quinta-feira, 3 de março de 2011

NO LIMITE DA TOLERÂNCIA. (By Marco Sobreira)

Não é a primeira vez e infelizmente não será a última que escrevo sobre esse assunto. Não tem um dia sequer que somos poupados de ouvir, ler ou ver crimes absurdos com motivos dos mais torpes ou mesmo sem motivação alguma, apenas o prazer de se sentir superior e eliminar a vida de alguém que muitas vezes nem conhece.


É a banalização total, o desrespeito máximo, nada pode ser mais vil do que matar um ser humano. Como explicar o assassinato frio, cruel e premeditado de uma criança de seis anos, que na sua inocência confiou e acreditou na amante do pai? E o filho que esfaqueou pai e mãe até a morte só por que não agüentava mais ser cobrado para trabalhar? Empregada e os patrões chacinados por asfixia por motivos ignorados até então? Seqüestros, estrupos e morte de jovens deixando em desespero familiares e amigos, fazem parte do nosso cotidiano. As câmaras de segurança estão flagrando os assassinatos, estamos assistindo em tempo real a execução das pessoas, sem a menor chance de defesa da vitima, Não são humanos, são verdadeiras bestas sanguinárias isentas de um mínimo de compaixão, e como tal devem ser tratados.

É preciso rever nossas leis, é imperioso diminuir a maioridade penal, precisamos implantar a prisão perpétua e sei que os defensores dos “direitos humanos” vão cair de pau em cima de mim, mas alguns tipos de crime, principalmente o assassinato de crianças e idosos indefesos deve ser punidos com a pena de morte, são monstros sem qualquer possibilidade de recuperação e convívio na sociedade.

Nossos legisladores, muito bem remunerados por sinal, têm que assumir a responsabilidade de dotar o país de código penal à altura da barbárie que no é imposta, têm que acabar com as centenas de artifícios jurídicos que prorrogam as condenações indefinidamente, aumentando a impunidade. Precisamos construir presídios seguros que possibilitem que os presos trabalhem, custeiem sua estadia e mandem dinheiro para a família em vez do governo dar o bolsa presídio incentivando a criminalidade. Quem deveria receber uma indenização do estado é a família da vítima, já que falhou na sua obrigação de oferecer uma segurança pública eficaz.

Hoje, de dentro dos presídios, os traficantes comandam seu bando com segurança, visitas íntimas, festas, drogas, corrompem os que deveriam vigiá-los , decidem e condenam a morte adversários , tudo como se estivessem numa colônia de férias.

A sociedade está a mercê dos marginais, cada dia mais abdicamos de nossa liberdade, do prazer de um passeio, da visita a amigos, de assistir um bom filme no cinema ou ir a um estádio ver nosso time de coração, somos prisioneiros em nossa própria casa, cercada de grades, câmeras de segurança, vigias, porteiros e nada disso é suficiente para a tranqüilidade de quem trabalha, paga impostos e não recebe em troca os direitos que nos é devido.

O governo só pensa no prolongamento do poder, na perpetuação desse sistema corrupto, fisiológico, populista e assistencialista que aí está, trata de manter cativo a parcela mais humilde da população com o bolsa família, que se não os deixa morrer de fome, não impede entretanto que morram nas filas dos SUS ou que tenham uma educação de qualidade tornando-os eternamente dependentes.

Nossos jovens precisam de escolas em tempo integral, qualidade no ensino, atividades físicas e culturais, alimentação decente, direção compartilhada com pais e a sociedade para que se sintam incentivados a freqüentá-la em vez de permanecerem nas ruas onde viram presas fáceis dos traficantes. O Estado tem que estar presente oferecendo saúde e segurança, mas acima de tudo é preciso um combate permanente e implacável à marginalidade, não podemos poupar os ladrões do dinheiro público , base do crime organizado. Se não o fizermos , breve começaremos a pensar em fazer justiça com as próprias mãos, a um passo da Lei de Talião. Exagero? Talvez, mas estamos no limite da tolerância.

