo isso não seria feito, e bem, por aviões não tripulados, os drones, que custam muito menos? Quantos drones de última geração poderiam ser comprados pelo preço dos Gripen?
É questão de conceito: as magníficas trincheiras francesas, de ótima tecnologia, não resistiram ao novo conceito da guerra blindada alemã. Os drones talvez sejam o futuro da aviação militar num país pacífico com muita coisa a defender.
Sem piloto
O ministro da Defesa, Celso Amorim, disse que o Brasil comprará 300 drones neste ano. E o país se estrutura para produzir aviões não tripulados em grande escala. Em outubro, foi liberado pelo Governo o acordo entre Avibrás, Embraer Defesa e AEL Sistemas para construir o drone Falcão, projetado para uso das Forças Armadas. O drone será capaz de “apontar alvos, auxiliar na direção de tiro, avaliar danos” e fará “missões de reconhecimento, vigilância terrestre e marítima”. Um avião desse tipo pode transportar foguetes e bombas, guiadas ou não.
Carlos Brickmann

Nenhum comentário:

Postar um comentário