É preciso repensar o Brasil.

8 comentários:

  1. Texto espetacular... Falou tudo o que penso... A gente se desespera qdo um filho está na rua, qdo sai pra uma festa de criança. Violência cada vez mais banalizada.... Só Deus meu querido amigo... Quando nossas autoridades irão acordar e cuidar deste país? Educação é o primeiro passo, mas as escolas não são nada atraentes... Prédios feios, sem tecnologia, laboratórios, arte... Acho que todas as escolas deveriam ter aulas de música, canto, teatro... Mas acho eu, que nossos governantes não se importam com isto. Não são seus filhos que frequentam escolas públicas....
    Obrigada por falar tão sabiamente o que todos gostaríamos de dizer...

    Basta de corrupção, de violência, de falta de solidariedade e gentileza!!!!!

    Obrigada sempre!

    ResponderExcluir
  2. Paulo Gilberto Morais dos Santos PeGê4 de março de 2011 03:38

    Às vezes fico a imaginar que os defensores dos "direitos humanos" ao propugnarem, sempre, a proteção do assassino, ocuparam o seu(dele) lugar um dia.

    ResponderExcluir
  3. Dr. Marcos é um grande prazer ler seus artigos.
    Acho até redundante comentar que não há mais limite para violência neste país, somos agredidos todos os dias de diferentes formas seja diretamente como neste caso, seja indiretamante assistindo a tudo isto e pensando, será que serei eu a próxima a sofrer com isto??
    Banalização. Tornou-se banal esta estupidez primitiva humana, se humanos estamos regredindo a bestas feras ao invés de evoluirmos. Por outro lado, por parte dos governos e poderes observamos apenas promessas não cumpridas, má vontade política e falta de gestão pública para ao menos ter um maior controle para que casos tristes como estes não se repitam.
    Não é somente na economia, educação, saúde que vemos o quantos estamos inseguros. Na segurança pública também...
    Abraços Amigo!!!
    Ivete Depelegrim

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, Nós já não toleramos mais, tanta anarquia. Se tanta coisa absurda acontece, é porque as autoridades constituídas dão um péssimo exemplo de impunidade para o povo que, há anos vem sofrendo uma desconstrução , total, de valores.Se perguntarmos o que é ética para alguém, ouviremos longas dissertações sobre o tema mas, ninguém dirá que É FAZER O CORRETO QUANDO NINGUÉM NOS VÊ.É isso, meu amigo, que falta á humanidade e, de um modo muito particular, ao nosso povo brasileiro- letrado ou não. Abraços. opcao_zili

    ResponderExcluir
  5. Perfeito!Parabéns pelo lindo texto, que mostra indignação como ser humano e cidadão.
    Amo meu Brasil, mas sou inconformada com muita coisa que por aqui acontece...
    Direitos humanos DEVEM ser para humanos direitos... Pelo menos deveria ser assim.
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  6. Como sempre, excelente texto Marcos. Se o "direitos humanos" o criticar, há de me criticar tb, pois, pena de morte diminuiria muito a criminalidade sempre impune neste país que virou o paraíso dos marginais. Direitos humanos é pra bandido. Minha vontade e virar as costas pra este país e nunca mais voltar.
    abs
    Vânia

    ResponderExcluir
  7. Caro amigo Marco

    Sempre nos brindando com suas colocações tão apropriadas para este momento. BRASIL a cada dia parecendo um Nau Desgovernada e povo ainda enebriado pelas falsas promessas e espetaculares propagandas que enchem os olhos mas não resolvem os problemas crucias como saneamento básico, Saúde, Educação e Segurança.
    Não adianta ser 7ª Potência Econômica e 27ª em Desenvolvimento Humano.
    Marisa Cruz

    ResponderExcluir
  8. Tolerância, não dá mais, acabou, a bandidagem já toma conta do país, não somente esse que mora nas favelas ou morros e presídios, mas também dos nossos governantes que nada fazem para mudar essa situação.

    ResponderExcluir